Anjos e Devas

Anjo

Anjo (do latim angelus e do grego ággelos (ἄγγελος), mensageiro), segundo a tradição judaico-cristã, a mais divulgada no ocidente, conforme relatos bíblicos, são criaturas espirituais, conservos de Deus como os homens (Apocalipse 19:10), que servem como ajudantes ou mensageiros de Deus.

Na iconografia comum, os anjos geralmente têm asas de pássaro e uma auréola. São donos de uma beleza delicada e de um fortebrilho, e por vezes são representados como uma criança, por terem inocência e virtude.

Os relatos bíblicos e a hagiografia cristã contam que os anjos muitas vezes foram autores de fenômenos miraculosos, e a crença corrente nesta tradição é que uma de suas missões é ajudar a humanidade em seu processo de aproximação a Deus.

Os anjos são ainda figuras importantes em muitas outras tradições religiosas do passado e do presente, e o nome de “anjo” é dado amiúde indistintamente a todas as classes de seres celestes. Os muçulmanos, zoroastrianos, espíritas, hindus e budistas, todos aceitam como fato sua existência, dando-lhes variados nomes, mas às vezes são descritos como tendo características e funções bem diferentes daquelas apontadas pela tradição judaico-cristã, esta mesma apresentando contradições e inconsistências, de acordo com os vários autores que se ocuparam deste tema. O Espiritismo faz uma descrição em muito semelhante à judaico-cristã, considerando-os seres perfeitos que atuam como mensageiros dos planos superiores. Dentro do Cristianismo Esotérico e da Cabala, são chamados de anjos aos espíritos num grau de evolução imediatamente superior ao do homem e imediatamente inferior ao dos arcanjos. Para osmuçulmanos alguns anjos são bons, outros maus, e outras classes possuem traços ambíguos. No Hinduísmo e no Budismo são descritos como seres autoluminosos, donos de vários poderes, sendo que alguns são dotados de corpos densos e capazes de comer e beber. Já os teosofistas afirmam que existem inumeráveis classes de anjos, com variadas funções, aspectos e atributos, desde diminutas criaturas microscópicas até colossos de dimensões planetárias, responsáveis pela manutenção de uma infinidade de processos naturais. Além disso a cultura popular em vários países do mundo deu origem a um copioso folclore sobre os anjos, que muitas vezes se afasta bastante da descrição mantida pelos credos institucionalizados dessas regiões.

As hierarquias angélicas no Cristianismo

Gustave Doré: Ilustração para a Divina Comédia, de Dante Alighieri: Paraíso, canto XXXI

Teto do Batistério de São João, em Florença, mostrando as hierarquias angélicas

No Cristianismo os anjos foram estudados de acordo com diversos sistemas de classificação em coros ou hierarquias angélicas. A mais influente de tais classificações foi estabelecida pelo Pseudo-Dionísio, o Areopagita entre os séculos IV e V, em seu livro De Coelesti Hierarchia.[1]

No Cristianismo a fonte primária ao estudo dos anjos são as citações bíblicas, como quando três anjos apareceram a Abraão,[2] embora existam apenas sugestões ambíguas para a construção de um sistema como se ele se tivesse desenvolvido em tempos posteriores.[3]Isaías fala de serafins;[4] outro anjo acompanhou Tobias; a Virgem Maria recebeu uma visita angélica na anunciação do futuro nascimento de Cristo,[5] e o próprio Jesus fala deles em vários momentos, como quando sofreu a tentação no deserto [6] e na cena do horto das oliveiras, quando um anjo lhe fortalecia antes da Paixão.[7]

São Paulo faz alusão a cinco ordens de anjos.[8] Depois foi São Dionísio um dos primeiros a propor um sistema organizado do estudo dos anjos e seus escritos tiveram muita influência, mas foi precedido por outros escritores, como São Clemente, Santo Ambrósio e São Jerônimo. Na Idade Média surgiram muitos outros esquemas, alguns baseados no do Areopagita, outros independentes, sugerindo uma hierarquia bastante diferente. Alguns autores acreditavam que apenas os anjos de classes inferiores interferiam nos assuntos humanos.

Tradições esotéricas cristãs também foram invocadas para se organizar um quadro mais exato. As classificações propostas na Idade Média são as seguintes:

  • São Clemente, em Constituições Apostólicas, século I:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Éons, 4. Hostes, 5. Potestades, 6. Autoridades, 7. Principados, 8. Tronos, 9. Arcanjos, 10. Anjos, 11. Dominações.
  • Santo Ambrósio, em Apologia do Profeta David, século IV:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Dominações, 4. Tronos, 5. Principados, 6. Potestades, 7. Virtudes, 8. Anjos, 9. Arcanjos.
  • São Jerônimo, século IV:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Potestades, 4. Dominações, 5. Tronos, 6. Arcanjos, 7. Anjos.
  • Pseudo-Dionísio, o Areopagita, em De Coelesti Hierarchia, c. século V:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Virtudes, 6. Potestades, 7. Principados, 8. Arcanjos, 9. Anjos.
  • São Gregório Magno, em Homilia, século VI:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Principados, 6. Potestades, 7. Virtudes, 8. Arcanjos, 9. Anjos.
  • Santo Isidoro de Sevilha, em Etymologiae, século VII:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Potestades, 4. Principados, 5. Virtudes, 6. Dominações, 7. Tronos, 8. Arcanjos, 9. Anjos.
  • João de Damasco, em De Fide Orthodoxa, século VIII:
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Potestades, 6. Autoridades (Virtudes), 7. Governantes (Principados), 8. Arcanjos, 9. Anjos.
  • São Tomás de Aquino, em Summa Theologica, (1225-1274):
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Virtudes, 6. Potestades, 7. Principados, 8. Arcanjos, 9. Anjos.
  • Dante Alighieri, na Divina Comédia (1308-1321):
    • 1. Serafins, 2. Querubins, 3. Tronos, 4. Dominações, 5. Virtudes, 6. Potestades, 7. Arcanjos, 8. Principados, 9. Anjos.

De todas estas ordenações a mais corrente, derivada do Pseudo-Dionísio e de Tomás de Aquino, divide os anjos em nove coros, agrupados em três trìades:

Primeira Tríade

A 1ª Ordem é composta pelos anjos mais próximos de Deus, que desempenham suas funções diante do Pai.

Serafins

Ver artigo principal: Serafim

Serafins rodeando o trono de Deus, emiluminura das Petites Heures de Jean de Berry século XIV

Criatura fantástica do tipo dos kerabu, proveniente de Khorsabad

O nome serafim vem do hebreu saraf (שרף), e do grego, séraph, que significam “abrasar, queimar, consumir”. Também foram chamados deardentes ou de serpentes de fogo. É a ordem mais elevada da esfera mais alta. São os anjos mais próximos de Deus e emanam a essência divina em mais alto grau. Assistem ante o Trono de Deus e é seu privilégio estar unido a Deus de maneira mais íntima, e são descritos emIsaías como cantando perpetuamente o louvor de Deus e tendo seis asas.

O Pseudo-Dionísio diz que sua natureza ígnea espelha a exuberância de sua atividade perpétua e infatigável, e sua capacidade de inflamar os anjos inferiores no cumprimento dos desígnios divinos, purificando-os com seu fogo e iluminando suas inteligências, destruindo toda sombra.[9] Pico della Mirandola fala deles em sua Oração sobre a Dignidade do Homem (1487) como incandescentes do fogo da caridade, e modelos da mais alta aspiração humana [10]

Querubins

Do hebreu כרוב – keruv, ou do plural כרובים – keruvim, os querubins são seres misteriosos, descritos tanto no Cristianismo como em tradições mais antigas às vezes mostrando formas híbridas de homem e animal. Os povos da Mesopotâmia tinham o nome karabu e suas variantes para denominar seres fantásticos com forma de touro alado de face humana, e a palavra significa em algumas daquelas línguas “poderoso”, noutras “abençoado”.

No Gênesis aparece um querubim como guardião do Jardim do Éden, expulsando Adão e Eva após o pecado original.[11] Ezequiel os descreve como guardiães do trono de Deus e diz que o ruflar de suas asas enchia todo o templo da divindade e se parecia com som de vozes humanas; a cada um estava ligada uma roda, e se moviam em todas as direções sem se voltar, pois possuíam quatro faces: leão, (O leão sempre foi reconhecido como forte, feroz, majestoso, ele é o rei dos animais e essa face simboliza então sua força). touro, (o touro é reconhecido como um animal que trabalha pacientemente para seu dono. Ele é forte, podendo carregar um urso, e conhece o seu dono). águia, (como um anjo, este pássaro voa acima das tempestades, enquanto abaixo delas existem tristezas, perigos, e angústias. Um pássaro ligeiro e poderoso, elegante, incansável) e homem, Esta face fala da mente, razão, afeições,e todas as coisas que envolvem a natureza humana, isso, para alguns estudiosos, significa que eles assim como os homens possuem o livre arbítrio. E eram inteiramente cobertos de olhos, significando a sua onisciência.[12] Mas as imagens querubins que Moisés colocou sobre a Arca da Aliança tinham forma humana, embora com asas.[13]

Os Querubins, para alguns teólogos, ocupam o topo da hierarquia, pois alguns não consideram os serafins como anjos , uma vez que a palavra hebraica para anjo é “malak” (mensageiro) e da mesma forma no grego, anjo é “angelus” (mensageiro) e estas figuras aladas que aparecem, na Bíblia, apenas em Isaías capítulo 6, onde exaltam a Deus mas não comunicam mensagens ao profeta.

São Jerônimo e Santo Agostinho interpretam seu nome como “plenitude de sabedoria e ciência”. São representados muitas vezes como crianças pequenas dotadas de asas, chamados putti (meninos) em italiano. Têm o poder de conhecer e contemplar a Deus, e serem receptivos ao mais alto dom da luz e da verdade, à beleza e à sabedoria divinas em sua primeira manifestação. Estão cheio do amor divino e o derramam sobre os níveis abaixo deles.[14]

Satanás é descrito como o querubim ungido, sendo chamado antes pelo nome de Lúcifer ou Belial.

Tronos ou Ofanins

Os Tronos têm seu nome derivado do grego thronos, que significa “anciãos”. São chamados também de erelins ou ofanins, ou algumas vezes de Sedes Dei (Trono de Deus), e são identificados com os 24 anciãos que perpetuamente se prostram diante de Deus e a Seus pés lançam suas coroas.[15] São os símbolos da autoridade divina e da humildade, e da perfeita pureza, livre de toda contaminação.[14]

Segunda Tríade

A 2ª Ordem é composta pelos Príncipes da Corte celestial.

Dominações

As Dominações ou Domínios (do latim dominationes) têm a função de regular as atividades dos anjos inferiores, distribuem aos outros anjos as funções e seus mistérios, e presidem os destinos das nações. Crê-se que as Dominações possuam uma forma humana alada de beleza inefável, e são descritos portando orbes de luz e cetros indicativos de seu poder de governo. Sua liderança também é afirmada na tradução do termo grego kyriotes [küriotés], que significa “senhor”, aplicado a esta classe de seres.

São anjos que auxiliam nas emergências ou conflitos que devem ser resolvidos logo. Também atuam como elementos de integração entre os mundos materiais e espirituais, embora raramente entrem em contato com as pessoas.

Virtudes

As Virtudes são os responsáveis pela manutenção do curso dos astros para que a ordem do universo seja preservada. Seu nome está associado ao grego dunamis, significando “poder” ou “força”, e traduzido como “virtudes” em Efésios 1:21, e seus atributos são a pureza e a fortaleza. O Pseudo-Dionísio diz que eles possuem uma virilidade e poder inabaláveis, buscando sempre espelhar-se na fonte de todas as virtudes e as transmitindo aos seus inferiores.[14]

Orientam as pessoas sobre sua missão. São encarregados de eliminar os obstáculos que se opõe ao cumprimento das ordens de Deus, afastando os anjos maus que assediam as nações para desviá-las de seu fim, e mantendo assim as criaturas e a ordem da Divina providência. Eles são particularmente importantes porque têm a capacidade de transmitir grande quantidade de energia divina. Imersas na força de Deus, as Virtudes derramam bênçãos do alto, frequentemente na forma de milagres. São sempre associados com os heróis e aqueles que lutam em nome de Deus e da verdade. São chamados quando se necessita de coragem.

