Os Anjos

Resultado de imagem para devas angelsAnjos

Fonte: Leah Shira –

Segundo o Ari, existem quatro campos de anjos.

O anjo Miguel – uma força de graça, renovação e defesa do mau olhado, a capacidade de despertar novamente. Este anjo pode ser ajudado a parar os fenômenos da velhice.

O anjo Gabriel – o poder do din – pressão positiva no campo do trabalho de reparação. Por exemplo: O anjo Gabriel é o anjo encarregado dos sonhos. Uma pessoa que tem um sonho terrível pode, como resultado, procurar respostas. O anjo Gabriel dá a Adam pistas para ver e entender o que precisa ser corrigido em sua vida.

Angel Uriel – Midline. “Uma pessoa que tenta melhorar com todas as suas forças e mudar sua vida para melhor, um anjo o ajuda e lhe dá uma nova oportunidade.

Anjo Rafael – poder de cura – o anjo da cura.

O anjo Metatron – (não recomendado pronunciar seu nome) – é o mensageiro das súplicas, súplicas e orações. A maioria das pessoas reza ao Criador com a intenção de persuadi-lo a mudar de idéia sobre nós e melhorar nossa situação. As orações são transmitidas acima pelo anjo Metatron, e elas se tornam um shofar nos mundos superiores. Angel M transforma os pedidos no lugar apropriado e é responsável por trazer nossas orações da estrutura de Malchut ao trono, sem intermediários.

Nosso anjo da guarda – um anjo especial que pode vir de uma encarnação anterior, de uma ação particularmente boa que fizemos, ou do mérito de nossos antepassados. Ele mantém nosso ritmo o tempo todo, todo o caminho.

Outras situações nos mundos superiores:
Caule – as almas dos justos que terminaram a correção e vieram ao mundo para nos ajudar nos momentos difíceis. Eles se conectam conosco em momentos difíceis e nos ajudam.

Obsessão – Chama a situação exatamente o oposto. Quando estamos num estado negativo, num estado mental difícil, sofremos de perturbações mentais graves, depressão, etc., uma alma negativa pode penetrar-nos. Busca o sofrimento para se corrigir, entra em uma pessoa em mau estado e lhe causa grande sofrimento.

Sienas – Este é um estado (ritual) no qual nós convidamos almas para alcançar o nosso mundo. As almas que convidamos podem ser pobres, inferiores, mesquinhas, perigosas e nem sempre querem sair. Eles podem ser percebidos como a pessoa com as defesas mais baixas (pessoa deprimida, etc.). Portanto, não é recomendado “jogar” em tais jogos.

Existe a possibilidade de “eliminar” os anjos do negro e das trevas por boas ações, doações e pelas forças da luz?
Se queremos proteção em nossas vidas, devemos fazer ações positivas e, assim, criar anjos de proteção. Atos de dar, ajudar os outros e devoção podem produzir poderosos anjos de luz para eliminar os anjos maus.

Há bons anjos criados por nossas ações e nos guiam e nos ajudam em nossas vidas diárias. Esses anjos são chamados de “Magid”. Existem “Maggids” que sentimos como sussurrando no ouvido, há “Maggids” que vieram atrasar ou dar um tapinha nas costas, e há “Maggids” que habitam dentro de nós para um certo trabalho,

OVNIs / alienígenas são seres de outros mundos, e o Zohar explica que existem sete camadas de realidade: os seres humanos estão no nível mais alto de todos, e o Zohar descreve em detalhes a aparência dos alienígenas e seu comportamento.

Leia mais:
O Livro do Zohar, Comentário sobre a Escada, vol.
Vol. 4, Parashat Vayera, seções 2 e 2.
Volume 9, Parashat Tetzaveh 22-27.
O portão da reencarnação do Ari
A luz escondida de. Buber

Anjos (na visão Judaica)

Fonte: https://www.rabbidavidcooper.com/

Anjos e demônios são como as forças de um ímã; eles são feixes de energia metafísicos invisíveis. Feixes de energia associados aos reinos de Deus são chamados de anjos, e aqueles com os reinos satânicos são chamados de demônios. 

