Evangelho de Maria

Evangelho de Maria – (Também considerado como Evangelho de Maria Madalena)

Evangelho de Maria

Fonte:  editado Wikipédia, english

Embora o trabalho seja popularmente conhecido como o Evangelho de Maria, ele não é tecnicamente classificado como um evangelho pelo consenso escolar porque “o termo ‘evangelho’ é usado como um rótulo para qualquer texto escrito que seja primariamente focado em relatar os ensinamentos e / ou atividades de Jesus durante sua vida adulta “. [1]

História 

Evangelho de Maria, P. Oxyrhynchus L 3525.

Papyrus Berolinensis 8502 (Códice Gnóstico de Berlim) , também conhecido como o Akhmim Codex (AKhmin, Alto Egito) , também contém o Apócrifo de João , a Sophia de Jesus Cristo , e um resumo do Ato de Pedro . Todas as quatro obras contidas no manuscrito estão escritas no dialeto sahídico do copta. [2]Dois outros fragmentos do Evangelho de Maria foram descobertos desde então, ambos escritos em grego ( Papyrus Oxyrhynchus L 3525 e Papyrus Rylands 463 ). P.xy. L 3525 “… foi de fato encontrado por Grenfell e Hunt em algum tempo entre 1897 e 1906, mas publicado apenas em 1983,” [3] por PJ Parsons. [4]

Os dois fragmentos foram publicados em 1938 e 1983, respectivamente, e a tradução copta foi publicada em 1955 por Walter Till. [5]

A maioria dos estudiosos concorda que o evangelho original foi escrito em grego em algum momento do século II. [6] No entanto, Hollis Professor de Divinity Karen King na Harvard Divinity School sugere que ele foi escrito durante o tempo de Cristo. [7] [8]

O Evangelho de Maria não está presente na lista de livros apócrifos da seção cinco do Decretum Gelasianum . [9]

Qual Maria? 

Os eruditos nem sempre concordam com qual das pessoas do Novo Testamento chamadas Maria é o personagem central do Evangelho de Maria. Alguns sugeriram que ela pode ser Maria, a mãe de Jesus . [10]

Os argumentos a favor de Maria Madalena baseiam-se em sua condição de conhecida seguidora de Jesus , na tradição de ser a primeira testemunha de sua ressurreição e em sua aparição em outros escritos cristãos primitivos. Ela é mencionada como acompanhando Jesus em suas jornadas ( Lucas 8: 2 ) e está listada no Evangelho de Mateus como estando presente em sua crucificação ( Mateus 27:56 ). No Evangelho de João , ela é registrada como a primeira testemunha da ressurreição de Jesus ( João 20: 14–16 ); ( Marcos 16: 9 manuscritos posteriores).

Esther de Boer compara seu papel em outros textos não canônicos, observando que “no Evangelho de Maria é Pedro quem se opõe às palavras de Maria, porque ela é uma mulher. Pedro tem o mesmo papel no Evangelho de Tomé e em Pistis. Sophia . Em Pistis Sophia, a Maria em questão é identificada como Maria Madalena. ” [8] A cena final do Evangelho de Maria também pode fornecer evidências de que Maria é realmente Maria Madalena. Levi , em sua defesa de Maria e seu ensino, diz a Pedro : “Certamente o Salvador a conhece muito bem. É por isso que ele a ama mais do que nós”. [11] No Evangelho de Filipe , uma afirmação semelhante é feita sobre Maria Madalena. [12]

King também argumenta em favor de nomear Maria Madalena como a figura central no Evangelho de Maria. Ela resume: “Foram justamente as tradições de Maria como mulher, como discípula exemplar, testemunha do ministério de Jesus, visionário do Jesus glorificado, e alguém tradicionalmente em disputa com Pedro, que fez dela a única figura que poderia desempenhar todos os papéis necessários para transmitir as mensagens e significados do Evangelho de Maria. ” [13]

Richard Valantasis escreve em The Beliefnet Guide to Gnosticism e outros Cristianismos Desaparecidos (ver Beliefnet ) que a Maria aqui é Maria Madalena. Valantasis esclarece que isso não “confirma um casamento terreno entre ela e Jesus – longe disso – mas abre uma janela incrível para o mundo intelectual e espiritual do segundo século EC”. A ideia de que haveria um evangelho de Maria Madalena é “controverso”, no entanto, porque André se opôs à estranheza das revelações de Maria de Jesus. Pedro argumentou, como Valantasis menciona, que “Jesus não teria revelado ensinamentos tão importantes para uma mulher”, e que “sua estatura não pode ser maior do que a dos apóstolos do sexo masculino”. [14]

Jesus-Maria Madalena-bíblia

Conteúdos 

O texto mais completo do Evangelho de Maria está contido em Berolinensis 8502 , mas, mesmo assim, faltam seis páginas manuscritas no início do documento e quatro páginas manuscritas no meio. [15] Como tal, a narrativa começa no meio de uma cena, deixando a configuração e as circunstâncias pouco claras. King acredita, no entanto, que as referências à morte do Salvador e à cena de comissionamento mais adiante na narrativa indicam que o cenário na primeira seção do texto é uma aparição pós-ressurreição do Salvador. [16]Quando a narrativa é aberta, o Salvador está envolvido em diálogo com seus discípulos, respondendo suas perguntas sobre a natureza da matéria e a natureza do pecado. No final da discussão, o Salvador deixa os discípulos desassossegados e ansiosos. Segundo a história, Maria fala com palavras de conforto e encorajamento. Então Pedro pede a Maria que compartilhe com eles qualquer ensinamento especial que recebeu do Salvador: “Pedro disse a Maria: ‘Irmã, sabemos que o Salvador amou mais do que o restante das mulheres. Diga-nos as palavras do Salvador de que você se lembra – as quais você sabe (mas) nós não as ouvimos, nem as ouvimos. ‘” [12] Maria responde ao pedido de Pedro ao contar uma conversa que teve com o Salvador sobre visões.