Potestades

As Potestades ou Potências são também chamadas de “condutores da ordem sagrada”. Executam as grandes ações que tocam no governo universal. Eles são os portadores daconsciência de toda a humanidade, os encarregados da sua história e de sua memória coletiva, estando relacionados com o pensamento superior – ideais, ética, religião e filosofia, além da política em seu sentido abstrato.

Também são descritos como anjos guerreiros completamente fiéis a Deus. Seus atributos de organizadores e agentes do intelecto iluminado são enfatizados pelo Pseudo-Dionísio, e acrescenta que sua autoridade é baseada no espelhamento da ordem divina e não na tirania. Eles têm a capacidade de absorver e armazenar e transmitir o poder do plano divino, donde seus nomes.[14]

Os anjos do nascimento e da morte pertencem a essa categoria. São também os guardiões dos animais.

Terceira Tríade

A 3ª Ordem é composta pelos anjos ministrantes, que são encarregados dos caminhos das nações e dos homens e estão mais intimamente ligados ao mundo material.

Principados

Guido Reni: São Miguel, 1636

Fra Angelico; Anunciação

Os Principados, do latim principatus, são os anjos encarregados de receber as ordens das Dominações e Potestades e transmití-las aos reinos inferiores, e sua posição é representada simbolicamente pela coroa e cetro que usam. Guardam as cidades e os países. Protegem também a fauna e a flora. Como seu nome indica, estão revestidos de uma autoridade especial: são os que presidem os reinos, as províncias, e as dioceses, e velam pelo cultivo de sementes boas no campo das ideologias, da arte e da ciência.

Arcanjos

Ver artigo principal: Arcanjo

O nome de arcanjo vem do grego αρχάγγελος, arkangélos, que significa “anjo principal” ou “chefe”, pela combinação de archō, o primeiro ou principal governante, e άγγελος, aggělǒs, que quer dizer “mensageiro”. Este título é mencionado no Novo Testamento por duas vezes e a esta ordem pertencem os únicos anjos cujos nomes são conhecidos através da Bíblia: Miguel, Rafael e Gabriel. Miguel é especificamente citado como “O” arcanjo,[16] ao passo que, embora se presuma pela tradição que Gabriel também seja um arcanjo, não há referências sólidas a respeito. Rafael descreve a si mesmo como um dos sete que estão diante do Senhor[17] classe de seres mencionada também no Apocalipse.[18].

Considerado canônico somente pela Igreja Ortodoxa da Etiópia, o Livro de Enoque fala de mais quatro arcanjos, Uriel, Ituriel, Amitiel eSamuel, responsáveis pela vigilância universal durante o perído dos Nefilim, os “anjos caídos”. Contudo em outras fontes apócrifas estes são por vezes ditos como querubins. A igreja Ortodoxa faz de Uriel um arcanjo e o festeja com Rafael, Gabriel e Miguel na Synaxis deMiguel e os outros Poderes Incorpóreos, em 21 de novembro[19].

Seu caráter de mensageiros, ou intermediários, é assinalada pelo seu papel de elo entre os Principados e os Anjos, interpretando e iluminando as ordens superiores para seus subordinados, além de inspirar misticamente as mentes e corações humanos para execução de atos de acordo com a vontade divina[20]. Atuam assim como arautos dos desígnios divinos, tanto para os Anjos como para os homens, como foi no caso de Gabriel na Anunciação a Maria. A cultura popular faz deles protetores dos bons relacionamentos, da sabedoria e dos estudos, e guerreiros contra as ações do Diabo.

Anjos

Os anjos são os seres angélicos mais próximos do reino humano, o último degrau da hierarquia angélica acima descrita e pertencentes à sua terceira tríade. A tradição hebraica, de onde nasceu a Bíblia, está cheia de alusões a seres celestiais identificados como anjos, e que ocasionalmente aparecem aos seres humanos trazendo ordens divinas. São citados em vários textos místicos judeus, especialmente nos ligados à tradição Merkabah. Na Bíblia são chamados de מלאך אלהים (mensageiros de Deus), מלאך יהוה (mensageiros do Senhor), בני אלוהים (filhos de Deus) e הקדושים (santos).[21] São dotados de vários poderes supernaturais, como o de se tornarem visíveis e invisíveis à vontade, voar, operar milagres diversos e consumir sacrifícios com seu toque de fogo. Feitos de luz e fogo [22][23]sua aparição é imediatamente reconhecida como de origem divina também por sua extraordinária beleza. Segundo a tradição católica os anjos(mensageiros) são designações de cargos, não de natureza. Para Deus, apesar dos vários cargos angelicais, todos são anjos e todos são iguais perante Ele.

Os anjos em outras tradições

No Budismo e Hinduísmo

O Budismo e o Hinduísmo descrevem os anjos, ou devas, como os chamam, de maneira semelhante às outras religiões ocidentais. Seu nome deriva da raiz sânscrita div, que significa “brilhar”, e seu nome significa, então, os “seres brilhantes” ou “autoluminosos”. Dizem que alguns deles comem e bebem, e podem construir formas ilusórias para poderem se manifestar em planos de existência diferentes dos seus próprios. O Budismo estabelece uma categorização bastante completa para os seus devas, em grande parte herdada da tradição Hinduísta.

No Islamismo

Sultão Muhammad: A Mi’raj, ou Ascensão de Maomé, rodeado de anjos. Iluminura, c. 1650

A angelologia islâmica é largamente devedora às tradições dos Zoroastrianismo, do Judaísmo e do Cristianismo primitivo, e divide os anjos em dois partidos principais, os bons, fiéis a Deus, e os maus, cujo chefe é Iblis ou Ash-Shaytan, privados da graça divina por terem se recusado a prestar homenagens a Adão..[24]

Por outro lado, existe também no Islamismo uma categorização hierárquica. Em primeiro lugar estão os quatro Tronos de Deus, com formas de leão, touro, águia e homem. Em seqüência, vêm o querubim, e logo os quatro arcanjos: Jibril ou Jabra’il, o revelador, intermediário entre Deus e os profetas e constante auxiliador de Maomé; Mikal ou Mika’il, o provedor, citado apenas uma vez no Corão(2:98) e quem, segundo a tradição, ficou tão horrorizado com a visão do inferno quando este foi criado que jamais pôde falar de novo;Izrail, o anjo da morte, uma criatura espantosa de dimensões cósmicas, quatro mil asas e um corpo formado de tantos olhos e línguas quantas são as pessoas da Terra, que se posta com um pé no sétimo céu e outro no limite entre o paraíso e o inferno; e Israfil, o anjo do julgamento, aquele que tocará a trombeta no Juízo Final; tem um corpo cheio de pelos e feitos de inumeráveis línguas e bocas, quatro asas e uma estatura que vai desde o trono de Deus até o sétimo céu.[25] Por fim, os demais anjos. Como uma classe à parte estão osgênios, ou djins, que possuem muitas características humanas, como a capacidade de se alimentar, propagar a espécie, e morrer, e cujo caráter é ambíguo.[26]

Os anjos no Espiritismo

Para o Espiritismo, doutrina que tem o Cristianismo por base e foi iniciada no século XIX por intermédio de Allan Kardec, os anjos seriam os espíritos elevados de benignidade superior que são protetores dos necessitados e mensageiros do amor.[27] Seriam, portanto, aqueles que trazem mensagens do mundo incorpóreo. Por este motivo seriam chamados de anjos, palavra que significa mensageiros, os quais aparecem inúmeras vezes nos textos sagrados de religiões judaico-cristãs, indicando a comunicabilidade entre vivos e mortos. Ainda segundo o Espiritismo, os anjos, em sua concepção mais comumente conhecida e aceita – criaturas perfeitas, a serviço direto de Deus – seriam os espíritos que já alcançaram a perfeição passível de ser alcançada pelas criaturas. Estes, ao fazê-lo, passariam a dedicar a sua existência a fazer cumprir a vontade de Deus na Criação, por serem capazes de compreendê-la completamente. Que haja seres dotados de todas as qualidades atribuídas aos anjos, não restam dúvidas. A revelação espírita neste ponto confirma a crença de todos os povos, fazendo-nos conhecer ao mesmo tempo a origem e natureza de tais seres.

As almas ou Espíritos são criados simples e ignorantes, isto é, sem conhecimentos nem consciência do bem e do mal, porém, aptos para adquirir o que lhes falta. O trabalho é o meio de aquisição, e o fim – que é a perfeição – é para todos o mesmo. Conseguem-no mais ou menos prontamente em virtude do livre-arbítrio e na razão direta dos seus esforços; todos têm os mesmos degraus a franquear, o mesmo trabalho a concluir. Deus não aquinhoa melhor a uns do que a outros, porquanto é justo, e, visto serem todos seus filhos, não tem predileções. Ele lhes diz: Eis a lei que deve constituir a vossa norma de conduta; ela só pode levar-vos ao fim; tudo que lhe for conforme é o bem; tudo que lhe for contrário é o mal. Tendes inteira liberdade de observar ou infringir esta lei, e assim sereis os árbitros da vossa própria sorte. Conseguintemente, Deus não criou o mal; todas as suas leis são para o bem, e foi o homem que criou esse mal, divorciando-se dessas leis; se ele as observasse escrupulosamente, jamais se desviaria do bom caminho. Entretanto, a alma, qual criança, é inexperiente nas primeiras fases da existência, e daí o ser falível. Não lhe dá Deus essa experiência, mas dá-lhe meios de adquiri-la. Assim, um passo em falso na senda do mal é um atraso para a alma, que, sofrendo-lhe as conseqüências, aprende à sua custa o que importa evitar. Deste modo, pouco a pouco, se desenvolve, aperfeiçoa e adianta na hierarquia espiritual até ao estado de puro Espírito ou anjo. Os anjos são, pois, as almas dos homens chegados ao grau de perfeição que a criatura comporta, fruindo em sua plenitude a prometida felicidade. Antes, porém, de atingir o grau supremo, gozam de felicidade relativa ao seu adiantamento, felicidade que consiste, não na ociosidade, mas nas funções que a Deus apraz confiar-lhes, e por cujo desempenho se sentem ditosas, tendo ainda nele um meio de progresso.[28] A Humanidade não se limita à Terra; habita inúmeros mundos que no Espaço circulam; já habitou os desaparecidos, e habitará os que se formarem. Tendo-a criado de toda a eternidade, Deus jamais cessa de criá-la. Muito antes que a Terra existisse e por mais remota que a suponhamos, outros mundos havia, nos quais Espíritos encarnados percorreram as mesmas fases que ora percorrem os de mais recente formação, atingindo seu fim antes mesmo que houvéramos saído das mãos do Criador. De toda a eternidade tem havido, pois, puros Espíritos ou anjos; mas, como a sua existência humana se passou num infinito passado, eis que os supomos como se tivessem sido sempre anjos de todos os tempos. Realiza-se assim a grande lei de unidade da Criação; Deus nunca esteve inativo e sempre teve puros Espíritos, experimentados e esclarecidos, para transmissão de suas ordens e direção do Universo, desde o governo dos mundos até os mais ínfimos detalhes. Tampouco teve Deus necessidade de criar seres privilegiados, isentos de obrigações; todos, antigos e novos, adquiriram suas posições na luta e por mérito próprio; todos, enfim, são filhos de suas obras.

E, desse modo, completa-se com igualdade a soberana justiça do Criador.[29]

Visão teosófica

Anatomia esquemática do anjo patrono dosantuário de Borobudur, Java, segundo indicações do teosofista Geoffrey Hodson em seu livro O Reino dos Deuses. Sua forma é na verdade esférica, com feixes de luz irradiante, e aqui se mostra em corte. Os círculos regulares concêntricos de sua aura indicam sua avançada evolução. Muitos detalhes foram omitidos

A Teosofia admite a existência dos seres angélicos, e várias classes dentre eles, embora existam relativamente poucos estudos neste campo que as sistematizem profundamente, dos quais os de Charles Leadbeater e sobretudo Geoffrey Hodson são as fontes mais ricas e interessantes.