Se segurarmos um ímã em uma mão e limalhas de ferro na outra, não poderemos ver nada saindo do imã. Mas, à distância certa, as limalhas de ferro literalmente parecem saltar de nossas mãos em direção ao imã.

Linhas de força eletromagnética sempre mistificaram os cientistas. Podemos medi-los, podemos nos aproximar de como eles se parecem, sabemos que há algo acontecendo que tem força e atração, mas é invisível e nem mesmo discernível a menos que tenhamos as ferramentas certas. Podemos colocar as mãos ao lado de um imã muito forte e nada acontece. Mas se tivermos uma pulseira de ferro presa ao nosso pulso, ela pode ser puxada pelo imã tão fortemente que não poderíamos afastar a mão.

Na realidade física, cada movimento que fazemos depende da energia eletromagnética. Nossas células são mantidas juntas por ela, as sinapses sobre as quais nossas mentes trabalham não poderiam funcionar sem ela. A gravidade é uma forma dessa energia. No reino metafísico, em vez de chamá-lo de eletromagnético, poderíamos chamá-lo de energia angelical-demoníaca. Todo movimento que fazemos é apoiado por um anjo ou demônio; Além disso, tudo o que fazemos cria novos anjos e demônios. Nesse contexto, os anjos não têm personalidades nem são entidades. Eles representam linhas de força, pacotes de energia como fótons de luz, nem onda nem partículas, e eles não podem ser distinguidos exceto através de resultados.

Quando eu bato minha cabeça, fui empurrado? Não. Nada fora de mim mesmo me empurrou. No entanto, eu me movi de maneira diferente do que normalmente faço porque normalmente não bato minha cabeça. Isso era um pacote de energia maliciosa? Não. Foi um demônio? Sim. Como os demônios funcionam? Um demônio é uma configuração de circunstâncias que acaba comigo batendo minha cabeça. Um conjunto de variáveis ​​combinadas é chamado de demônio quando ocorre um resultado inevitável.

Em qualquer ponto do caminho, no entanto, uma dessas variáveis ​​pode mudar. Eu poderia virar à direita e não à esquerda. Então, eu sentiria falta de bater na minha cabeça. Nesse caso, o turn foi um anjo. Eu simplesmente não percebo porque minha cabeça nunca foi esbarrada. Portanto, cada momento está repleto de condições que me aproximam de Deus e daqueles que me puxam para mais longe. Qualquer um desses, visto individualmente ou coletivamente, pode ser colocado na minha escala boa e má. Eu estou continuamente cercado por anjos e demônios.

ANJOS

O material de referência sobre anjos e demônios no misticismo judaico é extenso. Muitos detalhes contradizem um ao outro. Uma grande quantidade de informação é baseada na mitologia medieval, que foi influenciada por idéias de uma variedade de fontes que vão muito além da literatura tradicional.

Existem dezenas de arcanjos, incluindo quatro primários que são frequentemente identificados na tradição oral como Michael, Gabriel, Uriel e Rafael. Além destes, centenas de anjos são mencionados pelo nome em diferentes textos místicos. Muitos nomes de anjos começam com atributos que descrevem as qualidades do anjo e terminam em “el” ou “yah”, que são nomes de Deus. Mas a natureza dos anjos individuais nem sempre é clara. Gabriel significa “a força de Deus”, mas Gabriel também é chamado de anjo do fogo e anjo da guerra.

Raphael é geralmente conhecido como o anjo da cura, mas também é chamado o príncipe de Hades.

Liliel é o anjo da noite, mas Lilith – que também significa noite – é considerada o arco do diabo.

Miguel é o anjo da misericórdia e às vezes o anjo da oração; mas Sandalphon também é associado como o anjo da oração.

A tradição judaica descreve uma relação contraditória entre seres humanos e anjos. Os anjos têm inveja dos humanos porque nós humanos temos livre arbítrio e eles não. O midrash diz que os anjos debatiam se os seres humanos deveriam ou não ser parte da criação. O Anjo do Amor sentiu que seria uma boa idéia ter humanos nesta criação por causa de nosso potencial para expressar amor; O Anjo da Verdade opunha-se aos seres humanos porque tendemos a contar muitas mentiras.

