O que é ser uma sacerdotisa – A Sacerdotisa e o Sagrado Feminino

O que é uma sacerdotisa?

A Sacerdotisa é uma embarcação da Eternidade; uma serva da Deusa, da verdade, da beleza, da sabedoria, e um canal do Amor. Ela é uma mulher acordado em sua feminilidade e do poder da deusa em seu templo do corpo. Ela é uma ativista espiritual fazendo o trabalho do Divino no mundo. Um candidato, um místico, um poeta, um dançarino, um amante, um guerreiro, uma mãe, uma feiticeira, uma velha, a Sacerdotisa permite que todos os caminhos da Senhora de viver nela. Ela é uma força revolucionária de bondade e compaixão, força e coragem.

Dançando com os elementos, ela pratica o amor-próprio como uma devoção à Deusa. Ela escuta.Ela responde. Ela ainda em movimento e ao mesmo tempo é. De sua conexão com a Fonte, ela é um farol de espírito, e alma, irradiando bênçãos ao seu redor e animar qualquer ser que entra em contato com ela.

Todo mundo é o artista de suas vidas, e a Sacerdotisa é treinado para se tornar um artista de serviço devocional e cura. Ela está enraizada na sua relação interna com o espírito ea partir daí ela pode fazer um trabalho inspirado no mundo. A sacerdotisa pode ser um curandeiro, uma mãe dona-de-casa, um professor, um CEO, um eremita; a expressão particular de seu serviço é tão única como cada mulher no Caminho. Quando uma mulher recupera esse arquétipo, ela entra na intimidade seriamente brincalhão com os poderes que criam nossas vidas. Ela liberta-se da mente domesticados e perambula propositadamente nos confins do seu coração, deixando-a autêntica natureza guiá-la.

Um dos nomes da Deusa é: “Ela que ouve os gritos do mundo.” A Sacerdotisa ouve estes gritos, ela sente-los em seu corpo, indelevelmente gravado em suas células. A Sacerdotisa tem um senso inato de responsabilidade – literalmente a “capacidade de responder,” – que motiva a uma vida de serviço. Ela cultiva a sua vida como um místico prático, ser um líder por sua escolha radical para habitar plenamente sua natureza feminina. A Sacerdotisa é um pilar de apoio e um cálice de orientação quanto a humanidade escreve este capítulo seguinte da grande história.

O Caminho Sacerdotisa é uma viagem incomparável de crescimento pessoal e evolução espiritual. Ele vai abrir o portal do seu coração, aprofundar seu conhecimento de sua finalidade, e expandir sua realidade. O programa foi concebido como uma escola de mistério experiencial, com todos os estudos baseados na Tradição de Mistérios Ocidental e práticas xamânicas indígenas da Europa e das Américas. Esta é a educação que desenvolve o seu conhecimento intuitivo direto da fonte … é uma resposta ao convite selvagem das paisagens imaginárias onde a realidade é cantada em ser. Nós podemos desenvolver relação com a auto e a natureza de tal forma que possamos realizar plenamente nossa corporificação deste reino e vivê-la em nossas comunidades. Isto é onde a verdadeira magia acontece.

Uma sacerdotisa, no mínimo é uma mulher que oficia em ritos sagrados. Ela serve as necessidades espirituais da comunidade.

As sacerdotisas do passado observavam cuidadosamente os padrões e ritmos da natureza e dos cósmos. Em sintonia com os ciclos da terra, eles honraram a Grande Mãe Terra, A Grande Deusa realizando rituais sagrados em determinadas épocas respeitando e utilizando de transitos dos astros.   Elas conheciam profundamente a Terra e o Céu, pois em si era ativa um tipo de energia, o poder interno que ligava o Céu e a Terra dentro delas, primeiramente. As mulheres eram percebidas como uma personificação da Grande Mãe; A Grande Deusa e eram profundamente reverenciadas, honradas e celebradas, pois assim como a Terra, uma mulher também é capaz de gerar, sustentar e transformar vida dentro dela. Já na história tardia, sacerdotisas sumerias, pre incas e outras civilizações ancestrais das Americas central e sul, sacerdotisas egípcias, gregas, romanas e em alguns locais na europa, entre os Druidas, viveram em templos sagrados instruindo e realizando rituais abertos, mas também ocultos. Elas também adoravam a Grande Mãe, a Deusa em Suas muitas formas, Arquétipos do Feminino Sagrada. Eles também atendiam às necessidades espirituais da comunidade e, por isso também eram muito estimadas.  Assim como no fim de uma civilização antes da nossa, há uns 13000 anos atras, os homens, novamente, começaram a temer o poder das sacerdotisas e os círculos femininos liderados por elas, muitas vezes de forma secreta. Por isso, as práticas espirituais e místicas naturais das sacerdotisas eram vistas como más ou perigosas. Seu poder, muito mal compreendido, acreditava-se ser uma força sombria que precisava ser reprimida. Milhares de sacerdotisas foram perseguidas, mortas por suas crenças e práticas espirituais, mas principalmente desacreditadas. Aquelas que conseguiram escapar da morte fugiram de seus templos sagrados e se esconderam.