Charles Leadbeater diz que, sendo um dos muitos reinos da criação divina, o reino angélico também está, como os outros, sujeito àevolução, e que existem grandes diferenças em poder, sabedoria, amor e inteligência entre seus integrantes. Pelo mesmo motivo, o de constituírem um reino independente, com interesses e metas próprias, diz que os anjos não existem mormente em função dos homens e seus problemas, como reza a cultura popular, apesar de assistí-los de uma variedade imensa de formas, como por exemplo na ministração dos sacramentos das igrejas, na cura espiritual e corporal dos seres humanos, e na sua inspiração, encorajamento, proteção e instrução.[30][31] Mesmo que o reino angélico como um todo esteja envolvido em muitas tarefas que não dizem respeito ao homem, Leadbeater afirma em A Ciência dos Sacramentos que existe uma classe deles especialmente associada aos seres humanos, a dos anjos da guarda, na verdade uma espécie de silfos, à qual se confia uma pessoa por ocasião de seu batismo, e que por seu serviço conquistam a individualização, tornando-se serafins.[32]

Os anjos são descritos por Hodson como tendo uma atitude em relação a Deus completamente diversa da humana, não concebendo uma existência personalizada individual, mas sim uma consciência única central e ao mesmo tempo difusa e onipresente, de onde suas próprias consciências derivam e à qual estão inextrincavelmente ligadas. Sentem-se unidos a esta consciência e para eles não é possível, exatamente por esta unidade, experimentarem egoísmo, separatividade, desejo, possessividade, ódio, medo, revolta ou amargura. Apesar de serem essencialmente seres amorosos, seu amor é impessoal, sendo extremamente raras associações estreitas com quaisquer indivíduos. Em seus estudos Hodson os divide em quatro tipos principais, associados aos quatro elementos da filosofia antiga: terra, água, fogo e ar.

Hodson faz também uma associação dos anjos com a Árvore Sefirotal, derivada da tradição Cabalística, definindo dez ordens. Afirma que um dos aspectos do Logos é de natureza angélica e acrescenta que ao reino angélico pertencem os chamados espíritos da natureza. Muitos destas classes estão envolvidos em processos naturais básicos como a formação celular e cristalização mineral, sendo por isso de dimensões microscópicas, constituindo os primeiros degraus da sua longa evolução em direção aos anjos planetários e formas ainda mais grandiosas como os grandes arcanjos solares, de estatura verdadeiramente colossal, a ponto de poderem ser percebidos de pontos próximos à extremidade externa do sistema solar. Outros tipos são os silfos, as salamandras, as fadas, dríades, ondinas e os variados espíritos da natureza conhecidos desde a antigüidade em várias culturas. Suas descrições dão uma vívida idéia da importância destes seres na manutenção da ordem cósmica e na manifestação do universo desde sua origem insondável até as formas físicas, passando por todos os degraus intermédios. Em seu livro O Reino dos Deuses oferece uma série de ilustrações do aspecto dos vários tipos de anjos, diferindo radicalmente das tradicionais representações angélicas da cultura ocidental, e diz que apesar disso ambos, anjo e homem, derivam suas formas de um mesmo arquétipo.[33][34][35]

Na Astrologia

Algumas tradições astrológicas atribuem nomes para os anjos “embaixadores” dos planetas na Terra, responsáveis pela influência desses planetas na vida do homem. São eles:

  • Miguel: é o reitor do Sol
  • Gabriel: é o reitor da Lua
  • Rafael: é o reitor de Mercúrio
  • Uriel/Anael: é o reitor de Vênus
  • Camael/Samuel: é o reitor de Marte
  • Zacariel/Sadkiel: é o reitor de Júpiter
  • Orifiel/Cassiel: é o reitor de Saturno

Os anjos reitores de Urano, Netuno e de planetas-anões como Plutão/Plutoides e Éris geralmente não são mencionados por não serem planetas conhecidos desde a antigüidade. Alguns astrólogos propuseram o nome Ituriel para o anjo embaixador de Urano.

Na Literatura

Pouco espaço foi ocupado pelo anjo na modernidade , ele somente sobreviveu na literatura aonde hoje em dia é cultuado por jovens ,porém perdeu seu significado original e assumiu outro : um ser romântico que muitas vezes foi “amaldiçoado” ao se apaixonar por uma humana ,as histórias mais recentes são a dos livros “Fallen”(com direitos comprados ela Disney)que é o primeiro volume da saga composta por:Tormenta,Paixão e Rapture ,também é famosa a saga “Hush Hush” composta por “Sussurro,Crescendo,e Silêncio ,”Halo : um amor que ultrapassa as barreiras do céu e do inferno” e “A batalha do apocalipse”

Anjos especiais

Bernhard Plockhorst: Anjo da guarda

O Anjo da Guarda

De entre os anjos da tradição cristã está o tipo do anjo da guarda, chamado fravashi pelos seguidores de Zoroastro, e ao anjo da guarda, como o nome diz, é confiada individualmente cada pessoa ao nascer, protegendo-a do mal até onde a ordem divina o permita, fortalencendo corpo e alma e inspirando-a à prática das boas ações.

O Anjo do Senhor

Na Bíblia, sobretudo no Antigo Testamento há várias menções à aparição do Anjo do Senhor. A expressão “Anjo do Senhor” causa curiosidade por tratar-se não apenas de mais um anjo e sim de um anjo específico, considerando a antecedência do artigo definido o.

De acordo com algumas posições teológicas, o Anjo do Senhor que fez vários contatos com personagens bíblicos, entre os quais Abraão, Hagar, Gideão, sendo aparições do próprio Deus e constituindo, portanto, uma espécie de teofania ou até mesmo uma cristofania.[36]

Também é conhecido como o Anjo da Presença, embora este termo tenha em certas filosofias um significado bem específico. O Anjo da Presença, segundo o pensamento gnóstico e cristão esotérico, não é um ser com vida própria, mas sim uma forma-pensamento que representa Cristo durante o sacramento da Eucaristia e é um veículo da Sua consciência e das Suas bênçãos.[37][38]

Lúcifer

Segundo diversas tradições, Lúcifer seria um Querubim que se rebelou contra Deus.

Outros teólogos e alguns grupos cristãos como as Testemunhas de Jeova, afirmam que “a única referência a Lúcifer na Bíblia aplicava-se a Nabucodonosor, rei de Babilônia. E embora a arrogância dos governantes babilônicos realmente refletia a atitude de Satanás que também anseia ter poder e deseja colocar-se acima de Deus, a Bíblia não atribui claramente o nome Lúcifer a Satanás”.[39]

Deva (budismo)

Um deva (sânscrito e pali), no budismo, é um dos diferentes tipos de seres não-humanos. São mais poderosos, vivem mais e, no geral, tem uma existência mais satisfeita que a média dos seres humanos.

Sinônimos em outras línguas incluem o tibetano lha, o chinês tiān, o coreano cheon e o japonês ten. Outras palavras usadas em escrituras budistas se referem a seres sobrenaturais similares como devatā (“deidade”) e devaputra (Pali: devaputta, “filhos dos deuses”). Não é claro qual a distinção entre esses termos.

De uma perspectiva humana, os devas são invisíveis a olho nu. Mas a proximidade de um deva poderia ser detectada por pessoas que conseguiram abrir o “divya-cakshus” (Pali: dibbacakkhu, “terceiro olho”). Esse é um dom extra-sensorial que permitiria enxergar seres de outros planos. Suas vozes também poderiam ser ouvidas por aqueles que treinaram um poder similar no ouvido.Poderes dos devas

A maioria dos devas é também capaz de construir formas ilusórias pelas quais eles podem se manifestar diante de seres de mundos inferiores. Devas superiores e inferiores têm inclusive de fazer isso entre eles.

Os devas não requerem o mesmo tipo de alimento que os humanos, apesar de os mais inferiores comerem e beberem. Os tipos superiores de devas brilham com sua própria luminosidade intrínseca.

Os devas são também capazes de se locomoverem por grandes distâncias rapidamente e de voar, apesar de os Devas inferiores às vezes conseguirem fazer isso com o uso de auxílios mágicos como uma carruagem voadora.

Tipos de deva

O termo deva não se refere a uma classe natural de seres mas é definida de modo antropocêntrico para incluir todos os seres mais poderosos ou mais bem-aventurados que os humanos. Ele inclui vários tipos bem diferentes de seres, seres estes que podem ser alinhados hierarquicamente. As classes inferiores desses seres são mais próximas em sua natureza com os humanos que com as classes superiores de devas.

Os devas se enquadram em três classes, dependendo de em qual dos três dhātus ou “reinos” do universo eles nascem.

Os devas de Ārūpyadhātu não têm quer forma física, quer localização e habitam em meditação em entidades sem forma. Eles alcançam tal estágio ao atingirem avançados níveis de meditação em outra vida. Eles não interagem com o restante do universo.

Os devas de Rūpadhātu possuem formas físicas, mas são assexuados e sem paixões. Eles vivem em um grande número de “céus” ou mundos-deva, que sobem, nível por nível, sobre a Terra. Eles podem ser divididos em cinco grupos principais:

  • Os devas Śuddhāvāsa são o renascimento de Anāgāmins, praticantes religiosos Budistas que morreram logo após atingirem o estágio de Arhat. Eles guardam e protegem o Budismo na Terra e passarão à iluminação como Arhats quando fizerem a passagem dos reinos Śuddhāvāsa. O mais elevado desses mundos é chamado de Akaniṣṭha.
  • Os devas Bṛhatphala permanecem no tranqüilo estágio atingido no quarto dhyāna.
  • Os devas Śubhakṛtsna permanecem na bem-aventurança do terceiro dhyāna.
  • Os devas Ābhāsvara apreciam as delícias do segundo dhyāna.
  • Os devas Brahmā (ou simplesmente Brahmās) participam nos prazeres mais ativos do primeiro dhyāna. Eles também são mais interessados e envolvidos com o mundo inferior que qualquer dos devas superiores e às vezes intervém com conselhos.

Cada um desses grupos de mundos-deva contém graus diferentes de devas mas todos os que pertencem ao mesmo grupo podem interagir entre si e se comunicarem uns com os outros. Por outro lado, os grupos inferiores sequer sabem da existência dos mais elevados. Por essa razão, alguns dos Brahmās ficaram orgulhosos, imaginando-se os criadores dos mundos que estão abaixo deles (por terem vindo a existir antes desses mundos).

Os devas de Kāmadhātu possuem formas físicas similares porém maiores que os humanos. Eles levam o mesmo tipo de vida que os humanos, apesar de serem mais longevos e geralmente mais satisfeitos, estando de fato às vezes submersos em prazeres. Estes são os dhātu sobre os quais Māra tem maior influência.

Os devas mais elevados de Kāmadhātu vivem em quatro céus que flutuam no ar, deixando-os livres para fazer contato com as disputas do mundo inferior. Eles são:

  • Os devas Parinirmita-vaśavartin , devas luxuriosos aos quais Māra pertence;
  • Os devas Nirmāṇarati;
  • Os devas Tuṣita, entre os quais o futuro Maitreya vive;
  • Os devas Yāma.

Os devas inferiores de Kāmadhātu vivem em diferentes partes da montanha no centro do mundo, Sumeru. Eles são ainda mais passionais que os mais elevados e não apenas se divertem como se envolvem em disputas e lutas. São eles:

  • Os devas Trāyastriṃśa, que vivem no pico de Sumeru e são algo parecidos com os deuses olímpicos. Seu líder é Śakra.
  • Os devas Cāturmahārājikakāyika, que inlcuem os reis marciais que guardam os quato cantos da Terra. O chefe desses reis é Vaiśravaṇa, mas todos, em ultima instância, se reportam a Śakra. Eles também incluem quatro tipos de semi-deuses terrestres ou espíritos-da-natureza: Kumbhāṇḍas, Gandharvas, Nāgas e Yakṣas.

Às vezes incluídos entre os devas e outras vezes colocados em uma categoria diferente são os Asuras, os oponentes dos dois grupos precedentes de devas, cuja natureza é estar continuamente envolvidos em guerra.