Durante este debate, Deus exibiu exemplos de humanos para os anjos verem, mas apenas incluiu personagens bem conhecidos da tradição bíblica. É claro que, se no começo Deus tivesse revelado a verdadeira natureza dos seres humanos aos anjos, em vez de mostrar-lhes as maiores e mais justas pessoas, teria havido um alvoroço nos céus.

Em seguida, o Anjo da Terra se rebelou e não daria ao arcanjo Gabriel poeira para que Deus criasse a humanidade. O Anjo da Terra protestou que a terra física seria amaldiçoada e devastada por causa da falta de pensamentos humanos; insistiu que Deus assumisse a responsabilidade pessoal em vez de enviar um arcanjo como intermediário.

Esse midrash, com milhares de anos, revela paralelos entre as preocupações dos sábios antigos e dos ambientalistas modernos. No midrash, Deus teve que pegar a poeira usada para criar a humanidade diretamente da terra ao invés de enviar um anjo para fazê-lo, sugerindo uma aliança implícita oferecida por Deus de que a terra não seria destruída pela ignorância humana.

O Anjo da Torá argumentou com Deus, dizendo que os dias dos seres humanos estariam cheios de sofrimento e que seria muito melhor se os seres humanos nunca fossem trazidos à existência em primeiro lugar.

Em relação a essa alegação, Deus disse (prometeu) que os humanos resistiriam apesar das provações e tribulações da vida.

Deus revelou o futuro a Adão e Eva em um livro dado a eles no Jardim do Éden pela mão do anjo Raziel (segredos de Deus). Este livro continha conhecimento sagrado: 72 ramos de sabedoria que revelaram a formação de 670 inscrições de mistérios superiores. No meio do livro havia uma escrita secreta explicando 1.500 chaves do universo que não foram reveladas nem mesmo aos santos anjos.

Quando Adão e Eva obtiveram este livro, todos os anjos se reuniram para ouvi-lo ler. Quando a leitura começou, os anjos exaltaram Adão e Eva como se fossem Deus, e então o anjo Hadarniel foi secretamente enviado a eles para dizer: “Adão e Eva, não revelem a glória do Mestre, pois só para você e não para o anjos é o privilégio dado para conhecer essas coisas “.

Então, Adão e Eva mantiveram segredo e aprenderam para si mesmos mistérios desconhecidos até mesmo para os ministros celestes.

Quando Adão e Eva transgrediram o mandamento do Mestre em relação à Árvore do Conhecimento, o livro voou para longe deles. Adão ficou tão angustiado que entrou no rio Giom (um dos rios do Jardim) até o pescoço e ficou ali, de modo que seu corpo ficou enrugado e seu rosto abatido. (Nós não sabemos o que Eva estava fazendo durante este tempo.) Deus então fez um sinal para o arcanjo Rafael para devolver o livro, que Adão estudou para o resto de sua vida. Ele deixou para seu filho Seth, e passou através das gerações para Abraão. Ainda está escondido hoje, em algum lugar do mundo, para aqueles que sabem lê-lo.

Os anjos argumentavam que os seres humanos seriam uma desvantagem na criação, porque eles sempre estavam sujando as coisas. Se os anjos tivessem o seu caminho, os humanos estariam fora de cena e o universo funcionaria de maneira suave e previsível. Isso, claro, é precisamente o ponto. Qual seria o propósito de um universo totalmente previsível?

Zohar ensina que os anjos foram criados no momento em que Deus disse: “Haja luz, e houve luz”.

Em hebraico, lê-se como repetição: “haja luz; e haja luz”.

Uma interpretação mística disto é “que haja luz [consciência] no lado direito, o lado da bondade; e que haja luz [consciência] no lado esquerdo, o lado das trevas”. Esta interpretação é apoiada pela linha seguinte, que diz: “E Deus viu a luz [do lado direito], que era boa, e Deus dividiu a luz [da direita] da escuridão [da esquerda].”

Os anjos foram criados neste primeiro dia para ter uma existência permanente do lado da bondade. O rabino Eleazar diz que eles sempre continuarão brilhando tão intensamente quanto no primeiro dia.

Há um debate sobre o Anjo da Morte, no entanto. Um midrash diz que o Anjo da Morte (o lado sombrio) também foi criado no primeiro dia.

