As Cinco Mães, Irmãs ou Consortes de Sabedoria (Prajnas) – Mães e Consortes dos Dhyanis Budhas

Ensinamentos budistas tibetanos sobre a Mandala dos Cinco Buddhas Dhyani – Guias para a Transformação Espiritual. Simultaneamente um diagrama cósmico do mundo, um instrumento para o crescimento espiritual e para a experiência mística, e um mapa para a iluminação.
Foi acrescentado ao estudo os Complementos da Sabedoria dos Buddhas.

Cinco Irmãs ou Mães de Sabedoria

Elas representam a Sabedoria da Mente desperta ou o poder da iluminação ou autorealização.

Ao Buddha Ratnasambhava, a terra, Amarela: Buddhalocana ou Locana –

Ao Buddha Akshobhya, água, Azul: Mamaki – (Devesarati) mediadora de pureza, a essência da salvação – equanimidade

Ao Buddha Amitabha, fogo,Vermelho: Pandaravasini – sabedoria discriminatória, Transcender do mundo através das chamas da meditação,através da alquimia do seu amor, transmuta desejo em contentamento,

Ao Buddha Amoghasiddhi, ar,Verde: Samayatara – é Tara Verde escura – exemplifica a qualidade da compaixão destemida para todos os seres. sua cor verde simboliza sua capacidade de realizar todas as coisas. Sua receptividade e sabedoria permite-lhe para vir em auxílio de todos os seres da forma mais benéfica e apropriada.

Ao Buddha Vairochana, espaço, Branco: Akashadatesvari ou Dhatvishvari – Ela representa a realização do aspecto puro do elemento de espaço. Ela é de cor branca, segurando uma roda de Dharma em sua mão direita eo sino na mão esquerda. Ela está em união sexual com Vairochana. Sua união simboliza a inseparabilidade dos cinco agregados e os cinco elementos. Nenhum agregado pode existir sem sem os elementos, e todos os elementos estão presentes em todos agregado. É Tara Branca é uma emanação de Tara, que está relacionada com a longevidade. Ela tem o poder de ver todo o sofrimento em todos os recantos do mundo humano, e em outros mundos, utilizando-se para isso, dos meios ordinários e extraordinários da psique ou da percepção. Ela carrega a flor de lótus.É a promessa de Tara de salvar todos os seres, que é um voto de Bodhisattva. Ajuda com problemas de longo prazo, nomeadamente os problemas de saúde física ou mental. Tem-se a impressão que ela está mais distante, mais difícil de contacto em primeiro lugar; através da prática percebemos que ela nos envia energias de cura e poder místico e entendimentos.


A palavra dakini quer dizer, literalmente, moradora do céu, um ser celestial que não precisa de chão para caminhar.  Há diferentes tipos de dakinis: dakinis da sabedoria, dakinis da ação e dakinis das mundanas.  A autêntica dakini da sabedoria é a qualidade do vazio do estado desperto luminoso.  A percepção é o seu aspecto masculino.  Assim, a Grande Mãe do Dharmakaya é o fundamento de todas as dakinis.

Em verdade, o fundamento de todas as deidades masculinas é o buda dharmakaya, Samantabhadra. O de todas as deidades femininas é Samatabhadri.
Samantabhadra é o fundamento de toda a percepção. Samantabradri é a qualidade do vazio contido nas percepções.  O fundamento da emanação de Vajra Varahi é Prajnaparamita. Ademais, enquanto Samantabhadri é tida como o fundamento da emanação da Prajnaparamita, as cinco budas femininas Dhatvishvari, Mamaki, Buddhalochana, Pandaravasini e Samayatara são consortes dos cinco budas masculinos. Ao nível do Nirmanakaya, a emanação da Prajnaparamita é a Arya Tara.  São estas as dakinis da sabedoria dos três kayas. **

Além das dakinis da sabedoria, há as dakinis que desenvolvem as atividades dos seres iluminados para o bem de todos e as dakinis do samaya que velam por nossos compromissos tântricos. Os samayas.  Há também dakinis que permanecem nos lugares sagrados do mundo, tanto nos mais importantes quanto nos menos importantes: os trinta e dois vales sagrados mais importantes e os vinte quatro menos importantes.  Se incluirmos os oito cemitérios, a soma se eleva a 64 lugares sagrados onde residem os sessenta e quatro dakas e dakinis.** Correspondendo a estes sessenta e quadro lugares externos, no nível mais sutil, o mesmo número de dakas e dakinis residem nos sessenta e quatro centros do nosso corpo físico, na quintessência dos canais, energias e essências.

AS CINCO IRMÃS DE SABEDORIA

Preito as Cinco Irmãs de Sabedoria

Curvo-me à minha própria Mente de Sabedoria,
Que é a minha melhor professora de sabedoria,
A fonte de todas as qualidades visíveis e invisíveis.
Os seres sencientes estão sempre no tempo e no espaço.
Se os seres sencientes estiverem no tempo,
Minha professora de sabedoria dança magicamente no tempo.
Se os seres sencientes estiverem no espaço,
Minha professora de sabedoria dança magicamente no espaço.
Se realmente examinado, você nunca permanece em lugar algum.
Você é apenas uma exibição.
A qualquer coisa que nunca permanece,
A você, minha professora de sabedoria, eu me curvo.

