A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU

A PODEROSA ORAÇÃO AO PLANETA DE MAIS DE 500 MULHERES NO VALE SAGRADO DO PERU

Quarenta dias antes do início da crise social no Chile, 560 mulheres, de 30 países, entre os quais 100 chilenos, participaram do mega-encontro “Convergência Intercultural de Mulheres: Juntos Somos Medicina”. Eles celebraram um grande ritual de unificar as águas, as cinzas dos fogos sagrados, as terras, montanhas e vales; das orações e canções de vários cantos do mundo, e ouviu as mensagens de 13 avós ancestrais. Aqui eles contam como foram empoderados e começaram a viver com maior consciência.

 

Durante uma semana, 40 dias antes do início do surto social no Chile , 560 mulheres, de 30 nações, se reuniram por uma semana no complexo arqueológico peruano de Pisac (ou Pisaq) – uma hora de Cusco e distante 2.906, A 3 quilômetros de Santiago – para fazer uma oração pelo planeta, uma oração tão poderosa que “sacudiu” os Apus (montanhas sagradas) dos Andes.

Havia muitas razões para oferecer orações à terra: a severidade das mudanças climáticas, o derretimento acelerado das geleiras, a seca, os incêndios que varreram as esplanadas da Amazônia e o calor extremo . Ninguém ficou indiferente ao “sofrimento” do planeta ou à “Grande Mãe”.

Entre 9 e 14 de setembro do ano passado , essas mulheres, de todas as idades, entre as quais terapeutas, curandeiras que honram Pachamama, ambientalistas, líderes e líderes sociais, além de 13 avós de linhagens ancestrais que vivem Em conexão com a natureza e profundidade de sua alma, eles se reuniram no Vale Sagrado, respondendo ao chamado de três chilenos, co-criadores desta cúpula :Luzclara Camus, Medicina Feminina, conhecida mundialmente pela formação dos círculos femininos durante a ditadura (centro na foto); Astrid Brinck, terapeuta transpessoal, fundadora do Inner Rreedom Institute (à esquerda) e Mahi Barahona, psicóloga, doula, guardiã do nascimento e facilitadora dos círculos femininos (à direita).

Nesse mega encontro, chamado “Convergência Intercultural de Mulheres: Juntos Somos Medicina” , os convocados – entre os que eram cerca de 100 chilenos – celebrariam um grande ritual de unificação das águas, das cinzas dos fogos sagrados, das terras, montanhas e vales; das orações e canções de vários cantos do mundo.

Os organizadores sentiram que esta reunião “abalaria” as entranhas de Cusco e causaria uma “revolução da energia feminina” . Eles nem imaginavam que um mês depois – em 18 de outubro – a crise social no Chile irromperia e o coletivo LasTesis surgiria nas próximas semanas com a música “Um estuprador no seu caminho”, que enfatiza a dignidade de mulheres abusadas, que se tornaram virais em todo o mundo.

Chance? Algumas das participantes da reunião no Peru leram “nas entrelinhas” que havia um alinhamento invisível entre os movimentos de ambas as mulheres.

SEIS DIAS MÁGICOS

O exclusivo Royal Inka Hotel , em Pisac, foi o epicentro deste marco. Durante seis dias, os participantes esqueceram suas diferenças raciais e culturais e compartilharam como irmãs, como se tivessem conhecido a vida inteira.

Eles participaram dos rituais de convergência, ouviram as mensagens das avós (consideradas sábias em suas culturas) e honraram seus antepassados, seus duelos, fertilidade e o casal sagrado.

Eles sempre foram guiados por Luzclara, Astrid e Mahi, e pelas avós que, com um olhar, olham para as profundezas da alma: Miliwanga Wurrben (mulher Rembarrnga da Austrália); Martina Mamani (Medicina da Mulher da tradição andina) Cecilia Paniagua (guardiã da cultura Chavín); María Apaza (Altomisayoc Q’ero), Medicina Doce (líder espiritual americano da linhagem Chickasaw); María Valdivia (médica chilena residente em Ibiza); Ana Luisa Solís (guardiã do conhecimento ancestral mexicano); Rosalinda Namises (ativista e política namibiana ); Francisca Calfín (Lawentuchefe Mapuche); Nan Amalia Tum (curandeira de tradição maia) e Marianna García Legar, Dona Loba (ativista argentina residente em Barcelona).