Zohar diz, no entanto, que a morte foi criada no segundo dia porque Gênesis omite para este dia as palavras “e Deus viu que isto era bom”, embora elas sejam mencionadas em todos os outros dias da criação.

A entrega da Torá aos seres humanos é descrita na tradição oral como extremamente ameaçadora para os anjos. Isso ocorre porque a Torá fornece informações ocultas e nomes secretos que dão poder aos humanos sobre os reinos angélico e demoníaco. O antagonismo dos anjos é revelado no conflito celestial que Moisés encontrou quando saiu para receber a Torá de Deus.

R. Eleazar disse: “Quando Moisés entrou na nuvem no Monte Sinai  ele foi recebido por um grande anjo, cujo nome era Kamuel, que estava encarregado de doze mil outros anjos. Ele [Kamuel] correu para se ligar a Moisés [e assim o dominou] Moisés abriu a boca, [e falou os] doze sinais [nomes de Deus] que foram ensinados e impressos [em Moisés] pelo Santo na sarça [em chamas].

[Como resultado] o anjo se afastou dele a uma distância de doze mil parasangs. “

Moisés continuou andando na nuvem e seus olhos brilhavam como brasas de fogo. Então outro anjo, mais eminente que o primeiro, cujo nome era Hadraniel (majestade de Deus), o encontrou. Este anjo é colocado acima de todos os outros anjos e seres celestiais por uma distância de 1.060 miríades de parasangs (25 milhões de milhas).

Sua voz penetra duzentos mil firmamentos cercados por um fogo branco.

Ao ver este anjo, Moisés ficou tão impressionado que não conseguiu falar nenhum dos nomes de Deus, e correu para se atirar da nuvem. Mas, o Santo disse-lhe: “Moisés, você falou sobre as coisas comigo na sarça [ardente], onde você ganhou conhecimento dos santos nomes secretos, e você não estava com medo. Agora você está com medo de algo que eu governo? ” Moisés foi fortalecido pela voz do Santo. Ele abriu a boca e falou o nome supremo de Deus, a setenta e duas letras.

Quando Hadraniel ouviu o santo nome falado por Moisés, aproximou-se e disse-lhe: “Louvado seja o distinto Moisés”. Tornou-se aparente a Hadraniel o que os outros anjos não viram. Então ele juntou-se a Moisés e eles foram juntos até encontrarem um anjo cujo nome é Sandalphon. Sandalphon é removido de todos os outros anjos por uma distância de quinhentos anos. Este anjo está por trás da cortina de seu mestre e tece uma coroa a partir dos pedidos de orações. Em um certo momento, esta coroa se ergue por si mesma e passa pelo Trono da Glória para se estabelecer em seu lugar [na cabeça de Deus], ​​momento em que todas as hostes celestes tremem e dizem: “Bendito é a glória de Deus em seu lugar “.

Hadraniel disse a Moisés: “Moisés, não posso ir com você, com medo de ser queimado no duro fogo de Sandalphon”. Um grande tremor veio a Moisés neste momento. Ele passou correndo por Sandalphon e atravessou Rigyon, a corrente de fogo que queima (purifica) anjos, que mergulha nela toda manhã e sobe novamente. O riacho está sob o Trono da Glória e é produzido pelo suor do sagrado hayyot (anjos superiores) que se afligem por medo de Deus. Neste ponto, Moisés conheceu o anjo Gallizur, que é chamado Raziel. Este anjo também habita atrás da cortina e vê e ouve tudo.

Agora Moisés chegou aos Anjos do Terror, que cercam o Trono e são os mais poderosos dos anjos. Mas Deus disse a Moisés que se agarrasse firmemente ao Trono para que nenhum dano lhe ocorresse. Assim, o Santo aproximou Moisés e ensinou-lhe a Torá por quarenta dias.

Essa descrição da jornada de Moisés aos mais elevados reinos nos dá a sensação de que existem níveis e níveis de forças angélicas, cada uma delas cada vez mais fantástica em sua dimensão.

Também sugere que Moisés tinha a capacidade de transcender até mesmo o mais imponente anjo, Sandalphon, para se sentar e ser instruído diretamente por Deus. Sandalphon é considerado o “irmão” de Metatron, que é o chefe de todos os anjos. Metatron é associado com Enoch e Sandalphon com Elijah. Tanto Enoque quanto Elias estão incluídos entre os poucos mortais que nunca morreram.