Hoje, em meio a um grande período de patriarcado, uma sacerdotisa ‘necessária’ está emergindo. Ela traz para os tempos atuais a sabedoria antiga rica em imensidão, integrando os ensinamentos espirituais do passado, na verdade ensinamentos perenes, para o presente. A Sacerdotisa da atualidade, não precisa ficar confinada nas florestas e/ou templos, ela também pode ter uma vida social familiar e laboral convencional, apesar de não ser, no fundo, uma mulher nada convencional. Ela mantém uma profunda essência feminina, e sua missão é ajudar a trazer à fruição do poder vital espiritual do praticamente esquecido Divino Feminino. Intuitivamente, ela sabe não é necessário uma conversão a um matriarcado, mas uma transformação mais completa e mais harmoniosa do mundo. Uma sacerdotisa moderna, direciona sua energia para restaurar um equilíbrio natural e harmonioso entre os sexos, generos, mas entre diversos tipos de polaridade. Tecendo sua essência fluida dinamica com as energias do masculino fixo, ela ajuda a renascer a União e a Harmonia Sagrada.

As mulheres que escolheram seguir o caminho da sacerdotisa responderam a um chamado interior profundo. Ouvindo por dentro e ressoando apaixonadamente o antigo chamado da Grande Mãe, chegou um momento em que cada coração sabia com absoluta certeza … sim, é isso … O trabalho que devo fazer é o dela que devo fazer … o motivo pelo qual encarnei neste momento !Para mim, pessoalmente, a palavra real “sacerdotisa” sempre que pronunciada cria um zumbido interno extático, uma vibração familiar que foi / é de pura felicidade. Quão abençoado é ser tão claro quanto ao propósito de vida de alguém! Dito isto, também me sinto compelido a compartilhar o caminho da sacerdotisa, embora ricamente recompensador, não seja fácil. É um caminho que exige integridade profunda e tremenda dedicação.

Com coragem e graça, uma sacerdotisa moderna percorre as contínuas subidas e descidas da espiral da vida. Trabalho interior profundo e constante é uma obrigação. Confrontar, limpar e curar feridas passadas esvazia-a energicamente daquilo que não serve mais ao uso ou ao propósito. Indo para os reinos internos … momentos tranquilos de reflexão, oração, meditação … permitem que ela “veja” e “sinta” sua verdade mais claramente. Trabalho duro e perseverança trazem recompensas. Logo ela começa a se reconhecer como uma expressão única do rosto da Mãe Divina. Ela aprende a valorizar e honrar profundamente sua própria feminilidade. Ela se torna um vaso sagrado, mais capaz de manter um espaço sagrado para toda a humanidade.

Uma sacerdotisa é dedicada a servir a beleza, o amor e o espírito em toda a vida. Ela aprende a sintonizar e a trabalhar de maneira sagrada com todas as energias, principalmente as da natureza e dos elementos. Como uma dança fluida de fluxo e refluxo, uma sacerdotisa trabalha apaixonadamente para elevar a vibração do nosso mundo físico, impregnando-o de sacralidade. Iluminar tudo o que ela é e faz uma sacerdotisa experimenta grande alegria ao realizar cerimônias e rituais de inspiração divina. Freqüentemente comparada a um xamã, ela é capaz de se posicionar entre os mundos visível e invisível, residindo no vale de tensão enriquecida entre as duas dimensões. Uma Alta Sacerdotisa trabalha com frequências de energia ainda mais refinadas e sutis. Arquetipicamente falando, ela é uma emissária direta do Divino Feminino representado aqui na Terra.

A Alta Sacerdotisa), linhagem soberana para si mesma.