Diz-se que os humanos originalmente tinham muitos dos poderes dos devas: não requerer comida, a habilidade de voar e brilhar pela sua própria luz. Com o tempo eles passaram a comer alimento sólido, seus corpos ficaram mais densos e seus poderes desapareceram.

Devas vs. deuses

Apesar de a palavra “deva” ser geralmente traduzida como “deus” (ou, ocasionalmente, “anjo”) em Português, devas Budistas diferem-se de “deuses”, “Deus” ou “anjos” de religiões ocidentais do passado e do presente em muitas e importantes formas.

  • Devas Budistas não são imortais. Eles vivem por muito tempo, porém são finitos, levando de centenas a bilhões de anos. Quando eles morrem, eles são renascidos como outro tipo de criatura, possivelmente um outro tipo de deva, ou talvez um humano ou algo mais.
  • Devas Budistas não criam nem moldam o mundo. Eles vem a existencia baseados em seus karmas passados, e eles são tão sujeitos as leis da natureza de causa e efeito quanto qualquer outro ser no universo. Eles também não tem papel nas periódicas dissoluções de mundos.
  • Devas Budistas não são encarnações de uma entidade menor ou manifestações de uma Entidade monoteísta. Tampouco são símbolos. Eles são considerados, como humanos, indivíduos distintos com suas próprias personalidades e caminhos de vida.
  • Devas Budistas não são oniscientes. Seus conhecimentos são inferiores do que os de um Buda completamente iluminado, e eles desconhecem qualquer coisa sobre mundos além de seu próprio.
  • Devas Budistas não são todo-poderosos. Seus poderes tendem a ser limitados em seus próprios mundos, e eles raramente intervém em assuntos humanos. Quando eles fazem, é geralmente mais como um conselho silencioso do que uma intervenção física.
  • Devas Budistas não são moralmente perfeitos. Os devas dos mundos de Rūpadhātu não possuem paixões e desejos humanos, e alguns deles são capazes de ignorancia, arrogancia e orgulho. Os devas dos mundos inferiores de Kāmadhātu experimentam os mesmos tipos de paixões que os humanos tem, incluindo (nos mundos mais baixos) luxúria, inveja e raiva. É, na verdade, suas imperfeições nos reinos mental e moral que causam suas ressureições nestes mundos.
  • Devas Budistas não são venerados. Apesar de alguns indivíduos entre os devas serem criaturas de grande autoridade moral e prestígio e assim mantendo um grande nivel de respeito, nenhum deva pode ser um refugiado ou mostrar uma forma de escapar do Samsara ou ainda controlar o renascimento de alguém. As maiores honras são reservadas para as Três Jóias de Buda, Dharma e Saṅgha.

Confundidos com Devas

O mundo da meditação e prática budista inclui vários tipos de criaturas chamadas “deuses”, mas elas são distintas dos devas.

  • Bodhisattvas – Um bodhisattva pode ser um deva em uma vida em particular, mas bodhisattvas não são “essencialmente” devas, e se eles acabam sendo devas é apenas o curso de nascer de várias formas em diferentes mundos o tempo todo. Um bodhisattva normalmente nasce como humano ou animal, e é apenas distinguido por criaturas pela certeza de que, depois de muitas vidas, o bodhisattva renascerá como um Buda. Por exemplo, o atual bodhisattva do céu de Tuṣita é atualmente um deva. Em sua próxima vida, ele renascerá como um humano – O Buda Maitreya. Bodhisattvas avançados também são capazes de se manifestar em uma grande variedade de formas, incluindo formas de devas, dependendo das circunstâncias.
  • Yidams – Estas entidades meditacionais algumas vezes tomam forma de um deva comum e ás vezes aparece como um bodhisattva, mas eles são em todos os casos manifestações de mentes iluminadas nas quais o meditante tenta se unir.
  • Budas – Um Nirmāṇakāya Buda (Buda fisicamente manifestado) é sempre humano e não um deva, uma vez que a condição correta de obter a iluminação suprema não existe em mundos-deva. Um Buda Sambhogakāya tem a “forma” de um deva muito avançado, mas não existe no universo, sujeito a morte e nascimento, como todos os devas. O Dharmakāya está acima de todos os mundos e limitações

O Arcanjo Miguel veste um manto militar e couraça romana no século XVII por Guido Reni

 

Schutzengel (Inglês: “Anjo da Guarda”) por Bernhard Plockhorstdescreve um anjo da guarda vigiando dois filhos.

A Harmonia entre Religião e Ciência, um afresco no teto do Salão de Mármore da Abadia de Seitenstetten (Baixa Áustria) por Paul Troger , 1735

Uma alegoria da poesia de François Boucher

Jacob Wrestling with the Angel , deGustave Doré em 1855

Um anjo é geralmente um ser sobrenatural encontrado em várias religiões e mitologias . Nas religiões abraâmicas e no zoroastrismo , os anjos são frequentemente descritos como seres celestes benevolentes que atuam como intermediários entre Deus ou o Céu e a Humanidade . [1] [2]Outros papéis dos anjos incluem proteger e orientar os seres humanos e realizar as tarefas de Deus. [3] Dentro das religiões abraâmicas, os anjos são frequentemente organizados em hierarquias, embora tais classificações possam variar entre seitas em cada religião, e recebem nomes ou títulos específicos, tais como:Gabriel ou ” anjo destruidor “. O termo “anjo” também foi expandido para várias noções de espíritos ou figuras encontradas em outras tradições religiosas. O estudo teológico dos anjos é conhecido como “angelologia”.

Na arte , os anjos são geralmente descritos como tendo a forma de seres humanos de extraordinária beleza; [4] [5] eles são freqüentemente identificados usando os símbolos de asas de pássaros , [6] halos , [7] e luz .

Etimologia

A palavra anjo em inglês é uma mistura de inglês antigo engel (com um g ) e antigo francês angele . [8] Ambos derivam do Latim angelus“mensageiro”, que por sua vez foi emprestado do grego tardio ἄγγελος aggelos , [9] comumente transliterado por falantes não gregos em sua forma fonética ángelos . De acordo com a RSP Beekes , o próprio ángelos pode ser “um empréstimo oriental, como o ἄγγαρος [ ángaros , ‘correio montado persa’].” [10] A forma mais antiga da palavra éMycenaean a-ke-ro , atestado no script silábico Linear B. [11] [12]

ángelos é a tradução padrão da Septuaginta do termo hebraico bíblico mal’ākh , denotando simplesmente “mensageiro” sem especificar sua natureza. Na Vulgata latina , o significado se torna bifurcado: quando mal’ākh ou ángelos supostamente denota um mensageiro humano, palavras como nuntius ou legatus são aplicadas. Se a palavra se refere a algum ser sobrenatural, a palavra angelus aparece. Tal diferenciação foi assumida pelas traduções vernaculares posteriores da Bíblia, dos primeiros exegetas cristãos e judeus e, por fim, dos estudiosos modernos. [13]

Zoroastrismo

No zoroastrismo existem diferentes figuras de anjos. Por exemplo, cada pessoa tem um anjo da guarda , chamado Fravashi . Eles patrocinam os seres humanos e outras criaturas, e também manifestam a energia de Deus. Os Amesha Spentas têm sido freqüentemente considerados como anjos, embora não haja nenhuma referência direta a eles transmitindo mensagens, [14] mas sim emanações de Ahura Mazda (“Senhor Sábio”, Deus); Inicialmente, eles apareceram de maneira abstrata e depois se tornaram personalizados, associados a diversos aspectos da criação divina. [15]

Neoplatonismo

Nos comentários de Proclus (século IV, sob o domínio cristão) sobre o Timeu de Platão , Proclo usa a terminologia de “angelical” ( aggelikos ) e “angel” ( aggelos ) em relação aos seres metafísicos. De acordo com Aristóteles , assim como há um Primeiro Mover , [16] também deve haver motores secundários espirituais. [17]

Religiões abraâmicas

judaísmo

Três anjos hospedados por Abraão, Ludovico Carracci (1555-1619), Bolonha, Pinacoteca Nazionale.

Tobias e o Anjo por Filippino Lippi , criado entre cerca de 1472 e por volta de 1482.

A Torá usa os termos (hebraico) מלאך אלהים ( mal’āk̠ ‘ĕlōhîm ; mensageiro de Deus), מלאך יהוה ( mal’āk̠ YHWH ; mensageiro do Senhor), בני אלהים ( bənē ‘ ĕlōhîm ; filhos de Deus ) e הקודשים ( haqqôd̠əšîm ; os santos) para se referir a seres tradicionalmente interpretados como anjos. Textos posteriores usam outros termos, como העליונים ( hā’elyônîm ; os superiores).

O termo מלאך ( mal’āk̠ ) também é usado em outros livros do Tanakh . Dependendo do contexto, a palavra hebraica pode se referir a um mensageiro humano ou a um mensageiro sobrenatural. Um mensageiro humano pode ser um profeta ou sacerdote, como Malaquias , “meu mensageiro”; a inscrição grega na tradução da Septuaginta afirma que o Livro de Malaquias foi escrito “pela mão de seu mensageiro” ἀγγέλου angélu . Exemplos de um mensageiro sobrenatural [18] são o ” Malak YHWH “, que é um mensageiro de Deus, [19] um aspecto de Deus (como o Logos ), [20]ou o próprio Deus como mensageiro (o ” anjo teofânico “). [18] [21]

O erudito Michael D. Coogan observa que é apenas nos últimos livros que os termos “passam a significar os seres semi-divinos e benevolentes, familiares da mitologia e da arte posteriores”. [22] Daniel é a primeira figura bíblica a se referir aos anjos individuais pelo nome, [23] mencionando Gabriel (o mensageiro primário de Deus) em Daniel 9:21 e Miguel (o santo lutador) em Daniel 10:13. Esses anjos fazem parte das visões apocalípticas de Daniel e são uma parte importante de toda a literatura apocalíptica. [22] [24]

Em Daniel 7 , Daniel recebe uma visão de sonho de Deus. […] Enquanto Daniel assiste, o Ancião de Dias senta-se no trono do céu e senta-se em julgamento no meio da corte celestial e um [anjo] como um filho do homem se aproxima do Ancião. nas nuvens do céu e é dado o reinado eterno. [25]

Coogan explica o desenvolvimento desse conceito de anjos: “No período pós-exílico, com o desenvolvimento do monoteísmo explícito, esses seres divinos – os ‘filhos de Deus’ que eram membros do Conselho Divino – foram, na verdade, rebaixados ao que é agora conhecido. como ‘anjos’, entendidos como seres criados por Deus, mas imortais e, portanto, superiores aos humanos. ” [22] Esta concepção de anjos é melhor compreendida em contraste com os demônios e é freqüentemente considerada “influenciada pela antiga tradição religiosa persa do Zoroastrismo , que via o mundo como um campo de batalha entre as forças do bem e as forças do mal, entre a luz e Trevas.” [22] Um deles é hāšāṭān, uma figura representada em (entre outros lugares) o Livro de Jó .

Filo de Alexandria identifica o anjo com o Logos na medida em que o anjo é a voz imaterial de Deus. O anjo é algo diferente do próprio Deus, mas é concebido como instrumento de Deus. [26]

No judaísmo pós-bíblico, certos anjos assumiram particular importância e desenvolveram personalidades e papéis únicos. Embora se acreditasse que esses arcanjos estavam entre as hostes celestes , nenhuma hierarquia sistemática jamais se desenvolveu. Metatron é considerado um dos mais altos dos anjos no misticismo Merkabah e Cabalista e muitas vezes serve como um escriba; ele é brevemente mencionado no Talmude [27] e figura proeminentemente nos textos místicos de Merkabah. Michael, que serve como guerreiro [28] e defende Israel ( Daniel 10:13 ), é particularmente admirado. [29] Gabriel é mencionado noLivro de Daniel ( Daniel 8: 15–17 ) e brevemente no Talmude, [30] bem como em muitos textos místicos de Merkabah. Não há nenhuma evidência no judaísmo para a adoração de anjos , mas há evidências para a invocação e às vezes até a conjuração de anjos. [23]

De acordo com a Cabalá , existem quatro mundos e o nosso mundo é o último mundo: o mundo da ação (Assiyah). Anjos existem nos mundos acima como uma “tarefa” de Deus. Eles são uma extensão de Deus para produzir efeitos neste mundo. Depois que um anjo completou sua tarefa, ele deixa de existir. O anjo é na verdade a tarefa. Isto é derivado do livro de Gênesis quando Abraão se encontra com três anjos e Ló se encontra com dois. A tarefa de um dos anjos era informar a Abraão de seu futuro filho. Os outros dois eram para salvar Ló e destruir Sodoma e Gomorra . [23]

O filósofo judeu Maimônides explicou sua visão dos anjos em seu Guia para os Perplexos II: 4 e II.