….

Os judeus acreditam nos anjos – entidades espirituais que existem para realizar a vontade de D’us (a palavra hebraica para anjo, ” malach ” , também significa “mensageiro”) – as Escrituras contêm muitas referências a tais seres supernos.

Mas a idéia popular de anjos da guarda privados e pessoais não faz parte da teologia judaica.

Em vez disso, acreditamos em um D’us pessoal que constantemente cuida de todos e de cada um de nós e de toda a criação. Na ocasião, Ele pode enviar um anjo para nos ajudar ou nos salvar, mas o anjo é meramente seu emissário.

Contudo, nossos sábios nos dizem que cada mitzvah que fazemos cria um anjo que serve como escudo e proteção para nós. Depois da nossa morte, esses anjos testificam em nosso nome perante os tribunais celestes.

Então, nesse sentido, criamos nossos próprios anjos da guarda.

Chaya Sarah Silberberg,

Ilustração de Digitas da árvore de Kabbalah da vida.Os anjos na árvore da vida da cabala

Imagem relacionada

A Cabala examina as origens da criação. Na Cabala, Deus é referido como o Ein Sof ; significando o Ser que não tem fim. No ato da criação, Deus fez algo muito finito a partir do infinito. Textos cabalísticos falam de uma contração gradual – ja alguns outros falam que seria uma especies de alto quântico – do Poder Divino enquanto fluía para este mundo finito, eventualmente alcançando um ponto de completa ocultação neste mundo, Esse salto quântico – salto de estados – de infinito para finito foi chamando de Tzimtzum (contração).

Tzimtzum criara o vácuo no qual a criação finita poderia acontecer, mas ela acontece em diferentes estágios de ordem da criação.

Deus revelou pela primeira vez a Luz Infinita e através de um processo de Tzimtzum, revelou a Luz Finita. O propósito da criação é Dirah BeTachtonim (uma morada para Deus no mundo inferior – o  propósito da criação de criar uma morada para Deus neste reino inferior). Para cumprir este propósito, duas coisas eram necessárias: a criação de um mundo inferior e a capacidade do mundo inferior de ser absorvido dentro do Divino. Deus deseja que uma pessoa viva dentro deste mundo e esteja acima dele ao mesmo tempo. Nas atividades mundanas de negócios, alimentação, etc., deve-se “conhecer D’us em todas as suas maneiras”. Nas atividades espirituais, a pessoa fica acima da criação quando ora ou aprende sabedoria. O propósito da criação é a fusão dos dois.

Tetragrama, Mundo, Sefirah , Construtor

Em relação aos Anjos, Arcanjos e afins: O mundo de Beriah assume a manifestação inicial das Sefirot em Atzilut e cria com elas alguma forma de existência que começa a adquirir independência. Embora em Atzilut haja total “anulação” ( Bittul ), nada existe independentemente.

O que é sentido em Beriah é também o Divino, no entanto, ao contrário de Atzilut , em Beriah há algo fora de Deus que está sentindo-o, enquanto ainda está sendo totalmente anulado. É por esta razão que o mundo de Beriah é chamado o mundo do “Trono Divino” – Kisei Hakavod. Em essência, um trono é uma cadeira sobre a qual o homem abaixa sua postura. Assim também, o Trono Divino é a idéia do próprio Divino se abaixar para entrar em contato com os mundos. Essa diminuição da postura ocorre no mundo de Beriah .

É também no mundo de Beriah que encontramos a criação das almas e dos anjos mais elevados. Anjos (Malachim) não são criaturas de asas brancas que voam pelo céu. Pelo contrário, eles podem ser concebidos como condutores para o fluxo de energia divina. Eles agem como agentes através dos quais as energias fluem para este mundo. Os anjos no mundo de Beriah são chamados Seraphim, da palavra hebraica Seraiphah (um fogo). Esses anjos são tão infundidos com o sentimento de que “se queimam”. Isso não deve ser tomado no sentido literal, mas que eles estão tão próximos de Deus que não podem suportar a intensidade e estão em um estado constante de espiritualidade, êxtase. O mundo de Beriah é também o lugar do Jardim do Éden superior, que é uma morada para almas que mereceram entrar neste reino mais sublime como recompensa por seus esforços neste mundo.

