Matriarcado, Matrilinearidade,

Matriarcado –

O que é? Termo, Conceito e Exemplos

Editado de https://www.gestaoeducacional.com.br/

Pelos dados encontrados ate hoje, vivemos, praticamente, nos últimos 4 milênios, em uma sociedade patriarcal, ou seja, uma sociedade na qual o homem se encontra em posição de destaque, ocupando os espaços de liderança e exercendo autoridade moral, religiosa, econômica, social, etc.

Nessa sociedade, é o homem quem dita e impõe todas as regras e os valores. Mas, alguns estudiosos acreditam que, no passado, isso possa ter sido diferente. Nossos antepassados podem ter vivido em uma sociedade matriarcal.

O que é matriarcado?

Matriarcado

Matriarcado seria uma forma de organização social na qual a mulher ocuparia a posição central, tanto no ramo familiar como na própria comunidade em si. Nessa sociedade, o poder estaria nas mãos da mulher.

Nossa história está cheia de referências a comunidades antigas nas quais as mulheres ocupavam o mesmo espaço que os homens, e outras onde as mulheres estavam em posição de domínio. Tanto as fontes escritas quanto os registros arqueológicos nos contam relatos de deusas muito cultuadas, mulheres guerreiras e líderes poderosas.

Existe uma grande quantidade de estatuetas encontradas em diversas civilizações antigas com representações femininas. Acredita-se que a maioria delas faça referência ao culto da deusa mãe, que existiu há milhares de anos, se espalhando por todo o mundo antigo, e que pode ter sido a base para o culto de várias divindades femininas conhecidas.

Termo, conceito e estudos sobre o matriarcado

Matriarcado

O termo matriarcado vem do grego, pela junção entre as palavras metéros (mãe) e arché (origem). É comum uma certa confusão com outros termos parecidos: matrilinearidade e matrifocalidade. O primeiro é uma organização na qual a linhagem segue a linha materna; já o segundo, por sua vez, é um conceito que qualifica um grupo doméstico que tem a mãe como centro, enquanto a figura do pai ocupa um papel secundário.

Uma sociedade matriarcal englobaria os dois conceitos, entre outros.

No século XIX, Johann Jakob Bachofen, um antropólogo suíço, escreveu um estudo monumental, utilizando fontes documentais e arqueológicas, no qual defendia a tese de que a maternidade é a origem de todas as sociedades humanas. Sua pesquisa precursora sobre matriarcado influenciou toda uma geração de estudiosos, deixando as portas abertas para mais descobertas dentro desse campo.

Dentre as figuras ilustres que seguiram esse caminho estão: Arthur Evans, arqueólogo britânico responsável por descobrir os restos da Civilização Minoica, na Ilha de Creta, na Grécia; Jane Hellen Harrison, britânica pioneira nos estudos sobre a Mitologia Grega; e Marija Gimbutas, arqueóloga lituana que pesquisou o culto a deusa Mãe e a substituição do matriarcado pelo patriarcado.

Gimbutas é a responsável pela Hipótese Kurgan, uma teoria desenvolvida para explicar o local de origem dos povos falantes do proto-indo-europeu, uma língua hipotética que seria a ancestral de todas as línguas europeias atuais. Nessa teoria, Gimbutas afirma que a expansão da cultura Kurgan, povos guerreiros que partiram das estepes da atual Rússia para o restante da Europa, pôs fim ao matriarcado no continente.

De fato, as civilizações antigas têm em suas mitologias vários exemplos de guerras entre deuses masculinos e deusas femininas, tais como Apolo contra Píton na Grécia e Marduk contra Tiamat na Babilônia. Os deuses masculinos sempre saem vitoriosos.

Mito ou realidade?

Nas últimas décadas, alguns acadêmicos começaram a questionar a ideia de sociedades matriarcais antigas. Para esses estudiosos, o matriarcado não passa de um mito. A própria hipótese Kurgan, amplamente aceita no passado, tem sido questionada em face a novas descobertas arqueológicas.

Exemplos

Embora não exatamente matriarcais, existem dois grupos que adotaram um estilo de vida baseada na matrilinearidade, algo bem diferente da realidade social do país em que vivem. Confira quais são, abaixo:

Minangkabau

Matriarcado

Os Minangkabau são um grupo étnico nativo do planalto da Sumatra Ocidental, na Indonésia. Sua cultura é matrilinear, com a transmissão da propriedade e da terra de mãe para filha. Entretanto, as questões políticas e religiosas são áreas masculinas (embora algumas mulheres também desempenhem papeis importantes nessas áreas).

Sua população é de, aproximadamente, 4 milhões, vivendo na Sumatra Ocidental, e de, aproximadamente, 3 milhões vivendo dispersos por muitas cidades e vilas da Indonésia e da Malásia.

Povo Mosuo

Matriarcado

Pequeno grupo étnico (aproximadamente 50 mil pessoas) que vive na China, próximo à fronteira do Tibete. Esse grupo também vive em uma sociedade matrilinear, na qual a mulher tem como obrigação as questões familiares e a liberdade nas questões sexuais.

Conclusão

O fato é que não se sabe exatamente quando ou onde se deu a transição entre as sociedades matriarcal e patriarcal. O mais provável é que tenha sido um processo gradual, ocorrido em lugares e épocas diferentes.

Apesar disso, por mais dominante que o patriarcado possa ter se tornado, é interessante notar como ainda existem grupos que conseguem romper com essa tradição.

6 Sociedades Modernas Onde as Mulheres Governam

Daniel Berehulak / Getty Images
DANIEL BEREHULAK / GETTY IMAGES

Quem controla o mundo? Nestas seis sociedades: meninas.