(Maria) disse: “Eu vi o Senhor em uma visão e disse-lhe: ‘Senhor, eu vi você hoje em uma visão.'” Ele respondeu e disse-me: “Abençoado é você, que você não vacilou em a visão de mim. Pois onde está a mente, há o tesouro. “Eu disse a ele:” Então, agora, Senhor, uma pessoa que vê uma visão a vê através da alma ou através do espírito? ” [11]

Na conversa, o Salvador ensina que o eu interior é composto de alma, espírito / mente e uma terceira mente que está entre os dois que vê a visão. Em seguida, o texto se interrompe e as próximas quatro páginas estão faltando. Quando a narrativa recomeça, Mary não está mais lembrando sua discussão com o Salvador. Ela está contando a revelação dada a ela em sua visão. A revelação descreve uma ascensão de uma alma que, ao passar para o seu descanso final, se envolve em diálogo com quatro poderes que tentam detê-lo.

Sua visão não se encontra com aprovação universal:

Mas André respondeu e disse aos irmãos: “Diga o que você pensa sobre o que ela disse. Porque não creio que o Salvador tenha dito isso. Pois certamente esses ensinamentos são de outras idéias”. [17]

Pedro também se opôs a ela em relação a esses assuntos e perguntou-lhes sobre o Salvador. “Ele então falou secretamente com uma mulher, em preferência a nós, e não abertamente? Devemos voltar atrás e todos a ouvirem? Ele preferiu ela a nós?” [18]

No entanto, Levi defende Mary e sufoca o ataque de Peter contra ela. No texto, Pedro parece ofendido com a descoberta de que Jesus escolheu Maria acima dos outros discípulos para interpretar seus ensinamentos.

Interpretação

O Evangelho de Maria é freqüentemente interpretado como um texto gnóstico . De acordo com Pheme Perkins, com base em treze obras, [19] o Evangelho segue um formato similar a outros diálogos gnósticos conhecidos que contêm um discurso de revelação emoldurado por elementos narrativos. Os diálogos estão geralmente relacionados com a idéia do Salvador como lembrete para os seres humanos de seu vínculo com Deus e com a verdadeira identidade, bem como com a percepção do crente de que a redenção consiste no retorno a Deus e liberdade da matéria após a morte. O Evangelho de Maria contém dois desses discursos (7.1-9.4 e 10.10-17.7) carece de fontes? ] Incluindo endereços de figuras do Novo Testamento(Pedro, Maria, Andrée Levi) e uma explicação do pecado como adultério (encorajamento para um estilo de vida ascético ) que também se adequa a uma interpretação gnóstica. Os estudiosos também observam que a versão copta do Evangelho do século 5 é parte do Codex de Berlim, juntamente com o Apócrifo de João e A Sophia de Jesus Cristo, que são tipicamente vistos como textos gnósticos. No entanto, enquanto muitos estudiosos tomam como certo o caráter gnóstico do Evangelho de Maria, as crenças gnósticas relativas à teoria da criação e ao Demiurgo que sugerem um dualismo extremo na criação não estão presentes nas partes atualmente recuperadas.[20]

De acordo com Bart Ehrman , “Maria (Madalena) tem um alto status entre os apóstolos de Jesus”. Levi, na verdade, reconhece que Jesus a amava mais do que amava todos os outros apóstolos. Maria alegou ter tido uma conversa com Jesus, e André e Pedro questionaram isso. “Quatro páginas foram perdidas do manuscrito”, então realmente não há como saber exatamente o que aconteceu. [21]

De Boer (2004), no entanto, sugere que o Evangelho de Maria não deve ser lido como um texto específico gnóstico, mas que deve ser “interpretado à luz de um contexto cristão mais amplo”. Ela argumenta que o Evangelho origina-se de uma visão monista da criação e não do dualista central da teologia gnóstica e também que as visões do Evangelho tanto da natureza quanto da natureza oposta são mais semelhantes às crenças judaicas , cristãs e estóicas . Ela sugere que a alma não deve ser libertada dos Poderes da Matéria, mas sim dos poderes da natureza oposta. Ela também afirma que o principal objetivo do Evangelho é incentivar os discípulos temerosos a sair e pregar o evangelho.

Karen King considera o trabalho para fornecer

um vislumbre intrigante de um tipo de cristianismo perdido há quase mil e quinhentos anos … [ele] apresenta uma interpretação radical dos ensinamentos de Jesus como um caminho para o conhecimento espiritual interior; rejeita Seu sofrimento e morte como o caminho para a vida eterna; expõe a visão errônea de que Maria de Magdala era uma prostituta por aquilo que é – uma peça de ficção teológica; apresenta o argumento mais direto e convincente em qualquer escrita cristã primitiva para a legitimidade da liderança das mulheres; oferece uma crítica afiada do poder ilegítimo e uma visão utópica da perfeição espiritual; desafia nossas visões bastante românticas sobre a harmonia e a unanimidade dos primeiros cristãos; e nos pede para repensar a base para a autoridade da igreja. [22]

King conclui que “tanto o conteúdo quanto a estrutura do texto levam o leitor para dentro em direção à identidade, poder e liberdade do verdadeiro eu, a alma libertada dos Poderes da Matéria e o medo da morte”. “O Evangelho de Maria é sobre controvérsias entre os cristãos, a confiabilidade do testemunho dos discípulos, a validade dos ensinamentos dados aos discípulos através da revelação e visão pós-ressurreição e a liderança das mulheres.” [20]

King também vê evidências de tensões dentro do cristianismo segundo século, refletida em “confronto de Mary com Pedro, [que é] um cenário também encontrada em O Evangelho de Tomé , [23] Pistis Sophia , [24] e do Evangelho copta de os egípcios . Pedro e André representam posições ortodoxas que negam a validade da revelação esotérica e rejeitam a autoridade das mulheres para ensinar. “

Códice de Berlim

 O Códice de Berlim (também conhecido como o Códice Akhmim ), dado o número de acesso Papyrus Berolinensis 8502, é um manuscrito copta do século 5 dC, desenterrado em Akhmim , no Egito . No Cairo, em janeiro de 1896, Carl Reinhardt comprou o códice, recentemente descoberto, envolto em penas, em um nicho de parede de um cemitério cristão. Era um livro encadernado em papiro (um códice ), datado do início do século V (ou possivelmente do final do século IV), escrito no dialeto sahídico do copta, que era comum no Egito naquela época.