Ó Cinco Irmãs de Sabedoria,
Se não as complementarmos,
Vocês se tornam cinco bruxas,
Fazendo-nos ficar doentes e nos trazendo sofrimento.
Como não podemos bani-las,
Nosso destino sempre depende de vocês.

Ó Cinco Irmãs de Sabedoria,
Se nós as complementarmos,
Vocês se tornam cinco anjos,
Fazendo-nos saudáveis e nos trazendo felicidade.
Como não podemos nos separar de vocês,
Nosso destino sempre depende de vocês.

Ó Cinco Irmãs de Sabedoria,
Nada pode ser conhecido sem depender da graça de vocês.
Os lamas tibetanos não podem cantar com o hábito das altas terras frias,
Os gurus indianos não podem cantar com o hábito das baixas terras quentes,
Os roshis japoneses não podem se sentar com o hábito da almofada escura,
Os sheikhs muçulmanos não podem dançar com o hábito do manto brilhante,
Os sacerdotes cristãos não podem pregar com o hábito da voz alta,
Os rabbis judeus não podem rezar o hábito da voz suave
Sem depender da graça de vocês.

Ó Cinco Irmãs de Sabedoria,
Até mesmo os milagres mais misteriosos não podem ocorrer sem complementar a pureza de vocês.
O Buddha Shakyamuni não pode descansar com o olhar tranqüilo de seus olhos de lótus sob a árvore Bodhi,
O Guru Padmasambhava não pode brincar magicamente com incontáveis dakinis de andam pelo céu,
O Senhor Jesus não pode andar sem peso através da água.
O Profeta Moisés não pode ver o arbusto queimando radiantemente,
O Brâmane Sarahapa não pode endireitar flechas, cantando hinos de sabedoria com sua garota que faz flechas,
O Santo Louco Tilopa não pode comer peixe e torturar Naropa,
O Grandessíssimo Yogi Milarepa não pode permanecer em sua caverna cantando e aceitando misérias
Sem complementar a pureza de vocês.

Você é muito paciente.
Quem quer que queira ficar
Se você não existisse,
Não poderia ficar.
Quem quer que queira ir
Se você não existisse,
Não poderia ir.
Quem quer que queira experimentar ou tocar
Se você não existisse,
Não poderia experimentar ou tocar.
Quaisquer que sejam nossas ações,
Você está sempre as suportando
Pacientemente, sem reclamar.
Mas nós, seres ignorantes,
Somos sempre ingratos,
Pisando-a,
Chamando-a de Terra.

Você é muito constante.
Quem quer que queira ser purificado
Se você não existisse,
Não poderia se purificar.
Quem quer que queira saciar sua sede
Se você não existisse,
Não poderia saciar sua sede.
Quem quer que queira ouvir
Se você não existisse,
Não poderia ouvir.
Quaisquer que sejam nossas ações,
Você está sempre fluindo
Incessantemente, sem reclamar.
Mas nós, seres desejosos,
Somos sempre ingratos,
Esparramando-a,
Chamando-a de Água.

Você é muito clara.
Quem quer que queira lutar
Se você não existisse,
Não poderia lutar.
Quem quer que queira amar
Se você não existisse,
Não poderia amar.
Quem quer que queira ver
Se você não existisse,
Não poderia ver.
Quaisquer que sejam nossas ações,
Você está sempre incandescente,
Não-obstruidamente, sem reclamar.
Mas nós, seres orgulhosos,
Somos sempre ingratos,
Suavizando-a,
Chamando-a de Fogo.

Você é muito leve.
Quem quer que queira subir
Se você não existisse,
Não poderia subir.
Quem quer que queira se mover
Se você não existisse,
Não poderia se mover.
Quem quer que queira cheirar
Se você não existisse,
Não poderia cheirar.
Quaisquer que sejam nossas ações,
Você está sempre se movendo
Sem peso, sem reclamar.
Mas nós, seres invejosos,
Somos sempre ingratos,
Abanando-a,
Chamando-a de Ar.

Você é muito aberta.
Quem quer que queira existir
Se você não existisse,
Não poderia existir.
Quem quer que não queira existir
Se você não existisse,
Não poderia deixar de existir.
Quem quer que queira conhecer os fenômenos
Se você não existisse,
Não poderia conhecer os fenômenos.
Você está sempre dando boas vindas
Espaçosamente, sem reclamar.
Mas nós, seres ignorantes,
Somos sempre ingratos,
Esvaziando-a,
Chamando-a de Espaço.

Vocês são a nossa escrava sem demanda,
Servindo-nos incansavelmente,
Desde os seres ordinários até os seres sublimes,
Para realizar nossos desejos mundanos.

Vocês são a nossa rainha poderosa,
Conquistando-nos sedutoramente,
Desde os seres ordinários até os seres sublimes,
Em qualidades desejáveis.

Vocês são a nossa Dakini de Sabedoria,
Guiando-nos sem esforço com sua dança mágica,
Desde os seres ordinários até os seres sublimes,
Em qualidades sem desejo.

E então, eu gostaria de apresentá-las.

Mesmo se uma única gota do néctar de seu nome
Cair sobre nossos ouvidos, ela os preencherá
Com o som do Dharma por muitas vidas.
Três Jóias maravilhosas, famosas por sua glória,
Possam vocês sempre dar o auspicioso.