… Isso leva Aristóteles, por sua vez, ao fato demonstrado de que Deus, glória e majestade a Ele, não faz as coisas por contato direto. Deus queima as coisas por meio do fogo; o fogo é movido pelo movimento da esfera; a esfera é movida por meio de um intelecto desencarnado, sendo esses intelectos os “anjos que estão próximos a Ele”, através de cuja mediação as esferas se movem … assim mentes totalmente desincorporadas existem que emanam de Deus e são intermediárias entre Deus e todos os corpos [objetos] aqui neste mundo.

-  Guia para os Perplexos II: 4, Maimonides

Maimonides teve uma interpretação neo-aristotélica da Bíblia. Maimônides escreve que para o homem sábio, vê-se que o que a Bíblia e o Talmud chamam de “anjos” são na verdade alusões às várias leis da natureza; eles são os princípios pelos quais o universo físico opera.

Pois todas as forças são anjos! Quão cego, perniciosamente cego é o ingênuo ?! Se você dissesse a alguém que pretende ser um sábio de Israel que a Deidade envia um anjo que entra no ventre de uma mulher e ali forma um embrião, ele pensaria que isto é um milagre e o aceita como uma marca da majestade e poder da Deidade, apesar do fato de ele acreditar que um anjo é um corpo de fogo com um terço do tamanho do mundo inteiro. Tudo isso, ele pensa, é possível para Deus. Mas se você lhe disser que Deus colocou no esperma o poder de formar e demarcar esses órgãos, e que este é o anjo, ou que todas as formas são produzidas pelo Intelecto Ativo; que aqui é o anjo, o “vice-regente do mundo” constantemente mencionado pelos sábios, então ele irá recuar. – Guia para os perplexos II: 4

Um dos anjos músicos (serafins) de Melozzo da Basílica dei Santi Apostoli, agora na sacristia da Basílica de São Pedro

Anjo da Revelação, de William Blake , entre cerca de 1803 e cerca de 1805

Hierarquia angelical judaica

Os filhos de Deus viram as Filhas dos Homens que eram justas por Maurice Greiffenhagen

Maimonides , em seu Yad ha-Chazakah : Yesodei ha-Torah , conta dez fileiras de anjos na hierarquia angélica judaica, começando do mais alto:

Classificação Anjo Notas
1 Chayot Ha Kodesh Veja Livro de Ezequiel chs. 1 e 10
2 Ophanim Veja Ezequiel chs. 1 e 10
3 Erelim Veja Isaías 33: 7
4 Hashmallim Veja Ezequiel 1: 4
5 Serafim Veja Isaías 6
6 Malakim Mensageiros, anjos
7 Elohim “Seres divinos”
8 Bene Elohim “Filhos de seres divinos”
9 Querubim Veja Hagigah 13b
10 Ishim “seres humanos”, veja Gênesis 18: 2 , Daniel 10: 5

Anjos individuais

Da Enciclopédia Judaica , entrada “Angelology”. [23]

  • Michael (arcanjo) (tradução: quem é como Deus? ), Bondade de Deus, e defende os filhos da humanidade
  • Gabriel (arcanjo) (tradução: Deus é a minha força ), realiza atos de justiça e poder

(Somente estes dois anjos são mencionados pelo nome na Bíblia hebraica; o resto é da tradição extra-bíblica.)

  • Jofiel (tradução: Beleza de Deus ), expulsou Adão e Eva do Jardim do Éden segurando uma espada flamejante e punindo aqueles que transgridem contra Deus.
  • Rafael (arcanjo) (tradução: É Deus quem cura ), a força curadora de Deus
  • Uriel (arcanjo) (tradução: Deus é minha luz ), nos leva ao destino
  • Samael (arcanjo) (tradução: Venom of God ), anjo da morte – veja também Malach HaMavet (tradução: o anjo da morte )
  • Sandalphon (arcanjo) (tradução: reunindo ), luta contra Samael e une a humanidade

cristandade

Cristãos posteriores herdaram os entendimentos judaicos de anjos, que por sua vez podem ter sido parcialmente herdados dos egípcios. [31]No estágio inicial, o conceito cristão de um anjo caracterizava o anjo como um mensageiro de Deus. Mais tarde veio a identificação de mensageiros angélicos individuais: Gabriel , Miguel , Rafael e Uriel . Então, no espaço de pouco mais de dois séculos (do terceiro ao quinto) a imagem dos anjos assumiu características definidas tanto na teologia como na arte. [32]

De acordo com Santo Agostinho , “‘Anjo’ é o nome do seu escritório, não da sua natureza. Se você procura o nome da sua natureza, é ‘espírito’; se você procura o nome do seu escritório, é ‘anjo’ ‘: do que eles são,’ espírito ‘, do que eles fazem,’ anjo ‘. ” [33] O padre basiliano Thomas Rosica diz: “Os anjos são muito importantes, porque fornecem às pessoas uma articulação da convicção de que Deus está intimamente envolvido na vida humana”. [34]

No final do século IV, os Padres da Igreja concordaram que havia diferentes categorias de anjos, com missões e atividades apropriadas atribuídas a eles. Houve, no entanto, algum desacordo sobre a natureza dos anjos. Alguns argumentaram que os anjos tinham corpos físicos, [35] enquanto alguns sustentavam que eram inteiramente espirituais. Alguns teólogos propuseram que os anjos não eram divinos, mas no nível dos seres imateriais subordinados à Trindade . A resolução dessa disputa trinitária incluiu o desenvolvimento da doutrina sobre os anjos. [36]

Os anjos são representados em toda a Bíblia cristã como seres espirituais intermediários entre Deus e os homens: “Você fez dele [homem] um pouco menos que os anjos …” ( Salmos 8: 4-5 ). A Bíblia descreve a função dos anjos como “mensageiros”, mas não indica quando a criação dos anjos ocorreu. [37] Os cristãos acreditam que os anjos são seres criados, baseados em ( Salmos 148: 2-5 ; Colossenses 1:16 ): “louvai-o, todos os seus anjos: louvai-o, todos os seus exércitos … porque Ele falou e eles foram feitos. Ele mandou e eles foram criados … “. As Quarenta Homilias do Evangelho do Papa Gregório I notaram anjos e arcanjos. [38] O Quarto Concílio de Latrão(1215) declarou que os anjos eram seres criados. O decreto do Conselho, Firmiter credimus (emitido contra os albigenses ), declarou que os anjos foram criados e que os homens foram criados depois deles. O Primeiro Concílio do Vaticano (1869) repetiu esta declaração em Dei Filius , a “Constituição dogmática sobre a fé católica”.

Tomás de Aquino (século 13) relaciona os anjos com a metafísica de Aristóteles em sua Summa contra Gentiles , [39] Summa Theologica , [40] e em De substantiis separatis , [41] um tratado sobre angelologia. Embora os anjos tenham maior conhecimento do que os homens, eles não são oniscientes , como mostra Mateus 24:36. [42]

Interação com anjos

Kristus i Getsemane , um anjo reconfortante Jesus antes de sua prisão no Jardim do Getsêmani , por Carl Heinrich Bloch , 1865-1890.

Esqueça não mostrar amor aos estranhos; pois, desse modo, alguns entretêm os anjos desprevenidos. – Hebreus 13: 2

O Novo Testamento inclui muitas interações e conversas entre anjos e humanos. Por exemplo, três casos separados de interação angélica tratam dos nascimentos de João Batista e de Jesus Cristo . Em Lucas 1:11, um anjo aparece a Zacarias para informá-lo que ele terá um filho apesar de sua velhice, proclamando assim o nascimento de João Batista . Em Lucas 1:26, o Arcanjo Gabriel visita a Virgem Maria na Anunciação para predizer o nascimento de Jesus Cristo . Anjos então proclamam o nascimento de Jesus na adoração dos pastores em Lucas 2:10. [43]

De acordo com Mateus 4:11, depois que Jesus passou 40 dias no deserto, “… o diabo o deixou e eis que os anjos vieram e ministraram a ele”. Em Lucas 22:43 um anjo conforta Jesus Cristo durante a Agonia no Jardim . [44] Em Mateus 28: 5 um anjo fala no sepulcro vazio, seguindo a ressurreição de Jesus e a volta da pedra pelos anjos. [43]

Em 1851, o papa Pio IX aprovou o Terço de São Miguel, baseado na revelação privada relatada em 1751, do arcanjo Miguel à freira carmelitaAntonia d’Astonac. [45] Em uma biografia de Saint Gemma Galgani escrita pelo Venerável Germanus Ruoppolo, Galgani afirmou que ela havia falado com seu anjo da guarda.

O papa João Paulo II enfatizou o papel dos anjos nos ensinamentos católicos em seu discurso de 1986 intitulado ” Os anjos participam da história da salvação “, no qual ele sugeriu que a mentalidade moderna deveria passar a ver a importância dos anjos. [46]

De acordo com a Congregação para o Culto Divino ea Disciplina dos Sacramentos do Vaticano, “A prática de designar nomes aos Santos Anjos deve ser desencorajada, exceto nos casos de Gabriel, Rafael e Miguel cujos nomes estão contidos na Sagrada Escritura.” [47]

A nova igreja

Na Nova Igreja , é fornecida ampla informação sobre os anjos e o mundo espiritual em que eles habitam, a partir de muitos anos de experiências espirituais contadas nos escritos de Emanuel Swedenborg . Todos os anjos estão em forma humana com um corpo espiritual e não são apenas mentes sem forma. [48] Existem diferentes ordens de anjos de acordo com os três céus, [49] e cada anjo habita em uma das inumeráveis ​​sociedades de anjos. Tal sociedade de anjos pode aparecer como um anjo como um todo. [50]

Todos os anjos são originários da raça humana, e não há um anjo no céu que primeiro não tenha vivido em um corpo material. [51] Além disso, todas as crianças que morrem não só entram no céu mas acabam se tornando anjos. [52] A vida dos anjos é de utilidade, e suas funções são tantas que não podem ser enumeradas. No entanto, cada anjo vai entrar em um serviço de acordo com o uso que eles tinham realizado em sua vida terrena. [53] Nomes de anjos, como Miguel, Gabriel e Rafael, significam uma função angélica específica, em vez de um ser individual. [54]

Enquanto vive no corpo, um indivíduo tem conjunção com o céu através dos anjos, [55] e com cada pessoa, há pelo menos dois espíritos malignos e dois anjos. [56] Tentação ou dores de consciência originam-se de um conflito entre espíritos malignos e anjos. [57] Devido à natureza pecaminosa do homem, é perigoso ter comunicação direta e aberta com os anjos [58] e só pode ser vista quando a visão espiritual da pessoa for aberta. [59] Assim, de momento a momento, os anjos tentam levar cada pessoa ao que é bom, usando tacitamente os próprios pensamentos da pessoa. [60]

Santos dos Últimos Dias

Estátua templo, de, a, anjo moroni , berna , suíça

Os adeptos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja SUD) vêem os anjos como os mensageiros de Deus. Eles são enviados à humanidade para entregar mensagens, ministrar à humanidade, ensinar doutrinas de salvação, convocar a humanidade ao arrependimento, dar as chaves do sacerdócio , salvar pessoas em tempos perigosos e guiar a humanidade. [61]

Divina Comédia , Paraíso(Paradiso), ilustração de Gustave Doré

Comédia Divina , Paraíso , ilustração de Gustave Doré

Comédia Divina , Paraíso , ilustração de Gustave Doré

Os Santos dos Últimos Dias acreditam que os anjos são os espíritos de seres humanos falecidos ou que ainda não nasceram , ou são seres humanos que foram ressuscitados ou traduzidos e possuem corpos físicos de carne e osso, [62] e, de acordo com Joseph Smith ensinou que “não há anjos que ministram a esta terra senão aqueles que pertencem ou pertenceram a ela.” [63] Como tal, os Santos dos Últimos Dias também acreditam que Adão , o primeiro homem, foi e é agora o arcanjo Miguel , [64] [65] [66] e que Gabriel viveu na terra como Noé .[62] Da mesma forma, o anjo Morôni viveu pela primeira vez em uma civilização americana pré-colombiana como o guerreiro profeta do século V chamado Morôni .