Após a cerimônia de boas-vindas, realizada na segunda-feira, 9 de setembro, que culminou no trânsito pelo Labirinto da Luz (foto), oferecido pela vovó Marianna, os dias seguidos – duraram cerca de três horas – dedicados à Rituais de unificação dos quatro elementos. Cada mulher trouxe um pouco de terra, água, cinzas e penas de seu local de origem.

Na terça-feira, 10 foi dedicado ao incêndio . Os participantes usavam em suas roupas uma roupa vermelha e dançavam em círculos concêntricos ao redor do altar principal, composto por um fogo circunscrito em uma chakana (cruz andina) de pedras.

Na quarta  feira, ele homenageou a água e os participantes privilegiaram o azul em suas roupas . Quinta-feira foi dedicada à terra (amarelo e ouro era a cor dominante) e sexta-feira ao ar, onde predominou o branco.

Todos os dias, após os intensos rituais de unificação, um mercado era instalado e a noite fechava com algumas apresentações musicais. Eles aplaudiram Astrid Brinck e sua filha, e Moyenei Valdés, ex-cantora de Mamma Soul, que mora no México.

Durante a tarde foram realizados os Conselhos das Avós, onde essas sábias compartilharam recomendações com as participantes, como a necessidade de se conectar com o nosso interior, não manter relacionamentos tóxicos, cuidar da casa e manter uma vela acesa em uma sala para manter o fogo das nossas vidas

Houve momentos emocionantes. Na sexta-feira, após a unificação do ar, todos os participantes, liderados por Luzclara, fizeram uma peregrinação pelas ruas de Pisac . Os moradores desta pitoresca cidade saíram nas varandas ou se reuniram nos cantos para aplaudir esses curandeiros revolucionários que usavam branco.

O último dia em que o Sagrado Masculino foi homenageado . Cerca de cem homens de Pisac foram convidados. Entraram por um túnel feito por mulheres, foram ao altar e sentaram-se ao redor das avós que as abençoavam.

Chegou a hora do adeus. As 560 mulheres se acomodaram ao redor do altar e no caminho que levava à saída. As avós empolgadas deram as mãos e foram dançar . Lágrimas rolaram pelo rosto de todos. Terminou um evento que seria muito difícil de esquecer.

“A FORÇA DA ORAÇÃO UNIDA”

Quatro meses se passaram desde aquele momento mágico e o canto, a dança e os conselhos dos organizadores e das avós ainda ressoam entre os participantes.

Em sua casa em Pisac, em frente ao Apu Pachatusan, Luzclara observa que essa experiência o deixou “um grande poder e muito ensino, além de experimentar novamente os sonhos manifestados e sentir a força da oração unida no amor”.

A muitos quilômetros de distância, em Pucón, Mahi Barahona reflete: “A experiência da Convergência começou a partir de sua gestação como tremendamente transformadora , sempre guiada por uma força maior que a nossa, diante da qual era apenas humildemente se render. Estava cheio de magia o tempo todo: antes, durante os 6 dias de reunião e ainda é hoje. Para mim, ele acrescenta, como para muitas das avós e mulheres convidadas, houve um antes e depois muito profundo, cheio de cura, força renovada, sabedoria, apoio e novas visões pessoalmente, e tendo em vista o movimento de despertar o feminino para os novos tempos, tanto nas mulheres como nos homens e na Terra ”.

Astrid Brinck acrescenta que o encontro deixou a experiência “de testemunhar o potencial humano em um espaço de autêntica co-criação . Me emociona saber que somos tantos que agora têm uma experiência concreta do que o mundo precisa para viver juntos como humanidade, com nossa bela diversidade, oferecendo a cada um o melhor de si para um propósito maior a serviço de todos ”.