Skeeg / Getty Images

Beleza

Tiphareth (beleza) apresenta Arcanjos Miguel e Rafael (trabalhando juntos). Este time angelical se junta a forças extremamente poderosas: Michael é o anjo superior de Deus, e Rafael é o principal anjo da cura. Ao expressarem a energia divina da beleza, ajudam as pessoas a penetrar em um nível mais elevado de consciência.

Eternidade

Netzach (eternidade) apresenta o Arcanjo Haniel . Como o anjo da alegria, Haniel expressa a energia eterna de Deus ajudando as pessoas a confiar em Deus (que é eternamente confiável) e não em suas emoções mutáveis, e iluminando as pessoas com insights que podem lhes trazer alegria em qualquer circunstância.

Glória

Hod (glória) apresenta Arcanjos Miguel e Rafael (trabalhando juntos). Assim como eles se associam para expressar a energia divina da beleza, Miguel e Rafael unem forças para expressar a glória de Deus, porque essa glória é bela. Juntos, esses grandes arcanjos lutam contra o pecado para garantir que o esplendor do projeto perfeito de Deus para a criação vença o pecado que tenta corromper esse desígnio glorioso. Michael e Raphael também ajudam as pessoas a descobrir e cumprir a gloriosa vontade de Deus para suas vidas.

A Fundação

Yesod (a fundação) apresenta o Arcanjo Gabriel . Como o anjo da revelação, Gabriel é um mestre comunicador, então Deus designou Gabriel para ser o responsável pela fundação da árvore. Nesse papel, Gabriel conecta as pessoas a Deus através de mensagens de fé e ajuda as pessoas a confiar em sua fé em Deus para fazer transições na vida.

O Reino

Malkuth (o reino) apresenta o Arcanjo Sandalphon. Como o anjo da música e oração, Sandalphon envia mensagens de um lado para o outro entre Deus e os seres humanos no reino de Deus. Os esforços de Sandalphon são projetados para manter a energia divina fluindo livremente, alimentando todas as partes do reino de Deus.