Joseph Smith Jr. descreveu seu primeiro encontro angelical assim: [67]

“Enquanto eu estava no ato de invocar Deus, descobri uma luz aparecendo no meu quarto, que continuou a aumentar até que o quarto ficou mais claro do que ao meio-dia, quando imediatamente uma pessoa apareceu ao meu lado da cama, de pé no ar, seus pés não tocaram o chão.

Ele usava uma túnica solta da brancura mais requintada. Era uma brancura além de qualquer coisa terrena que eu já tivesse visto; nem acredito que qualquer coisa terrena possa parecer tão excessivamente branca e brilhante …

Não só o seu manto era extremamente branco, mas toda a sua pessoa era gloriosa além da descrição, e seu semblante era realmente como um raio. A sala era extremamente leve, mas não muito brilhante como imediatamente em torno de sua pessoa. Quando olhei para ele pela primeira vez, fiquei com medo; mas o medo logo me deixou “.

A maioria das visitas angélicas no início do Movimento dos Santos dos Últimos Dias foi testemunhada por Joseph Smith e Oliver Cowdery , que afirmaram (antes do estabelecimento da igreja em 1830) a visita do profeta Morôni , João Batista e dos apóstolos Pedro. , James e John. Mais tarde, após a dedicação do Templo de Kirtland , Smith e Cowdery afirmaram ter sido visitados por Jesus e, posteriormente, por Moisés, Elias e Elias . [68]

As pessoas que alegaram ter recebido uma visita de um anjo incluem as outras duas das Três Testemunhas : David Whitmer e Martin Harris . Muitos outros Santos dos Últimos Dias, tanto na igreja primitiva quanto na moderna, afirmaram ter visto anjos, embora Smith tenha proposto que, exceto em circunstâncias atenuantes como a restauração , os mortais ensinam mortais, espíritos ensinam espíritos e seres ressuscitados ensinam outros seres ressuscitados. . [69]

islamismo

Representação de um anjo em miniatura xiita (Pérsia, 1555)

Angels ( árabe : ملائكة Malā’ikah ) são mencionados muitas vezes no Alcorão e Hadith . O Islã é claro sobre a natureza dos anjos em que eles são mensageiros de Deus. Eles são encarregados de várias tarefas por Deus e apenas seguem Suas instruções. [70] Um exemplo de uma tarefa que eles realizam é ​​o de testar indivíduos concedendo-lhes riqueza abundante e curando sua doença. [71] Acreditar em anjos é um dos seis Artigos de Fé no Islã .

Alguns exemplos de anjos no Islã:

  • Jibrail : o arcanjo Gabriel (Jibra’il ou Jibril) é um arcanjo que serve como mensageiro de Deus.
  • Michael (arcanjo) : ou Mikail , o anjo da natureza.
  • Israfil (em árabe : إسرافيل , transliter.  Isrāfīl , Ortografia Alternativa : Israfel ou Seraphim , Significado: O Queimado [72] ), é o anjo da trombeta no Islã , [73] embora não seja mencionado no Alcorão . Junto com Mikhail , Jibrail e Izra’il , ele é um dos quatro arcanjosislâmicos . [72] Israfil vai soprar a trombeta de uma rocha sagrada em Jerusalém para anunciar o Dia da Ressurreição. [74] A trombeta está constantemente equilibrada em seus lábios, pronta para ser soprada quando Deus ordena.
  • Azrael é Azraa-eel عزرائيل ou Izrail : o Anjo da Morte. Leva a alma do falecido para longe do corpo. No Alcorão apenas referenciado como anjo da morte ou ملك الموت.
  • Darda’il : os anjos que viajam pela terra procurando assembléias onde as pessoas se lembram do nome de Deus.
  • Kiraman Katibin : os dois anjos que registram as boas e más ações de uma pessoa.
  • Mu’aqqibat : uma classe de anjos da guarda que mantêm as pessoas da morte até o tempo decretado.
  • Munkar e Nakir : os anjos que testam a fé dos mortos em seus túmulos. Eles perguntam a alma das perguntas da pessoa morta. Se a pessoa falha as perguntas, os anjos fazem o homem sofrer até o Dia do Juízo . Se a alma passar as perguntas, ele terá um tempo agradável no túmulo até o Dia do Juízo.
  • Ridwan : o anjo encarregado de manter Jannah ou Paraíso.
  • Maalik : o anjo que guarda ou guarda o fogo do inferno .
  • Harut e Marut (em árabe : هاروت وماروت ) são dois anjos mencionados na segunda surata do Alcorão , que foram enviados para testar as pessoas em Babel ou Babilônia , realizando atos de magia. ( Sura Al-Baqara , verso 102.) O Alcorão indica que, embora tenham advertido os babilônios a não imitá-los ou fazer o que estavam fazendo, alguns membros de sua audiência falharam em obedecer e se tornaram feiticeiros, condenando assim suas próprias almas.

Fé Bahá’í

Em seu Livro de Certidão Bahá’u’lláh , fundador da Fé Bahá’í , descreve os anjos como pessoas que “consumiram, com o fogo do amor de Deus, todas as características e limitações humanas”, e “se vestiram”. com atributos angélicos e tornaram-se “dotados dos atributos do espiritual”. ‘Abdu’l-Bahá descreve os anjos como as “confirmações de Deus e Seus poderes celestes” e como “seres abençoados que romperam todos os laços com esse mundo inferior” e “foram libertados das cadeias de si” e “reveladores da vontade de Deus”. graça abundante “. Os escritos bahá’ís também se referem ao Concurso no Alto , um anfitrião angélico, e a Maid of Heaven da visão de Bahá’u’lláh. [75]

Sikhismo

A poesia da escritura sagrada dos Sikhs – o Sri Guru Granth Sahib – menciona figurativamente um mensageiro ou anjo da morte, às vezes como Yam (ਜਮ – “Yam”) e às vezes como Azrael (ਅਜਰਾਈਲੁ – “Ajraeel”):

ਜਮ ਜੰਦਾਰੁ ਨ ਲਗਈ ਇਉ ਭਉਜਲੁ ਤਰੈ ਤਰਾਸਿ
O Mensageiro da Morte não tocará em você; desta forma, você deve atravessar o aterrador oceano-oceano, levando os outros para o seu lado.

– Sri Guru Granth Sahib, Siree Raag, Primeiro Mehl, p. 22. [76]
ਅਜਰਾਈਲੁ ਯਾਰੁ ਬੰਦੇ ਜਿਸੁ ਤੇਰਾ ਆਧਾਰੁ
Azraa-eel, o Mensageiro da Morte, é o amigo do ser humano que tem o Seu apoio, Senhor.

– Sri Guru Granth Sahib, Tilang, Quinta Mehl, Terceira Casa, p. 724. [77]

Na mesma linha, o Sri Guru Granth Sahib fala de um figurativo Chitar (ਚਿਤ੍ਰ) e Gupat (ਗੁਪਤੁ):

ਚਿਤ੍ਰ ਗੁਪਤੁ ਸਭ ਲਿਖਤੇ ਲੇਖਾ॥
ਭਗਤ ਜਨਾ ਕਉ ਦ੍ਰਿਸਟਿ ਨ ਪੇਖਾ
Chitar e Gupat, os anjos registradores do consciente e do inconsciente, escrevem os relatos de todos os seres mortais, mas não conseguem sequer ver os humildes devotos do Senhor.

Sri Guru Granth Sahib, Aasaa, Quinta Mehl, Panch-Pada, p. 393. [78]

No entanto, o Sikhismo nunca teve um sistema literal de anjos, preferindo orientação sem apelo explícito a ordens ou seres sobrenaturais.

Esoterismo

Cabala hermética

De acordo com a Cabalá, conforme descrito pela Golden Dawn, existem dez arcanjos , cada um comandando um dos coros de anjos e correspondendo a uma das Sephirot . É semelhante à hierarquia angélica judaica.

Classificação Coro dos Anjos Tradução Arcanjo Sephirah
1 Hayot Ha Kodesh Santos Vivendo Metatron Keter
2 Ophanim Rodas Raziel Chokmah
3 Erelim Bravos [79] Tzaphkiel Binah
4 Hashmallim Brilhantes, Âmbar [80] Tzadkiel Chesed
5 Serafim Queimando Khamael Gevurah
6 Malakim Mensageiros, anjos Raphael Tipheret
7 Elohim Seres Divinos Uriel Netzach
8 Bene Elohim Filhos de Elohim Michael Hod
9 Querubim [81] Gabriel Yesod
10 Ishim Homens (seres semelhantes a homens, foneticamente semelhantes a “fogos”) Sandalphon Malkuth

Teosofia

Nos ensinamentos da Sociedade Teosófica, os Devas são considerados vivos tanto nas atmosferas dos planetas do sistema solar ( Anjos Planetários ) quanto dentro do Sol ( Anjos Solares ) e ajudam a guiar o funcionamento dos processos da natureza, tais como: o processo de evolução e o crescimento das plantas ; sua aparência é supostamente como chamas coloridas do tamanho de um humano. Acredita-se pelos teosofistas que os devas podem ser observados quando o terceiro olho é ativado. Alguns (mas não a maioria) devas originalmente encarnados como seres humanos. [82]

Acredita-se pelos teosofistas que espíritos da natureza , elementais ( gnomos , ondinas , sílfides e salamandras ) e fadas também podem ser observados quando o terceiro olho é ativado. [83] É mantido pelos teosofistas que esses seres menos desenvolvidos evolutivamente nunca foram anteriormente encarnados como humanos; eles são considerados como estando em uma linha separada de evolução espiritual chamada de “evolução deva”; eventualmente, à medida que suas almas avançam enquanto reencarnam , acredita-se que elas encarnam como devas. [84]

É afirmado pelos teosofistas que todos os seres acima mencionados possuem corpos etéricos que são compostos de matéria etérica , um tipo de matéria mais fina e pura que é composta de partículas menores que a matéria do plano físico comum . [84]

Brahma Kumaris

A Brahma Kumaris usa o termo “anjo” para se referir a um estado perfeito ou completo do ser humano, que eles acreditam poder ser alcançado por meio de uma conexão com Deus. [85] [86]

Em arte

Um ícone ortodoxo oriental do século XII dos Arcanjos Miguel e Gabriel usando os loros dos guardas imperiais.

Em um discurso durante uma Audiência Geral de 6 de agosto de 1986, intitulado “Os anjos participam da história da salvação”, o Papa João Paulo II explicou que “os anjos não têm ‘corpo’ (mesmo se, em circunstâncias particulares, eles revelam -se sob formas visíveis por causa de sua missão para o bem das pessoas). [46] No entanto, os anjos são frequentemente representados na pintura e escultura como humanos masculinos. Arte cristã talvez reflita as descrições em Apocalipse 4: 6-8 dos quatro seres viventes ( grego : τὰ τέσσαρα ζῷα ) e as descrições na Bíblia Hebraica de querubins e serafins (a chayot em Ezequiel ‘sVisão de Merkabah e os Serafins de Isaías ). No entanto, enquanto querubins e serafins têm asas na Bíblia, nenhum anjo é mencionado como tendo asas. [87]

A mais antiga imagem cristã conhecida de um anjo – no Cubicolo dell’Annunziazione na Catacumba de Priscilla (meados do século 3) – é sem asas. Nesse mesmo período, representações de anjos em sarcófagos , lâmpadas e relicários também os mostram sem asas, [88] como por exemplo o anjo na cena Sacrifício de Isaac no Sarcófago de Junius Bassus (embora a vista lateral do Sarcófago mostre asas figuras angelicais).