Foi levado a Berlim para o Berliner Museen , onde foi levado ao conhecimento da Academia Real de Ciências da Prússia por Carl Schmidt , em 16 de julho de 1896. [1] Schmidt editou o Ato de Pedro em 1903, [2] mas o O conteúdo gnóstico do Códice de Berlim não foi finalmente completamente traduzido até 1955. [3] Poucas pessoas prestaram atenção a ele até a década de 1970, quando uma nova geração de eruditos do cristianismo primitivo tomou um interesse crescente na sequência da descoberta dos mais famosos. grupo de primeiros documentos cristãos gnósticos encontrados em Nag Hammadi em 1945.

O “Berlin Codex” é um single-quire [4] codex copta preso com tábuas de madeira cobertas com um couro que nem se assemelha bronzeado couro, nem se assemelham pergaminho ou alum -tawed pele (ie pele que foi vestida com alum a amolecer e alvejá-lo). [5]

Quatro textos estão unidos no Codex de Berlim. Todos são trabalhos gregos em traduções coptas. O primeiro, em duas seções, é um evangelho fragmentário de Maria , para o qual este é o manuscrito fonte primária. O manuscrito é uma tradução copta de um original grego anterior. Embora as páginas sobreviventes estejam bem preservadas, o texto não está completo e fica claro, a partir do que foi encontrado, que o Evangelho de Maria continha dezenove páginas, assumindo que o códice começa com ele; [6] as páginas 1–6 e 11-14 estão totalmente ausentes.

O Codex também contém o Apócrifo de João , A Sophia de Jesus Cristo , e um epítome do Ato de Pedro . Estes textos são frequentemente discutidos em conjunto com os textos anteriores de Nag Hammadi.

Obras 

  • Die alten Petrusakten . em Zusammenhang der apokryphen Apostellitteratur nebst einem neuentdeckten Fragmento, untersucht von Carl Schmidt, Hinrichs, Leipzig, 1903. In:Textos e Untersuchungen zur Geschichte der altchristlichen Literatur. herausgegeben von Oskar von Gebhardt e Adolf Harnack, Nova banda Neunter Folge, der ganzen Reihe XXIV Band. Esta tradução alemã refere-se ao manuscrito de papiro P 8502 na Berliner Papyrussammlung.
  • Tuckett, Christopher (2007). O Evangelho de Maria . Oxford Early Christian Gospel Textos. Oxford: Oxford University Press . ISBN  978-0-19-921213-2 .

……..

Por este manuscrito, Maria Madalena se destaca como uma discípula confidente do filho de Deus, a quem ele lhe confidenciou informações importantes das quais não foram repassadas aos homens.

Apesar de os manuscritos não estarem completos, já que na única cópia conhecida dele faltam alguns trechos, que vão das páginas 1 a 6 e de 11 a 14, até aqui, não há nenhuma passagem que sugere que houve um relacionamento amoroso (humano) entre Madalena e Jesus.

….

Escrituras Gnósticas e Fragmentos

O Evangelho Segundo Maria Madalena

Fonte: http://www.gnosis.org/

Uma excelente nova edição impressa do Evangelho de Maria de Magdala. Leia a introdução do Dr. King ao Evangelho de Maria de Magdala

 

(ver abaixo deste texto)

Notas do arquivo:

Evangelho de Maria é encontrado no Códice Gnóstico de Berlim ( Papyrus Berolinensis 8502 ). Este códice muito importante e bem preservado foi descoberto no final do século XIX em algum lugar perto de Akhmim, no alto Egito. Foi comprado no Cairo em 1896 por um estudioso alemão, Dr. Carl Reinhardt, e depois levado para Berlim.

O códice (como são chamados esses livros antigos) provavelmente foi copiado e encadernado no final do quarto ou início do quinto século. Contém traduções coptas de três importantes textos gnósticos cristãos primitivos: o Evangelho de Maria, o Apócrifo de João e a Sophia de Jesus Cristo . Os próprios textos datam do segundo século e foram originalmente escritos em grego.

Apesar da importância da descoberta desta antiga coleção de escrituras gnósticas, vários infortúnios, incluindo duas guerras mundiais, atrasaram sua publicação até 1955. Nessa época, a grande coleção de antigos escritos gnósticos de Nag Hammadi também havia sido recuperada. Descobriu-se que cópias de dois dos textos deste códice – o Apócrifo de João e a Sophia de Jesus Cristo – também haviam sido preservadas na coleção de Nag Hammadi. Estes textos do Códice Gnóstico de Berlim foram usados ​​para ajudar e aumentar as traduções do Apócrifo de João e a Sophia de Jesus Cristo, como agora são publicados na Biblioteca de Nag Hammadi.

Mas o mais importante é que o códice preserva o mais completo fragmento sobrevivente do Evangelho de Maria – e é claro que essa chamada Maria é a pessoa que chamamos de Maria de Magdala . Dois outros pequenos fragmentos do Evangelho de Maria, de edições gregas separadas, foram posteriormente desenterrados em escavações arqueológicas em Oxyrhynchus, no Egito. (Fragmentos do Evangelho de Tomé também foram encontrados neste local antigo; veja a página Oxirrinco e o Evangelho de Tomé para mais informações sobre Oxyrhynchus.) Encontrar três fragmentos de um texto dessa antiguidade é extremamente incomum, e é assim evidenciado que o Evangelho de Maria foi bem distribuído nos primórdios do cristianismo e existiu tanto em uma tradução original em grego quanto em uma tradução copta.

Infelizmente, o manuscrito sobrevivente do Evangelho de Maria está faltando as páginas 1 a 6 e as páginas 11 a 14 – páginas que incluíam seções do texto até o capítulo 4, e porções dos capítulos 5 a 8. O texto existente do Evangelho de Maria , como encontrado no Códice Gnóstico de Berlim, é apresentado abaixo. O texto do manuscrito começa na página 7, no meio de uma passagem.

Material Introdutório Adicional

Recomendamos vivamente a nova tradução de Karen King com extensos comentários, O Evangelho de Maria de Magdala: Jesus e a Primeira Mulher Apóstola . O Evangelho de Maria também está incluído, juntamente com uma introdução útil, na Edição Internacional das Escrituras de Nag Hammadi .