Kabbalah Tree of Life nomeia

 (Obs: os textos abaixo sao de abordagem judaica. Assim para entender e ampliar a percepção deve-se abstrair e ir alem das tradições e dogmas, respeitando a pluradidade da Sabedoria Perene)
Os Anjos
de: De Baruch S. Davidson (Rabino)Todos os anjos se enquadram em uma das dez categorias. A saber: Chayot Hakodesh, Ophanim, Erelim, Chashmalim, Serafim, Malachim, Elokim , Bene Elokim, Cheruvim e Ishim . Estas classificações referem-se ao grau de compreensão de D’us pelo anjo ; alguns têm uma compreensão maior de D’us e Seus caminhos do que outros.Funções de anjo
A palavra hebraica para anjo é ” malach ” , que significa mensageiro, pois os anjos são mensageiros de D’us para realizar várias missões. Todo anjo é “programado” para realizar certas tarefas; como Michael, que é enviado em missões que são expressões da bondade de D’us; Gavriel, que executa os julgamentos severos de D’us; e Rafael, cuja responsabilidade é curar. 9 Alguns anjos são criados para uma tarefa específica e após a conclusão da tarefa deixam de existir. De acordo com o Zohar 10 uma das tarefas dos anjos é transportar nossas palavras de oração e estudo de Torá antes do trono de D’us.Outro tipo de anjos são aqueles que são criados através das ações do homem. Nas palavras de nossos Sábios: “Aquele que cumpre uma mitsvá , adquire para si um único defensor dos anjos; aquele que comete uma transgressão adquire contra si um anjo acusador”. 11 Estes são formados a partir da energia (intelectual e emocional) que se investe no cumprimento de uma mitsvá, o estudo da Torá, ou na oração – ou, inversamente, a energia aplicada na execução de um pecado.De acordo com algumas escolas de pensamento, o termo anjo na literatura judaica também pode se referir às regras da natureza, que – embora sejam poderes aparentemente “naturais” – também são poderes dotados de dons; Seus mensageiros que realizam Sua vontade. 12Em nossas orações diárias, nos referimos às canções de louvor que os anjos cantam antes de D’us. Os anjos têm “turnos”, cantando em horas designadas do dia ou da noite. O tipo de louvor que eles cantam reflete o status espiritual do anjo em particular. O canto dos anjos é mencionado na história acima mencionada da luta de Jacó com o anjo, no final do qual o anjo pediu a Jacó que o libertasse “porque a aurora se levantou”. 13 De acordo com o Midrash , a angústia do anjo era porque sua mudança para cantar antes de D’us havia chegado. Da mesma forma, de acordo com o Midrash, quando Moisés passou quarenta dias estudando com D’us, ele sabia que hora do dia era baseada nas mudanças do canto dos anjos.
Assumindo a forma humana
Há algum debate entre os grandes filósofos judeus se os anjos que a Torá descreve como aparecendo na verdade assumiram uma forma física visível, 14 ou apareceram no curso de uma visão ou profecia espiritual – na qual os anjos apareciam como seres físicos. 15 De acordo com todas as abordagens, no entanto, ver um anjo requer percepção extra-sensorial, já que os corpos dos anjos não são compostos de todos os elementos básicos de um ser físico.Anjos vs. Humanos
Não obstante o grande nível espiritual dos anjos, a santidade da alma judaica substitui a do anjo. Apenas a alma judaica tem a capacidade de descer a este mundo físico e corpóreo e refiná-lo e elevá-lo. 16 Pois a alma divina do humano é uma “verdadeira parte de D’us Acima”, uma “peça” do Criador; em oposição aos anjos que são criações – embora muito sagrados.Isso se reflete no fato de que os anjos são unidimensionais: cada anjos tem uma forma específica de serviço divino. A alma humana, por outro lado, serve a D’us de muitas maneiras diferentes, expressando-se através do amor, admiração, etc.
No Tanya , 17 Rabi Schneur Zalman de Liadi escreve que ele ouviu de seus mestres que “se um anjo estivesse em pé na presença de um grupo de dez judeus, mesmo que não houvesse palavras de Torá [sendo discutido] entre eles, um terror e medo sem limites e infinitos cairiam sobre ele por causa da Presença Divina que habita sobre eles, que ele se tornaria totalmente anulado! “Além disso, os anjos não têm livre arbítrio e são pré-programados para servir a D’us, ao passo que ao humano é confiada a missão de servir a D’us – mas é dada a liberdade de escolher fazer o contrário. Como tal, as mitsvot realizadas pelo humano são de muito maior valor do que o serviço dos anjos, e o impulsionam a alturas espirituais infinitamente maiores, em oposição aos anjos que estão “presos” em um nível consistente de consciência espiritual.O Rabino Sholom DovBer de Lubavitch uma vez descreveu os sentimentos que experimentou enquanto recitava as orações diárias da manhã: “Quando recito a parte da oração que descreve o louvor que os anjos cantam antes de D’us, eu os invejo. Mas quando eu leio o Shema , o louvor que o judeu canta antes de D’us, eu me pergunto: ‘Para onde foram todos os anjos?’

 

NOTAS DE RODAPÉ

1

A primeira menção explícita de anjos na Torá é em Gênesis 16: 7 , quando um anjo apareceu a Agar quando ela estava fugindo da casa de sua ama Sarah. No Midrash, no entanto, os anjos aparecem muito antes na história. De acordo com os diferentes relatos midraséticos, os anjos foram criados primeiro no segundo ou no quinto dia da criação.

2

8:16, 10:13 e mais.

3

Gênesis 32:30 .

4

13:19

5

Tratado de Rosh Hashaná 1: 2.

6

É importante notar que somos desencorajados de pronunciar desnecessariamente os nomes dos anjos (a menos que sejam nomes judaicos comuns – como Michael e Gabriel). Quando D’us criou os anjos, Ele os instruiu a ir a uma pessoa que chamasse seu nome. Como tal, não queremos “perturbá-los” desnecessariamente (ver Taamei Hamitzvot do Arizal, fim de Parshat Vayechi).

7

Leis dos fundamentos da Torá 2: 7.