A mais antiga representação conhecida de anjos com asas está no “Sarcófago do Príncipe”, atribuído ao tempo de Teodósio I (379-395), descoberto em Sarigüzel, perto de Istambul , na década de 1930. [89] A partir desse período, a arte cristã representou anjos principalmente com asas, como no ciclo de mosaicos na Basílica de Santa Maria Maior (432-440). [90] Anjos de quatro e seis asas, tirados dos mais altos graus de anjos (especialmente querubins e serafins ) e freqüentemente mostrando apenas suas faces e asas, são derivados da arte persa e geralmente são mostrados apenas em contextos celestes., ao contrário de executar tarefas na terra. Eles freqüentemente aparecem nas pendentes das cúpulas da igreja ou semi-cúpulas . Antes da tradição judaico-cristã, no mundo grego a deusa Nike e os deuses Eros e Thanatos também eram retratados em forma humana com asas.

São João Crisóstomo explicou o significado das asas dos anjos:

Eles manifestam a sublimidade de uma natureza. É por isso que Gabriel é representado com asas. Não que os anjos tenham asas, mas que você saiba que eles deixam as alturas e a morada mais elevada para se aproximarem da natureza humana. Consequentemente, as asas atribuídas a esses poderes não têm outro significado senão indicar a sublimidade de sua natureza. [91]

Os anjos são tipicamente descritos na arte Mórmon como não tendo asas baseadas em uma citação de Joseph Smith (“Um anjo de Deus nunca tem asas”). [92]

Em termos de roupas, anjos, especialmente o Arcanjo Miguel, foram descritos como agentes de estilo militar de Deus e vieram a ser mostrados usando o uniforme militar do Late Antique . Este uniforme podia ser o traje militar normal, com uma túnica ao redor dos joelhos, uma couraça de armadura e pteruges , mas era frequentemente o traje específico da guarda do imperador bizantino , com uma longa túnica e os loros , o longo ouro e jóias. pálio restrito à família imperial e seus guardas mais próximos.

A vestimenta militar básica foi mostrada na arte ocidental no período barroco e além (veja a foto de Reni acima), e até os dias atuais nos ícones ortodoxos orientais . Outros anjos vieram a ser convencionalmente retratados em longas túnicas e, no final da Idade Média, costumam usar as vestimentas de um diácono , lidar com uma dalmática . Este traje foi usado especialmente para Gabriel em cenas da Anunciação – por exemplo, a Anunciação em Washington, de Jan van Eyck .

Os extraordinários querubins(imediatamente à esquerda de Ezequiel) e Opanim (as rodas aninhadas) aparecem na visão do carro de Ezequiel .

Alguns tipos de anjos são descritos como possuidores de atributos mais incomuns ou assustadores, como os corpos ígneos dos Serafinse as estruturas em forma de roda dos ophanim .

Hierarquia dos anjos

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

A Assunção da Virgem, de Francesco Botticini, na National Gallery de Londres, mostra três hierarquias e nove ordens de anjos, cada uma com características diferentes.

Ícone ortodoxo de nove ordens de anjos.

Uma hierarquia de anjos é uma crença ou tradição encontrada na angelologia de diferentes religiões, que sustenta que existem diferentes níveis ou fileiras de anjos. Pode-se afirmar que os escalões mais altos têm maior poder ou autoridade sobre níveis mais baixos e com classificações diferentes, com diferenças na aparência, como número variável de alas ou faces.

Fées abraâmicas 

A hierarquia angélica judaica é estabelecida na Bíblia hebraica , no Talmud , na literatura rabínica e na liturgia judaica tradicional . Eles são categorizados em diferentes hierarquias propostas por vários teólogos. Por exemplo, Maimonides , em seu Mishneh Torá ou Yad ha-Chazakah: Yesodei ha-Torah , conta com dez fileiras de anjos .

A hierarquia angélica cristã mais influente foi a apresentada por Pseudo-Dionísio, o Areopagita, no século IV ou V, em seu livro De Coelesti Hierarchia ( Sobre a Hierarquia Celestial ). Durante a Idade Média , muitos esquemas foram propostos, alguns recorrendo e expandindo o Pseudo-Dionísio, outros sugerindo classificações completamente diferentes. Segundo os teólogos cristãos medievais , os anjos são organizados em várias ordens, ou “Coros Angélicos”. [1] [2]

Pseudo-Dionísio ( Sobre a Hierarquia Celestial ) e Tomás de Aquino ( Summa Theologica ) se baseou em passagens do Novo Testamento , especificamente Efésios 1:21 e Colossenses 1:16, para desenvolver um esquema de três Hierarquias, Esferas ou Tríades de anjos, com cada hierarquia contendo três ordens ou coros.

Não existe uma organização hierárquica padrão no Islã que se assemelhe à divisão cristã em diferentes “coros” ou esferas, e o tópico não é abordado diretamente no Alcorão . No entanto, é claro que existe uma ordem ou hierarquia definida entre os anjos, definida pelos trabalhos designados e várias tarefas às quais os anjos são ordenados por Deus. Alguns estudiosos sugerem que os anjos islâmicos podem ser agrupados em catorze categorias, com algumas das ordens superiores sendo consideradas arcanjos .

Há também uma hierarquia angelical zoroastriana informal , com seres angelicais específicos chamados de yazatas tendo posições-chave nas dedicatórias do dia no calendário zoroastriano .

Anjos no judaísmo

No judaísmo , anjos ( em hebraico : מַלְאָךְ Mal’akh , plural: מלאכים mal’akhim ) são sobrenaturais seres que aparecem em todo o Tanakh ( Bíblia Hebraica ), Rabínico literatura , apócrifos e pseudo-epígrafes e tradicional liturgia judaica . Eles são categorizados em diferentes hierarquias e agem como mensageiros de Deus , enviados angélicos ou agentes gerais de Deus.

Etimologia 

O hebraico mal’akh ( מַלְאָךְ ) é a palavra padrão para “mensageiro”, tanto humano como divino, no Tanakh (Bíblia Hebraica), embora raramente seja usado para mensageiros humanos no hebraico moderno [1], pois este último é geralmente denotado por o termo shaliyah (שליח). Na King James Bible , o substantivo mal’akh é traduzido “anjo” 111 vezes, “mensageiro” 98 vezes, “embaixadores” 4 vezes. [2] O substantivo deriva da raiz verbal consonantal l -‘- k (ל-א-ך), significando especificamente “enviar com uma mensagem” e com o tempo foi substituído com mais aplicável sh-lh . [3]No hebraico bíblico esta raiz é atestada apenas neste substantivo e no substantivo “Mel’akah” ( מְלָאכָה ), que significa “trabalho”, “ocupação” ou “habilidade”.

A estrutura morfológica da palavra mal’akh sugere que é o maqtal forma da raiz denotando a ferramenta ou a média de executá-lo. [4] O termo Mal’akh, portanto, significa simplesmente aquele que é enviado, freqüentemente traduzido como “mensageiro” quando aplicado aos humanos; por exemplo, Mal’akh é a raiz do nome do profeta Malaquias , cujo nome significa “meu mensageiro”. No hebraico moderno, mal’akh é a palavra geral para “anjo”; é também a palavra para “anjo” em árabe ( malak ملاك), aramaico e etiópico .

No Tanakh (Bíblia Hebraica) 

O Tanakh relata que os anjos apareceram para cada um dos patriarcas , a Moisés , Josué e numerosas outras figuras. Eles aparecem para Agar em Gênesis 16: 9, para Ló em Gênesis 19: 1, e para Abraão em Gênesis 22:11, eles ascendem e descem a Escada de Jacó em Gênesis 28:12 e aparecem para Jacó novamente em Gênesis 31: 11–13 . Deuspromete enviar um a Moisés em Êxodo 33: 2 e envia um para ficar no caminho de Balaão em Números 22:31.

Isaías fala de mal’ak panav , “o anjo da presença ” (“Em toda a angústia deles foi afligido, e o anjo da sua presença os salvou; no seu amor e na sua compaixão ele os redimiu; e os gerou, e os levaram todos os dias da antigüidade “( Isaías 63: 9).

O Livro dos Salmos diz: “Pois os seus anjos irão cobrar por você, para protegê-lo em todos os seus caminhos” (Salmos 91:11).

Anjo de Deus e as origens dos anjos 

A figura do “anjo de Deus” (Heb. מלאך יהוה) foi percebida por gerações de exegetas e intérpretes como teologicamente problemática devido à sua identidade obscura e desconcertante. No entanto, mal’akh YHVH parece esconder a resposta em relação às origens da idéia de anjos como comissários celestes. Quase toda a aparência dessa figura no Tanach obedece ao seguinte padrão:

  1. a narração apresenta o anjo de Deus;
  2. comporta-se como se fosse uma divindade, por exemplo, prometendo uma fertilidade desconcertante (por exemplo, Gênesis 21:18), aniquilando todo o exército com um único golpe (por exemplo, 2 Reis 19: 32-36) ou apenas pronunciando um discurso onde se apresenta como Deus ( eg Êxodo 3: 2-4);
  3. os interlocutores desta figura tratam e reverenciam-no de uma maneira reservada exclusivamente à divindade.

Como tal, o incidente deixa o leitor com a questão de saber se era um anjo ou uma divindade que tinha acabado de aparecer. [5]

Há uma grande variedade de explicações para elucidar essa confusão. Os teólogos mais difundidos tentam lidar com o problema introduzindo conceitos adicionais: o anjo pode ser uma manifestação terrena de Deus, algum tipo de avatar de Deus. A resposta diferente vem dos estudos culturais que argumentam que os antigos comissários durante suas proclamações usaram o ponto de vista da primeira pessoa e falaram como se tivessem sido o próprio expedidor. Ambas as abordagens, no entanto, recorrem a conceitos teóricos adicionais retroativamente introduzidos no próprio texto fonte.

Anjos e cura da impureza 

Há exemplos na Bíblia onde os anjos têm a capacidade de curar um indivíduo da impureza. Por exemplo, no livro de Isaías, Isaías ascende ao céu e vê anjos louvando o Senhor. Suas vozes eram tão poderosas que fizeram os pivôs nos limiares tremerem e encheram a têmpora de fumaça. (Isaías 6: 3-4) Todo esse poder fez que Isaías se sentisse indigno e impuro, por isso exclamou: “Ai de mim! Estou perdido, porque sou um homem de lábios impuros e vivo entre um povo de lábios impuros. os meus olhos, porém, viram o rei, o SENHOR dos Exércitos! (Isaías 6: 5) Então um dos anjos voou para Isaías e tocou sua boca com uma brasa viva que “havia sido tirada do altar com um alicate”. Uma vez que o anjo tocou os lábios de Isaiah com o carvão, ele então disse: “Agora que isso tocou seus lábios,[6]

No livro de Zacarias, Josué estava em pé diante do anjo do Senhor, Satanás e Deus. (Zacarias 3: 3) Ele estava “vestido com roupas imundas” diante deles. O anjo ordenou-lhe então que tirasse a roupa suja e lhe desse um “traje festivo” e um turbante limpo para vestir. Ao remover as roupas sujas de Zacarias, o anjo proclamou: “Veja, eu tirei sua culpa de você.” (Zacarias 3: 4-5) Assim, a remoção das roupas imundas de Josué era como curá-lo de sua culpa. [7]

Anjos e oração 

No livro de Zacarias, Zacarias ouve do Senhor que Ele estava zangado com seus antepassados ​​devido a suas más ações. [8] Ele prometeu a eles que se eles “retornassem [a] [Dele], [Ele] voltaria para [eles]”. Então o anjo do Senhor orou ao Senhor e disse: “Ó Senhor dos Exércitos, como Por quanto tempo reterás a misericórdia de Jerusalém e das cidades de Judá, com as quais estais irado nestes setenta anos? ”Assim, o anjo do Senhor orou a Deus a fim de pedir ao povo (Zacarias 1:12). [9]