Sem material explanatório e de base, será impossível para um leitor não familiarizado com os antigos escritos cristãos-gnósticos entender o Evangelho de Maria . A introdução do Dr. King ao seu livro – que fornecemos aqui na pré-visualização – oferece uma excelente visão geral do texto do Evangelho de Maria e uma discussão sobre a descoberta e os fragmentos remanescentes do manuscrito. Nos capítulos seguintes, o Dr. King fornece as informações contextuais que um leitor precisa para entender as mensagens desse importante texto.

Leia o capítulo introdutório do Dr. King de O Evangelho de Maria de Magdala: Jesus e a Primeira Mulher Apóstolo.

Também recomendamos adicionalmente os três primeiros livros listados à esquerda: Maria Madalena, Primeiro Apóstolo por Ann Brock; A ressurreição de Maria Madalena: Legends, Apocrypha, and the Christian Testament por Jane Schaberg; e Maria Madalena, Mito e Metáfora de Susan Haskin. Há muitos livros agora disponíveis sobre Maria de Magdala, alguns de valor questionável. Estes quatro livros estão entre os melhores e juntos oferecem uma visão geral da Magdalen na história e no mito a partir de uma ampla variedade de perspectivas.

Palestras sobre O Evangelho de Maria Madalena também estão disponíveis em nossa coleção de Palestras na Web do Gnosis Archive .

– Lance S. Owens


O Evangelho Segundo Maria Madalena
(O Evangelho De Maria)

Capítulo 4

(As páginas 1 a 6 do manuscrito, contendo os capítulos 1 a 3, são perdidas. O texto existente começa na página 7 …)

. . . Será que a matéria será destruída ou não?

22) O Salvador disse: Toda a natureza, todas as formações, todas as criaturas existem em um e com o outro, e serão novamente resolvidas em suas próprias raízes.

23) Pois a natureza da matéria é resolvida nas raízes de sua própria natureza.

24) Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

25) Pedro disse-lhe: Já que você explicou tudo para nós, diga-nos também: Qual é o pecado do mundo?

26) O Salvador disse que não há pecado, mas é você quem faz o pecado quando faz as coisas que são como a natureza do adultério, que é chamado de pecado.

27) É por isso que o Bom entrou em seu meio, para a essência de toda a natureza, a fim de restaurá-lo à sua raiz.

28Então ele continuou e disse: É por isso que você fica doente e morre, pois você é privado daquele que pode curar você.

29) Aquele que tem vontade de entender, entenda.

30) A matéria deu origem a uma paixão que não tem igual, que procedia de algo contrário à natureza. Então surge uma perturbação em todo o seu corpo.

31) É por isso que eu disse a você: Tenha bom ânimo, e se você estiver desanimado, seja encorajado na presença das diferentes formas da natureza.

32) Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

33) Quando o Abençoado disse isso, Ele cumprimentou a todos, dizendo: A paz esteja com você. Receba minha paz para vocês.

34) Cuidado que ninguém te engana dizendo Lo aqui ou ali! Pois o Filho do Homem está dentro de você.

35) Siga depois Dele!

36) Aqueles que O buscam O encontrarão.

37) Vá e pregue o evangelho do Reino.

38) Não estabeleça quaisquer regras além daquilo que eu te designei, e não dê uma lei como a do legislador, para que você não seja restringido por ela.

39) Quando Ele disse isto Ele partiu.


capítulo 5

1) Mas eles ficaram tristes. Eles choraram muito, dizendo: Como iremos aos gentios e pregamos o evangelho do Reino do Filho do Homem? Se eles não o pouparam, como nos pouparão?

2) Então Maria se levantou, cumprimentou a todos e disse a seus irmãos: Não choreis e não sofra nem seja indeciso, pois Sua graça estará inteiramente contigo e te protegerá.

3) antes, vamos louvar a sua grandeza, pois Ele nos preparou e nos fez entrar nos homens.

4) Quando Maria disse isso, ela voltou o coração para o Bem e começaram a discutir as palavras do Salvador.

5) Pedro disse a Maria: Irmã, sabemos que o Salvador te amou mais do que o resto da mulher.

6) Diga-nos as palavras do Salvador que você lembra que você conhece, mas nós não as ouvimos, nem as ouvimos.

7) Respondeu Maria: O que está escondido de ti eu te proclamarei.

8) E ela começou a falar-lhes estas palavras: Eu, disse ela, vi o Senhor em visão e disse-lhe: Senhor, hoje te vi em visão. Ele respondeu e me disse:

9) Bem-aventurado és tu que não vacilaste perante a visão de mim. Pois onde a mente está, está o tesouro.

10) Disse-lhe eu: Senhor, como vê aquele que vê a visão pela alma ou pelo espírito?

11) O Salvador respondeu e disse, Ele não vê através da alma nem através do espírito, mas a mente que está entre os dois é o que vê a visão e é […]

(as páginas 11 a 14 estão faltando no manuscrito)


Capítulo 8:

. . . isto.

10) E desejo disse, eu não vi você descendo, mas agora vejo você subindo. Por que você mente desde que você pertence a mim?

11) A alma respondeu e disse: Eu te vi. Você não me viu nem me reconheceu. Eu te servi como uma roupa e você não me conhece.

12) Quando disse isso, a alma se foi regozijando muito.

13) Novamente chegou ao terceiro poder, que é chamado de ignorância.

14) O poder questionou a alma, dizendo: Onde você está indo? Na maldade você está preso. Mas você está obrigado; não julgue!

15) Então disse a alma: Por que me julgas, ainda que não tenha julgado?

16) Eu fui amarrado, embora não tenha ligado.

17) Eu não fui reconhecido. Mas eu reconheci que o Todo está sendo dissolvido, tanto as coisas terrenas como as celestes.

18) Quando a alma superou o terceiro poder, subiu e viu o quarto poder, que tomou sete formas.

19) A primeira forma é a escuridão, o segundo desejo, a terceira ignorância, a quarta é a excitação da morte, a quinta é o reino da carne, a sexta é a sabedoria tola da carne, a sétima é a sabedoria irada. Estes são os sete poderes da ira.