“AS MUDANÇAS QUE EXPERIMENTAMOS SÃO FORTES”

A Sweet Medicine, avó convidada dos Estados Unidos, diz convencida de que sua experiência de deleite com essa convergência mudou sua vida. “Viemos de muitos caminhos diferentes, inspirados, abertos, apoiando e colaborando com nossa medicina, nossa essência, de forma não competitiva, livre de julgamentos . Fiquei tão impressionado com a fabulosa partilha de nossos ensinamentos, mostrando e inspirando com verdade, sabedoria e nossas experiências de vida. ”

A avó convidada da Namíbia, Visolela Rosalinda Namises, acrescenta que esse mega-encontro desmistificou “o relacionamento que as mulheres estão tendo entre si. E também através de diferentes idades, países e culturas, interagimos e participamos juntos, unimos nossos diferentes rituais culturais em um e isso é um grande avanço para o futuro . A convergência me mostrou que há esperança e possibilidades quando as mulheres se reúnem. Havia poder, energia, risos e paz entre nós, então acho que isso deve continuar e reunir muito mais mulheres para a nossa cura e a cura da Mãe Terra. ”

Francisca Calfin Lawentuchefe, mapuche medicina mulher do Chile, enfatiza que “chegou a hora de nos reunirmos, para fortalecer as avós, mães, filhas e netas de diferentes tradições de todos os territórios, para nossos relacionamentos, para nosso lar, para a mãe. terra . Temos que fazer cerimônias invocando o Newen (força espiritual) para que o amor prevaleça e as consciências do cuidado de nossos corpos, nossos relacionamentos e os cuidados de Ñuke Mapu (Mãe Terra) floresçam porque as mudanças que estamos experimentando são fortes e únicas a oração pode sustentar o futuro da humanidade, criando consciência em nossas futuras gerações e tudo isso é o que se materializa nesta convergência. ”

“UM ÓTIMO PRÓXIMO AO MEU CORAÇÃO”

Na tranquilidade de sua casa no México, Moyenei Valdés comenta que “a Convergência foi um chamado poderoso. O que experimentei naqueles dias sob os pés dos Andes foi muito mais do que eu imaginava . As avós de todos os continentes, irmãs de todo o planeta e todas as idades, manifestaram juntas um ritual universal único, imensamente amoroso e poderoso, que foi definitivamente um grande néctar para o meu coração. Um encontro inesquecível e necessário para estes tempos, que são tempos de unidade, de beleza. Juntos somos remédios!

Francisca Cortés Solari, presidente da Fundação Caserta, apoiou e colaborou com a nomeação. Hoje lembre-se de que ele viveu “momentos bonitos, foi tudo muito curativo. Muito obrigado por um grande esforço. A gratificação vale mais do que tudo e isso tem sido a união de tantas mulheres bonitas. ”

Outra mulher que contribuiu para a realização desta cúpula é Teresa Campos, diretora do Ministério da Cultura de Cusco . Nesta cidade histórica, lembre-se do que você viveu. O importante – ele diz – é “valorizar que o papel das mulheres na permanência e resistência do conhecimento dos povos ancestrais é uma questão de justiça . As mulheres que se encontraram na Convergência mostraram que somos Medicina, convocando nossos espíritos e forças para cuidar do nosso mundo e do nosso futuro. ”

PRÓXIMA NOMEAÇÃO EM TEPOZTLÁN, MÉXICO

Na sexta-feira, 13 de setembro, no final da unificação do ar, Luzclara, Mahi e Astrid anunciaram que haveria uma segunda versão da Convergência Intercultural das Mulheres ( www.somosmedicina.org ). Desta vez, será realizada em Tepoztlán, México, entre 21 e 26 de setembro de 2020.

Nesta cidade, localizada ao sul da Cidade do México , conhecida como o local de nascimento de Quetzalcoatl, o deus asteca representado por uma serpente emplumada, as mulheres do mundo convergirão novamente.

É que os corações de todos se uniram no infinito. Chaltumay!

FONTE
Texto: Patricia Schüller Gamboa / Fotos: Lali Aguero, Inés Cabral, Piera Novion – http://lanacion.cl/2020/01/15/el-potente-rezo-al-planeta-de-mas-de-500-mujeres-en-el-valle-sagrado-de-peru/?fbclid=IwAR1gPhVTX3bWlcrOj39_e9PROPDn5iAjtJOjz0przFobNBJL4gCoe6iK5uA