Anjos como guerreiros 

Na Bíblia há algumas referências a anjos que atuam como guerreiros, os protetores de tudo o que é bom. Uma dessas referências é o livro de Daniel, que contém quatro visões apocalípticas. No entanto, em Daniel 10:13, faz referência a uma espécie de batalha entre o príncipe do reino da Pérsia e o orador a quem nós quem? ] acredita é Gabriel. Aqui Gabriel diz a Daniel que o chefe dos príncipes, Michael, ajudou-o na oposição que ele estava enfrentando do príncipe do reino da Pérsia. Assim, ambos os anjos estão agindo como guerreiros para o bem contra a má oposição do príncipe do reino da Pérsia. Além disso, em Daniel 12: 1, o orador, Gabriel diz que o anjo Miguel é o protetor do povo israelita e é um grande príncipe. [10]

Anjos como mensageiros 

Em muitas passagens do Tanakh, os anjos são utilizados como mensageiros; na verdade, não há equivalente hebraico específico para a palavra inglesa “anjo”. Anjos parecem ter a aparência de humanos comuns; eles são tipicamente homens e (ao contrário de serafins ), não têm asas. A presença de um mensageiro angélico contra um mensageiro humano deve ser determinada pelo contexto da passagem. [11]

Independentemente disso, os mensageiros anjos são uma parte muito importante de preservar e fortalecer a ligação, bem como a distância necessária, de Deus para os seres humanos. A natureza do conhecimento que os mensageiros angélicos carregam é sempre celestial; isto é, é divino, e somente sendo sancionado por Deus, pode ser transmitido aos humanos, e somente por razões necessárias. Quando um anjo transmite conhecimento de Deus, sua própria identidade é apagada pela do seu Senhor; isto é, ele fala diretamente para Deus. [12]

Exemplos desse papel podem ser vistos em numerosas passagens famosas do Antigo Testamento, incluindo os três homens misteriosos na história de Abraão e a destruição de Sodoma em Gênesis 18: 1-19: 23, bem como o anjo que informa a mãe de Sansão. da natureza do bebê que ela carrega em Juízes 13: 3-5. Nestes exemplos, os anjos são disfarçados, suas identidades não são importantes em relação à magnitude celestial do conhecimento que possuem; eles são inteiramente definidos por seus trabalhos. [12]

Anjos como professores na literatura apocalíptica judaica 

Anjos no papel de professores tornam-se especialmente importantes na literatura apocalíptica judaica, em livros como Daniel , Zacarias e 4 Esdras , que apresentam visões proféticas enigmáticas e aterrorizantes experimentadas por humanos desconhecidos que precisam de orientação celestial para entender o que testemunharam; não mais a profecia vem com compreensão total ou imediata. [13] Pelo contrário, um tipo de comentário ou explicação da visão é fornecido através da figura de um anjo interpretativo, cujos ensinamentos dissipam a ignorância do profeta e permitem-lhe compreender melhor e, assim, propagar melhor o conhecimento do fim dos tempos. que sua visão contém. [14]

Tal conhecimento do apocalipse tinha implicações celestiais e terrenas, e assumiu uma grande importância para o povo oprimido de Israel na época, que precisava de explicações para o motivo de Deus permitir que eles passassem por tantas dificuldades; assim, o conhecimento era “bom”. [15] Por causa das características bizarras das visões contidas em tal literatura apocalíptica, os anjos interpretativos assumem os papéis de professores, em vez de apenas mensageiros; em vez de apenas transmitir informações, elas devem explicá-lo. [14]

Como professores, eles transmitem todo o poder e autoridade do céu, enquanto são capazes de confortar suas cargas humanas angustiadas de uma maneira mais compreensível do que se os profetas fossem diretamente falados por Deus. Assim, os anjos, como professores, funcionam como intérpretes e testamentos relacionados ao poder de Deus, ao mesmo tempo que aumentam sua transcendência. [14] Acima de tudo, eles foram importantes no estabelecimento de profetas humanos em seu papel adequado como confortadores, com “bons” conhecimentos, para o povo de Israel.

Em 4 Esdras, o anjo de interpretação ou de ensino é Uriel . Quando Ezra expressa sua aflição com questões que seriam igualmente preocupantes para os judeus de seu tempo – a saber, por que Deus permitiria que Seu povo escolhido sofresse sob a opressão dos gentios – Uriel é enviado do céu por Deus para ajudar a aliviar sua ignorância. Na passagem, Ezra argumenta com Uriel sobre questões de justiça de uma maneira que ele nunca pôde com Deus; no entanto, o anjo argumenta com uma série de enigmas que eventualmente mostram a Esdras a equivocação de seu pensamento (4 Esdras 3: 1-4: 21). É importante notar que Uriel não transmite simplesmente informações ou “fala de” Ezra; os dois estão engajados em um diálogo animado que reflete o de um professor e um aluno, com o primeiro guiando o segundo para uma realização. [14]Esdras nunca poderia discutir com Deus como ele argumenta com Uriel; entretanto, esse argumento e sua catarse emocional que o acompanha é parcialmente o que o leva a descobrir a verdade e a mensagem principal da passagem por conta própria.

Em Daniel, os anjos também assumem o papel de intérpretes e professores, notavelmente em suas habilidades para explicar visões concernentes ao eschaton, e ajudam os profetas humanos a desatrelarem-se a ele. Em Daniel, é o arcanjo Gabriel que é enviado do céu por Deus para explicar as visões desconcertantes de Daniel e ajudar a aliviar um pouco de sua aflição (Daniel 8: 16-17). Em Daniel 7-12, o bom conhecimento que é transmitido a Daniel e, portanto, ao resto da população, é que os eventos terrestres que têm oprimido o povo judeu estão sendo espelhados no céu, e que a justiça eventualmente reinará no forma de uma batalha final colocando os exércitos do céu contra as forças do mal, que serão derrotadas. [16]

No entanto, Daniel só está ciente desta informação devido à ajuda de Gabriel, que lhe ensina a interpretação correta de sua visão, e encorajando-o quando ele vacila (Daniel 8: 15-27). Este papel dos anjos é espelhado em Zacarias, onde a interpretação angélica e o ensino são necessários para desvendar as visões bizarras que o profeta testemunha. Na passagem, o anjo literalmente caminha através das visões de Zacarias com ele, explicando e ensinando-o à medida que vão em frente, para que Zacarias compreenda adequadamente o significado pretendido por Deus (Zacarias 1: 9-5: 11). [11]

Na literatura rabínica 

Como uma subcategoria de seres celestes, os mal’akim ocupam o sexto grau dos dez na famosa hierarquia angélica judaica dos estudiosos rabínicos medievais Maimonides .

Michael, Gabriel, Uriel e Raphael 

O Talmud nomeia quatro anjos que mais tarde seriam conhecidos como arcanjos , cercando o trono de Deus: “Como o Santo abençoado foi Ele criou quatro ventos (direções) e quatro bandeiras (para o exército de Israel), assim também Ele fez quatro anjos para cercar o Seu Trono – Miguel, Gabriel, Uriel e Rafael – Miguel está à direita, correspondendo à tribo de Rúben, Uriel à sua esquerda, correspondendo à tribo de Dã, que ficava ao norte e Gabriel à frente, correspondendo à tribo. de Judá, bem como Moisés e Arão, que estavam ao oriente, e Rafael, pela retaguarda, que correspondia à tribo de Efraim, que ficava a oeste. [17]

Hierarquia angelical judaica 

Maimonides 

Maimonides , em seu Mishneh Torá ou Yad ha-Chazakah: Yesodei ha-Torá , contou dez fileiras de anjos na hierarquia angélica judaica, começando do mais alto:

Classificação Aula Angélica Notas
1 Chayot Ha Kodesh [18] Veja Ezequiel 1 e Ezequiel 10
2 Ophanim Veja Ezequiel 1 e Ezequiel 10
3 Erelim Veja Isaías 33: 7
4 Hashmallim Veja Ezequiel 1: 4
5 Serafim Veja Isaías 6
6 Malakim Mensageiros, anjos
7 Elohim ” Seres divinos “
8 Bene Elohim ” Filhos de seres divinos “
9 Querubim Veja Hagigah 13b
10 Ishim “seres humanos”, veja Gênesis 18: 2 Daniel 10: 5

Zohar 

Zohar , em Êxodo 43a , também lista dez fileiras de anjos, começando do mais alto:

Classificação Aula Angélica
1 Malakim
2 Erelim
3 Serafim
4 Chayot
5 Ophanim
6 Hashmallim
7 Elim
8 Elohim
9 Bene Elohim
10 Ishim

Maseket Atzilut 

Jacob Nazir, em seu Maseket Atzilut , também listou dez fileiras de anjos, começando do mais alto:

Classificação Aula Angélica
1 Serafim
2 Ophanim
3 Querubim
4 Shinanim
5 Tarshishim
6 Ishim
7 Hashmallim
8 Malakim
9 Bene Elohim
10 Erelim

Berit Menuchah 

Abraão ben Isaac de Granada , em seu Berit Menuchah , também listou dez fileiras de anjos, começando do mais alto:

Classificação Aula Angélica
1 Erelim
2 Ishim
3 Bene Elohim
4 Malakim
5 Hashmallim
6 Tarshishim
7 Shinanim
8 Querubim
9 Ophanim
10 Serafim

Reshit Chochmah 

Eliyahu de Vidas , em sua Reshit Chochmah , também listou dez fileiras de anjos, começando do mais alto:

Classificação Aula Angélica
1 Chayot Ha Kodesh
2 Ophanim
3 Serafim
4 Querubim
5 Erelim
6 Tarshishim
7 Hashmallim
8 Elim
9 Malakim
10 Ishim

Na Cabalá 

O misticismo judaico ou a Cabalá descreve os anjos longamente. Anjos são descritos na literatura da Cabalá como forças que enviam informações, sentimentos, entre a humanidade e o Deus de Israel . Eles são analogizados a átomos, comprimentos de onda ou canais que ajudam Deus em sua criação, e é, portanto, racional que eles não devam ser adorados, orados ou invocados. Eles não são de natureza física, mas seres espirituais, como átomos espirituais. Portanto, a Kabbalah raciocina, quando aparecem na Bíblia Hebraicasua descrição é do ponto de vista da pessoa que recebeu a visão ou profecia ou ocorrência, que será antropomórfica. No entanto, eles não são seres materiais, mas são comparados a uma única emoção, sentimento ou material, controlada por Deus para seu propósito de criação. [19]

Na liturgia judaica 

Ao voltar para casa de serviços na noite de sexta-feira, véspera do Shabat ou na mesa de jantar antes do jantar na sexta-feira, é costume no judaísmo ortodoxo e no judaísmo conservador saudar os anjos da guarda (Anjos de Serviço ou Anjos Ministradores) com um tradicional hino começando com [20]

שלום עליכם מלאכי השרת
A paz esteja com você, Malachai HaSharet (Anjos de Serviço)
מלאכי עליון
Anjos do Mais Alto
ממלך מלכי המלכים
Do rei dos reis dos reis
הקדוש ברוך הוא
O Santo Abençoado Seja Ele

Antes de dormir, muitos judeus recitam uma oração tradicional nomeando quatro arcanjos : “À minha direita, Michael e à minha esquerda Gabriel, na minha frente Uriel e atrás de mim, Raphael, e sobre minha cabeça, a Shekhinah de Deus [” a presença de Deus “] ” [21]

No feriado judaico de Simchat Torá , costuma-se chamar todos os meninos (em algumas sinagogas, todas as crianças) para a leitura da Torá e para toda a congregação recitar um verso da bênção de Jacó para Efraim e Manassés ( Manassas ). . [22]

Que o anjo que me resgata de todo o mal abençoe os filhos, e que meu nome seja mencionado neles, e o nome de meus pais Abraão e Isaque, e que eles floresçam como peixes por toda a terra no meio da terra ( Gênesis 48). : 16)

Origem: Wikipédia,  – clique aqui: http://wikimediafoundation.org/w/index.php?title=WMFJA085/pt&utm_source=donate&utm_medium=sidebar&utm_campaign=20101204SB002&language=pt&uselang=pt&country=BR&referrer=http%3A%2F%2Fpt.wikipedia.org%2Fwiki%2FFicheiro%3ASanta_Maria_della_Vittoria_-_2.jpg