20) Eles perguntaram a alma, De onde você vem matador de homens, ou onde você está indo, conquistador do espaço?

21) A alma respondeu e disse: O que me liga foi morto, e o que me excita foi vencido.

22) e meu desejo foi terminado, e a ignorância morreu.

23) Em um aeon eu fui libertado de um mundo, e em um tipo de um tipo, e do grilhão do esquecimento que é transitório.

24) A partir deste momento eu vou chegar ao resto do tempo, da estação, do aeon, em silêncio.


Capítulo 9

1) Quando Maria disse isso, ela ficou em silêncio, pois foi nesse ponto que o Salvador falou com ela.

2) Mas André respondeu e disse aos irmãos: Diga o que você deseja dizer sobre o que ela disse. Eu pelo menos não acredito que o Salvador tenha dito isso. Certamente esses ensinamentos são idéias estranhas.

3) Pedro respondeu e falou sobre estas mesmas coisas.

4) Ele os questionou sobre o Salvador: Ele realmente falou em particular com uma mulher e não abertamente para nós? Devemos nos virar e todos escutar ela? Ele preferiu ela a nós?

5) Então Maria chorou e disse a Pedro: Meu irmão Pedro, o que você acha? Você acha que eu pensei isso em meu coração, ou que estou mentindo sobre o Salvador?

6) Levi respondeu e disse a Pedro, Pedro, você sempre foi temperamental.

7) Agora vejo você lutando contra a mulher como os adversários.

8) Mas se o Salvador a fez digna, quem é você para rejeitá-la? Certamente o Salvador a conhece muito bem.

9) É por isso que Ele a ama mais do que nós. Em vez disso, sintamos-nos envergonhados e nos revestimos do Homem perfeito, e nos separemos como Ele nos ordenou e pregamos o evangelho, não estabelecendo qualquer outra regra ou outra lei além daquilo que o Salvador disse.

10) E quando ouviram isso, começaram a sair para proclamar e pregar.


O Evangelho de Maria

O Evangelho Segundo Maria Madalena

 


Da Introdução para:

O Evangelho de Maria Madalena:
Jesus e a primeira mulher apóstola

por Karen L. King


Trecho de:
O Evangelho de Maria Madalena: Jesus e a Primeira Mulher Apóstolo
por Karen L. King (Polebridge Press, Santa Rosa, Califórnia, 2003), pp. 3-12

Cristianismo Primitivo e o Evangelho de Maria

Poucas pessoas hoje estão familiarizadas com o Evangelho de Maria. Escrita no início do segundo século EC, ela desapareceu por mais de mil e quinhentos anos até que uma única cópia fragmentária na tradução copta veio à luz no final do século XIX. Embora detalhes da descoberta em si sejam obscuros, sabemos que o manuscrito do quinto século em que foi inscrito foi comprado no Cairo por Carl Reinhardt e levado a Berlim em 1896. Dois fragmentos adicionais em grego surgiram no século XX. . Ainda assim, nenhuma cópia completa do Evangelho de Maria é conhecida. Menos de oito páginas do antigo texto em papiro sobrevivem, o que significa que cerca de metade do evangelho de Maria está perdido para nós, talvez para sempre.

O Evangelho de Maria Madalena: Jesus e a Primeira Mulher Apóstolo por Karen King

Esta é a melhor edição autorizada disponível e inclui um excelente comentário de Karen King. 

No entanto, essas páginas escassas fornecem um vislumbre intrigante de um tipo de cristianismo perdido há quase mil e quinhentos anos. Esta narrativa espantosamente breve apresenta uma interpretação radical dos ensinamentos de Jesus como um caminho para o conhecimento espiritual interior; rejeita seu sofrimento e morte como o caminho para a vida eterna; expõe a visão errônea de que Maria de Magdala era uma prostituta por aquilo que é – uma peça de ficção teológica; apresenta o argumento mais direto e convincente em qualquer escrita cristã primitiva para a legitimidade da liderança das mulheres; oferece uma crítica afiada do poder ilegítimo e uma visão utópica da perfeição espiritual; desafia nossas visões bastante românticas sobre a harmonia e a unanimidade dos primeiros cristãos; e nos pede para repensar a base para a autoridade da igreja.

A história do evangelho de Mariaé simples. Desde que as primeiras seis páginas foram perdidas, o evangelho é aberto no meio de uma cena que retrata uma discussão entre o Salvador e seus discípulos após a ressurreição. O Salvador está respondendo suas perguntas sobre o fim do mundo material e a natureza do pecado. Ele os ensina que no momento todas as coisas, sejam materiais ou espirituais, estão entrelaçadas umas com as outras. No final, isso não será assim. Cada natureza retornará à sua própria raiz, seu próprio estado e destino originais. Mas enquanto isso, a natureza do pecado está ligada à natureza da vida neste mundo misto. As pessoas pecam porque não reconhecem sua própria natureza espiritual e, em vez disso, amam a natureza inferior que as engana e leva à doença e à morte. A salvação é alcançada através da descoberta dentro de si mesmo da verdadeira natureza espiritual da humanidade e da superação das armadilhas enganosas das paixões corpóreas e do mundo. O Salvador conclui esse ensinamento com uma advertência contra aqueles que poderiam iludir os discípulos a seguirem um líder heróico ou um conjunto de regras e leis. Em vez disso, devem procurar o filho da verdadeira Humanidade dentro de si e obter paz interior. Depois de comissioná-los para sair e pregar o evangelho, o Salvador parte.

Mas os discípulos não saem alegremente para pregar o evangelho; em vez disso, surge a controvérsia. Todos os discípulos, exceto Maria, falharam em compreender os ensinamentos do Salvador. Em vez de buscar a paz interior, eles ficam perturbados, com medo de que, se seguirem sua missão de pregar o evangelho, possam compartilhar seu destino agonizante. Mary entra e conforta-os e, no caso de Pedro, relata um ensino desconhecido para eles que ela recebeu do Salvador em uma visão. O Salvador havia explicado a ela a natureza da profecia e a ascensão da alma ao seu descanso final, descrevendo como vencer a batalha contra os Poderes ímpios e ilegítimos que procuram manter a alma aprisionada no mundo e ignorante de sua verdadeira natureza espiritual. .