Por definição padrão, um matriarcado é uma “família, grupo ou estado governado por uma matriarca (uma mulher que é chefe de família ou tribo)”. Desde então, antropólogos e feministas criaram classificações mais específicas para as sociedades femininas, incluindo o sistema matrilinear. A matrilinearidade refere-se não apenas ao traçar a linhagem de alguém através da ancestralidade materna, mas também pode referir-se a um sistema civil no qual a pessoa herda a propriedade através da linha feminina. Enquanto as lendárias Amazonas (provavelmente o matriarcado mais conhecido) são relegadas à mitologia, há um punhado de sociedades lideradas por mulheres que prosperam no mundo real hoje.

1. MOSUO

Vivendo perto da fronteira do Tibete nas províncias de Yunnan e Sichuan, os Mosuo são talvez a mais famosa sociedade matrilinear. O governo chinês os classifica oficialmente como parte de outra minoria étnica conhecida como Naxi, mas os dois são distintos em cultura e idioma.

Os Mosuo vivem com a família extensa em grandes famílias; na cabeça de cada um é uma matriarca. A linhagem é traçada através do lado feminino da família e a propriedade é passada ao longo da mesma matrilina. As mulheres de Mosuo geralmente lidam com decisões de negócios e os homens lidam com política. As crianças são criadas nos lares da mãe e levam o nome dela.

Os Mosuo têm o que é chamado de “casamentos a pé”. Não há instituição de casamento, mas sim mulheres escolhem seus parceiros literalmente caminhando até a casa do homem e os casais nunca moram juntos. Já que as crianças sempre permanecem sob os cuidados da mãe, às vezes o pai pequeno papel na educação.Em alguns casos, a identidade do pai nem é conhecida.Em vez disso, as responsabilidades infantis do homem permanecem em sua própria casa matrilinear.

2. MINANGKABAU

Em quatro milhões de pessoas, os Minangkabau de West Sumatra, na Indonésia, (foto acima, durante um período de safra celebratino)  são a maior sociedade matrilinear conhecida atualmente. Além da lei tribal exigindo que toda a propriedade do clã seja mantida e legada de mãe para filha, os Minangkabau acreditam firmemente que a mãe é a pessoa mais importante da sociedade.

Na sociedade de Minangkabau, as mulheres geralmente dominam o reino doméstico enquanto os homens assumem as funções de liderança política e espiritual. No entanto, ambos os gêneros sentem que a separação de poderes os mantém em pé de igualdade. Após o casamento, toda mulher adquire seu próprio quarto de dormir. O marido pode dormir com ela, mas deve sair de manhã cedo para tomar café da manhã na casa de sua mãe. Aos 10 anos, os meninos deixam a casa da mãe para ficar no alojamento dos homens e aprender habilidades práticas e ensinamentos religiosos. Enquanto o chefe do clã é sempre homem, as mulheres escolhem o chefe e podem removê-lo do cargo, caso sintam que ele não cumpriu suas obrigações.

3. AKAN

O povo Akan é uma maioria em Gana, onde residem predominantemente. A organização social Akan é fundamentalmente construída em torno da matriclan, onde a identidade, herança, riqueza e política são determinadas. Todos os fundadores da matriclan são mulheres, mas os homens tradicionalmente ocupam posições de liderança dentro da sociedade. Esses papéis herdados, no entanto, são transmitidos matrilinearmente – ou seja, através das mães e irmãs de um homem (e seus filhos). Muitas vezes, espera-se que o homem não apenas apóie sua própria família, mas também as de seus parentes femininos.

4. BRIBRI

Os Bribri são um pequeno grupo indígena de pouco mais de 13.000 pessoas que vivem em uma reserva no cantão de Talamanca, na província de Limón, na Costa Rica. Como muitas outras sociedades matrilineares, os Bribri são organizados em clãs. Cada clã é formado por uma família extensa e o clã é determinado pela mãe / fêmea. As mulheres são as únicas que tradicionalmente podem herdar terras. As mulheres também são dotadas com o direito de preparar o cacau usado nos rituais sagrados de Bribri.

5. GARO

Assim como seus vizinhos Khasi no estado de Meghalaya, no nordeste da Índia, os Garos que falam Tibeto-Burman passam pela propriedade e sucessão política de mãe para filha – normalmente, a filha mais nova herda a propriedade de sua mãe. Muito parecido com o Akan, no entanto, a sociedade é matrilinear, mas não matriarcal: os homens governam a sociedade e administram a propriedade.

Muitas vezes, o casamento da filha mais nova é organizado para ela. Mas para filhas não herdadas, o processo pode ser muito mais complexo. Na tradição de Garo, espera-se que o futuro noivo fuja de uma proposta de casamento, exigindo que a futura noiva capture-o e devolva-o à vilania da noiva em potencial. Esse vai-e-vem é repetido até que a noiva ou desista, ou o noivo aceita sua proposta (muitas vezes depois que ela fez muitas promessas de servir e obedecê-lo). Uma vez casado, o marido mora na casa de sua esposa. Caso não funcione, o sindicato é dissolvido sem estigma social, pois o casamento não é um contrato obrigatório.

6. NAGOVISI

Os Nagovisi vivem em South Bougainville, uma ilha a oeste da Nova Guiné. A antropóloga Jill Nash relatou que a sociedade de Nagovisi foi dividida em duas metades matrilineares, que são então divididas em matriclans. As mulheres de Nagovisi estão envolvidas em liderança e cerimônias, mas têm o maior orgulho em trabalhar a terra que lhes é devida. Nash observou que, quando se trata de casamento, a mulher de Nagovisi fazia jardinagem e compartilhava a sexualidade com igual importância. O casamento não é institucionalizado. Se um casal é visto junto, dorme junto, e o homem ajuda a mulher em seu jardim, para todos os efeitos, eles são considerados casados.

Este post apareceu originalmente em 2012.