Mas quando ela termina seu relato, dois dos discípulos a desafiam inesperadamente. Andrew objeta que seu ensinamento é estranho e ele se recusa a acreditar que veio do Salvador. Pedro vai mais longe, negando que Jesus jamais teria dado esse tipo de ensinamento avançado a uma mulher, ou que Jesus poderia tê-la preferido a ela. Aparentemente, quando ele pediu a ela para falar, Pedro não esperava tal ensino elevado, e agora ele questiona seu caráter, implicando que ela mentiu sobre ter recebido um ensinamento especial a fim de aumentar sua estatura entre os discípulos. Severamente surpreendida, Mary começa a chorar com a acusação de Peter. Levi vem rapidamente em sua defesa, apontando para Peter que ele é um mal-humorado notório e agora ele está tratando Mary como se ela fosse a inimiga. Deveríamos ter vergonha de nós mesmos ele adverte todos eles; em vez de discutirmos entre nós mesmos, devemos sair e pregar o evangelho como o Salvador nos ordenou.

A história termina aqui, mas a controvérsia está longe de ser resolvida. André e Pedro, pelo menos, e provavelmente também os outros discípulos temerosos, não entenderam o ensinamento do Salvador e se ofendem com a aparente preferência de Jesus por uma mulher sobre eles. Sua compreensão limitada e falso orgulho tornam impossível para eles compreender a verdade do ensinamento do Salvador. O leitor deve tanto admirar quanto se preocupar com o tipo de evangelho que tais discípulos orgulhosos e ignorantes pregarão.

Como vamos entender essa história? É, ao mesmo tempo, uma reminiscência dos evangelhos do Novo Testamento e, no entanto, claramente diferente deles. Os personagens do evangelho – o Salvador, Maria, Pedro, André e Levi – são familiares para os que estão familiarizados com os evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João. Assim também é a linguagem teológica do evangelho e do reino, assim como as palavras de Jesus como “Aqueles que procuram encontrarão” ou “Qualquer um com dois ouvidos deve ouvir”. E os evangelhos e Atos do Novo Testamento mencionam repetidamente a aparição de Jesus aos seus discípulos após a ressurreição. No entanto, também é claro que a história do Evangelho de Mariadifere em aspectos significativos. Por exemplo, depois de Jesus comissionar os discípulos, eles não saem alegremente para pregar o evangelho, como fazem em Mateus; em vez disso, choram, temendo por suas vidas. Alguns dos ensinamentos também parecem chocantes vindos de Jesus, especialmente sua afirmação de que não existe pecado. Os estudiosos modernos podem se sentir simpatizantes com a avaliação de Andrew de que “esses ensinamentos são idéias estranhas”.

Evangelho de Mariafoi escrito quando o cristianismo, ainda em seus estágios iniciais, era formado por comunidades amplamente dispersas ao redor do Mediterrâneo Oriental, comunidades muitas vezes relativamente isoladas umas das outras e provavelmente pequenas o suficiente para se encontrarem na casa de alguém sem chamar muita atenção. Embora os escritos tenham aparecido cedo – especialmente cartas que abordavam as preocupações das igrejas locais, coleções que continham as declarações de Jesus e narrativas que interpretavam sua morte e ressurreição – as práticas orais dominavam a vida dos primeiros cristãos. Pregar, ensinar e rituais de comunhão e batismo eram o cerne da experiência cristã? Que documentos escritos eles haviam servido, no máximo, como guias suplementares de pregação e prática? Nem podemos presumir que todas as várias igrejas possuíam os mesmos documentos; depois de tudo, estas são as pessoas que escreveram a primeira literatura cristã. Christoph Markschies sugere que perdemos 85% da literatura cristã dos dois primeiros séculos – e isso inclui apenas a literatura que conhecemos. Certamente deve haver ainda mais, para a descoberta de textos como oO Evangelho de Maria foi uma surpresa completa. Temos que ter cuidado para não supor que é possível reconstruir toda a história e prática cristã primitiva a partir dos poucos textos remanescentes que restam. Nosso quadro sempre será parcial – não apenas porque muito está perdido, mas porque as práticas cristãs primitivas eram tão pouco ligadas à escrita duradoura.

Em parte como consequência de seu desenvolvimento independente e de situações diferentes, essas igrejas às vezes divergiam amplamente em suas perspectivas sobre elementos essenciais da crença e prática cristãs. Questões básicas como o conteúdo e o significado dos ensinamentos de Jesus, a natureza da salvação, o valor da autoridade profética e os papéis das mulheres e dos escravos passaram por um intenso debate. Os primeiros cristãos propunham e experimentavam visões conflitantes da comunidade ideal.

É importante lembrar, também, que esses primeiros cristãos não tinham Novo Testamento, nenhum Credo Niceno ou Credo dos Apóstolos, nenhuma ordem de igreja ou cadeia de autoridade comum, nenhuma igreja, e de fato nenhuma compreensão única de Jesus. Todos os elementos que poderíamos considerar essenciais para definir o cristianismo ainda não existiam. Longe de serem pontos de partida, o credo niceno e o Novo Testamento foram os produtos finais desses debates e disputas; eles representam a destilação da experiência e da experimentação – e não uma pequena quantidade de conflitos e lutas.

Toda a literatura cristã primitiva traz vestígios dessas controvérsias. Os primeiros documentos sobreviventes do cristianismo, as cartas de Paulo mostram que existia considerável diferença de opinião sobre questões como a circuncisão e as leis alimentares judaicas ou o valor relativo dos dons espirituais. Essas e outras questões contenciosas, como se a ressurreição era física ou espiritual, estavam estimulando conversas teológicas e causando fissuras dentro e entre os grupos cristãos. Na época do Evangelho de Maria, essas discussões estavam se tornando cada vez mais sutis e mais polarizadas.

A história, como sabemos, é escrita pelos vencedores. No caso do cristianismo primitivo, isso significou que muitas vozes nesses debates foram silenciadas por meio de repressão ou negligência. O Evangelho de Maria, juntamente com outras obras recém-descobertas do período cristão mais antigo, aumenta nosso conhecimento da enorme diversidade e caráter dinâmico dos processos pelos quais o cristianismo foi moldado. O objetivo deste volume é permitir que os leitores do século XXI ouçam uma dessas vozes – não para abafar as vozes do cânone e da tradição, mas para que possam ser ouvidas com a maior clareza que vem com uma voz ampliada. perspectiva histórica. Se a mensagem do Evangelho de Maria deve ou não ser aceita é uma questão que os leitores decidirão por si mesmos.

Descoberta e Publicação

De onde veio o Evangelho de Maria ?

 Há mais de cem anos, em janeiro de 1896, ocorreu um evento aparentemente insignificante no mercado de antiguidades do Cairo. Um comerciante de manuscritos, cuja história do nome se esqueceu, ofereceu um livro de papiro à venda a um estudioso alemão chamado Dr. Carl Reinhardt. Por fim, ficou claro que o livro era um códice em papiro do século V aC, escrito na língua copta (ver Quadro 1). Sem o conhecimento de nenhum deles, continha o Evangelho de Maria, juntamente com três outras obras anteriormente desconhecidas, o Apócrifo de João, a Sophia de Jesus Cristo e o Ato de Pedro. Esse evento aparentemente pequeno acabou sendo de enorme importância.

O Dr. Reinhardt poderia dizer que o livro era antigo, mas não sabia nada mais sobre a descoberta do que o comerciante era de Achmim no centro. O negociante disse-lhe que um camponês encontrou o livro em um nicho de parede, mas isso é impossível. Excelente estado do livro, exceto por várias páginas faltando no Evangelho de Maria,torna totalmente improvável que tenha passado os últimos mil e quinhentos anos despercebidos em um nicho de parede. Nenhum livro poderia ter sobrevivido tanto tempo ao ar livre. Pode ser que o camponês ou o negociante tivessem vindo ilegalmente e, portanto, fossem evasivos sobre a localização real da descoberta. Ou pode ter sido apenas recentemente colocado na parede e acidentalmente encontrado lá. De qualquer forma, ainda não sabemos nada específico sobre onde ficou escondido durante todos esses séculos, embora o primeiro editor, Carl Schmidt, tenha assumido que ele deveria ter sido encontrado nos cemitérios de Achmim ou na área ao redor da cidade.

O Dr. Reinhardt comprou o livro e o levou para Berlim, onde foi colocado no Museu Egípcio com o título oficial e número de catálogo do Codex Berolinensis 8502. Lá, ele chegou às mãos do egiptólogo Can Schmidt, que começou a produzir uma crítica. edição e tradução alemã do que agora é geralmente referido como o Códice de Berlim

Desde o início, a publicação foi atormentada por dificuldades. Primeiro de tudo, há o problema das páginas que faltam. As primeiras seis páginas, mais quatro páginas adicionais do meio do trabalho, estão faltando. Isto significa que mais da metade do Evangelho de Mariaestá completamente perdido. O que aconteceu com essas páginas? Carl Schmidt pensou que eles deviam ter sido roubados ou destruídos por quem encontrou o livro. O homem em si foi encontrado protegido dentro de sua capa original de couro e papiro, mas na época em que chegou a Carl Schmidt, em Berlim, a ordem das páginas tinha sido bastante confusa. Schmidt levou algum tempo para perceber que o livro estava quase intacto e, portanto, deveria ter sido encontrado sem ferimentos. Em um comentário pouco caridoso e talvez até rancoroso, Schmidt atribuiu a desordem das páginas a “ávidos árabes” que também devem ter roubado ou destruído as páginas que faltavam, mas até hoje nada se sabe sobre seu destino. Só podemos esperar que eles estejam protegidos em algum lugar e um dia ressurgirão.

Em 1912, a edição de Schmidt estava pronta para publicação e foi enviada para a Prießchen Press em Leipzig. Mas ai de mim! A impressora estava em fase de conclusão das folhas finais quando um cano de água destruiu toda a edição. Logo depois a Europa mergulhou na Primeira Guerra Mundial. Durante a guerra e suas conseqüências, Schmidt não pôde ir a Leipzig e salvar qualquer coisa da bagunça, mas conseguiu ressuscitar o projeto. Desta vez, no entanto, seu trabalho foi frustrado por sua própria mortalidade. Sua morte em 17 de abril de 1938 causou mais atrasos, enquanto a edição foi recuperada de sua propriedade e enviada para a imprensa. Neste ponto, outro estudioso era necessário para ver sua publicação, uma tarefa que, em última análise, caiu para Walter Till em 1941.

Nesse meio tempo, em 1917, um pequeno fragmento grego do Evangelho de Maria do terceiro século havia sido encontrado no Egito (Papyrus Rylands 463). Sendo paralelo a parte do texto copta, não acrescentou novas passagens ao Evangelho de Maria, mas forneceu algumas variantes e evidências adicionais sobre a data inicial da obra e sua composição em grego. Até incorporar essa nova evidência em sua edição, e em 1943, a edição estava novamente pronta para ser impressa. Mas agora a Segunda Guerra Mundial tornou a publicação impossível.

Quando a guerra acabou, chegaram notícias de Berlim sobre uma grande descoberta de manuscritos no Egito, perto da aldeia de Nag Hammadi. Por acaso, cópias de dois dos outros textos encontrados no Códice de Berlim, juntamente com o Evangelho de Maria (Apócrifo de João e Sofia de Jesus Cristo) apareceram entre os novos manuscritos. Nenhuma nova cópia do Evangelho de Maria foi encontrada em Nag Hammadi, mas a publicação foi adiada mais uma vez, pois aguardava informações sobre os novos manuscritos para que pudesse incorporar essa nova evidência em sua edição do Códice de Berlim. Mas as rodas da erudição se movem lentamente, e finalmente em exasperação, Até que desistiram. Ele confia a seus leitores:

Ao longo dos doze anos em que trabalhei com os textos, muitas vezes fiz repetidas mudanças aqui e ali, e isso provavelmente continuará a ser o caso. Mas, em algum momento, um homem precisa encontrar coragem para deixar o manuscrito sair da mão, mesmo que alguém esteja convencido de que ainda há muita coisa imperfeita. Isso é inevitável com todos os esforços humanos.

Finalmente, em 1955, a primeira edição impressa do texto do Evangelho de Maria finalmente apareceu com uma tradução alemã.

Até certo, claro; os estudiosos continuam a fazer mudanças e adicionar ao registro. Da maior importância foi a descoberta de mais um fragmento grego do século III no início do Evangelho de Maria (Papyrus Oxyrhynchus 3525), que foi publicado em 1983. Com a adição deste fragmento, agora temos porções de três cópias do Evangelho de Maria que data da antiguidade: dois manuscritos gregos do início do terceiro século (P. Rylands 463 e P. Oxyrhynchus 3525) e um em copta do quinto século (Codex Berolinensis 8525).

Como é incomum que várias cópias de datas tão antigas tenham sobrevivido, a atestação do Evangelho de Maria como uma obra cristã primitiva é extraordinariamente forte. A maior parte da literatura cristã primitiva que conhecemos sobreviveu porque os textos foram copiados e depois recopiados à medida que os materiais sobre os quais foram escritos se desgastavam. Na antiguidade, não era necessário queimar livros que se queria suprimir (embora isso fosse ocasionalmente feito); se não fossem recopiados, desapareceriam por negligência. Até onde sabemos, o Evangelho de Maria nunca foirecopiado após o quinto século; pode ter sido que o Evangelho de Mariafoi ativamente reprimido, mas também é possível que simplesmente tenha saído de circulação. De qualquer modo, quer sua perda tenha resultado de animosidade ou negligência, a recuperação do Evangelho de Maria, em condição de caráter fragmentário, deve-se igualmente à extraordinária serendipidade e extraordinária boa fortuna.


Esboço do Dr. King sobre os fragmentos sobreviventes do manuscrito:

O idioma copta

Embora o Evangelho de Mariafoi originalmente composto em grego, a maioria sobrevive apenas na tradução copta. O copta é o último estágio da língua egípcia e ainda é usado liturgicamente pelos cristãos egípcios, chamados de coptas. A mais antiga língua egípcia conhecida foi escrita em hieróglifos, sempre em pedra ou em algum outro material durável. Além disso, os egípcios também escreviam em papiro, e para isso usavam um script diferente chamado hierático, empregado quase exclusivamente para escrever literatura sagrada. Um terceiro roteiro, chamado demótico, foi desenvolvido para transações cotidianas, como escrever cartas e manter livros. Cada um desses scripts é muito complicado, utilizando diferentes caracteres ou sinais para representar sílabas inteiras, não apenas sons individuais como em inglês. Em algum momento durante o final do período romano, provavelmente por volta do segundo século EC, escribas começaram a escrever a língua egípcia em letras principalmente gregas, mas adicionando algumas do egípcio demótico. Esse processo tornou a escrita egípcia muito mais simples e eficiente. Visto que a escrita copta era usada quase exclusivamente pelos cristãos no Egito, podemos supor que os cristãos egípcios foram os que traduziram e preservaramEvangelho de Maria

O Códice de Berlim

O livro que Reinhardt comprou no Cairo em 1896 revelou-se um códice de papiro do século quinto. O papiro era o material de escrita mais comum do dia, mas os códices, o precursor da nossa forma de livro, haviam entrado em uso apenas alguns séculos antes, principalmente entre os cristãos. O códice era feito cortando rolos de papiro em folhas, que depois eram empilhadas em uma única pilha, geralmente composta de pelo menos 38 folhas. Dobrando a pilha ao meio e costurando as folhas juntas, produziu um livro de cerca de 152 páginas, que foi finalmente colocado dentro de uma capa de couro. O Evangelho de Maria é um trabalho curto, ocupando apenas as primeiras páginas de 18% de um códice que é relativamente pequeno em tamanho, tendo folhas que medem em média apenas cerca de 12,7 cm de comprimento e 10,5 cm de largura.

Papiro Rylands 463 (PRyl)

Este fragmento grego do Evangelho de Maria foi adquirido pela Biblioteca Rylands em Manchester, Inglaterra, em 1917, e publicado em 1938 por CH Roberts. Como o POxy 3525, foi encontrado em Oxyrhynchus, no norte do Egito, e data do início do terceiro século EC. É um fragmento de um códice – tem escrita nos dois lados da folha de papiro – e exibe um roteiro literário muito claro. Mede 8,7 cm de largura por 10 cm de comprimento, embora a maioria das fibras meça apenas 8,5. cm. A frente do fragmento contém a conclusão da revelação de Maria e o início da disputa dos discípulos sobre seu ensino. Depois de um breve intervalo, a disputa continua do outro lado do fragmento e termina com Levi deixando para anunciar as boas novas (GM 9: 2910: 4; 10: 6-14). (Veja fotos, pp. 1 e 35.)

Papiro Oxyrhynchus 3525 (ΡOxy)

Este minúsculo e gravemente danificado fragmento de papiro do Evangelho de Mariaem grego foi encontrado durante escavações da cidade de Oxyrhynchus, ao longo do Nilo no baixo Egito (norte). Publicado em 1983 por PJ Parsons, está agora abrigado na Ashmolean Library, em Oxford. Data do início do terceiro século EC. O fragmento tem escrito em apenas um lado, indicando que veio de um rolo, não um códice (livro). Como foi escrito em uma escrita grega cursiva, geralmente reservada para tais papiros documentários como documentos comerciais e cartas, em vez de textos literários, Parsons sugeriu que era obra de um amador. O que resta é um fragmento muito fragmentário, de fato. Ele contém aproximadamente vinte linhas de escrita, nenhuma delas completa. O papiro mede 11,7 cm de comprimento e 11,4 cm no seu ponto mais largo, mas a metade superior tem apenas cerca de 4 cm de largura. A restauração é baseada em grande parte no texto copta paralelo.(GM 4: 11-7: 3).

Trecho de:
O Evangelho de Maria de Magdala: Jesus e a Primeira Mulher Apóstolo
por Karen L. King (Polebridge Press, Santa Rosa, Califórnia, 2003), pp. 3-12
(As notas de rodapé não estão incluídas neste excerto)

(c) Karen L. King, 2003 Todos os direitos reservados.