8

Zohar II, 43a tem uma lista ligeiramente diferente: Malachim, Erelim, Serafim, Chayot, Ophanim, Chashmalim, Elim, Elokim, Bene Elokim e Ishim .

9

Esses anjos acima mencionados são na verdade arcanjos, empregando incontáveis ​​anjos “subalternos” que os auxiliam no cumprimento de seus deveres.

10

Vol. Eu 23b.

11

Ética 4:11.

12

Guia para os perplexos 2: 6.
Essa visão não está em desacordo com a compreensão tradicional dos anjos como seres espirituais que existem em um plano diferente da realidade. De acordo com a Cabalá, todo ser físico e energia evoluíram – e são influenciados por – uma energia espiritual análoga. As forças da natureza são, portanto, chamadas anjos, referindo-se ao seu antecedente espiritual. Por exemplo, o poder de cura da natureza é chamado de “o anjo Rafael”, cuja responsabilidade é curar. Em alguns casos, o próprio antecedente espiritual, isto é, o anjo, “desce” para realizar seu trabalho e, em outras instâncias, trabalha através de um proxy. Likutei Sichos vol. 5 pp. 82-83.

13 Gênesis 32:27 .

14 Esta é a opinião de Nachmanides, Gênesis 18: 1 .

15 A opinião defendida por Maimonides, Guide for the Perplexed 2:42.

16

O Midrash relata um incidente que ocorreu durante os tempos de Enosh (neto de Adão), quando os anjos assumiram a forma humana e desceram a este mundo – numa tentativa de demonstrar como permaneceriam santos e espirituais e não seriam afetados pelas tentações deste mundo. Em vez disso, eles mergulharam nos níveis mais básicos e trouxeram o mundo para baixo com eles (ver comentários e Midrash em Gênesis 6: 4) .

17 Iggeret Hakodesh, epístola 23.

Sobre os Anjos – By Lazer Gurkow

Nossos sábios ensinaram que cada palavra de nossas orações convoca um anjo que a coleta, purifica e aperfeiçoa, e a apresenta a D’us. Se a palavra foi enunciada indevidamente, o anjo a remolda para que seja apresentada corretamente. Se foi dito sem atenção correta, ou pior, se foi cantado com pensamentos inapropriados, o anjo remove o pensamento perdido e apresenta a oração a D’us em forma pura. Se foi dito em outra língua que não o hebraico, o anjo a interpreta e a apresenta a D’us na Língua Santa.

Sabendo que cada palavra de nossa oração é examinada por um anjo por correção gramatical e por concentração adequada, serve para melhorar nossa atenção plena durante a oração. Nos inspira a estar atentos às palavras de nossa oração e a orar com completa devoção.

Anjos recém-nascidos
Anjos não são apenas convocados por nossas orações, mas realmente nascidos por eles. Os anjos não são apenas convocados por nossas orações, mas na verdade nascem por eles. Nossos sábios ensinaram que todo ato humano cria um anjo. Boas ações criam anjos que nos advogam no céu. Maus atos criam anjos que nos perseguem no céu.3 O Baal Shem Tov levou isso ao próximo nível e ensinou que não apenas nossos atos, mas as palavras que falamos também criam anjos. Nossas palavras de oração não apenas invocam anjos; eles criam anjos. Esses anjos não são apenas os portadores de nossas palavras; são nossas palavras.

Segue-se que esses anjos refletem a natureza das palavras das quais são gerados. Anjos nascidos da oração exuberante e devotada são vibrantes e robustos. Os anjos criados pela oração mecânica são sem brilho e letárgicos. A condição desses anjos transmite automaticamente a natureza de nossas orações. Se os anjos estão sem brilho, a esfera celeste sabe que oramos de cor. Se eles são robustos, os céus sabem que oramos com devoção.

Acompanhamento
Os anjos criados por nossos atos e palavras nos acompanham através da vida e, por sua própria presença, transmitem nossos atos. A pessoa comum não sente as miríades de anjos que acompanham a todos, mas o tsadic (santo, indivíduo espiritualmente sintonizado) está muito alerta para eles. Quando entramos na presença de um tsadic, o tsadic sente os anjos que nos acompanham, e pode discernir os anjos advogados dos promotores.

Conta-se a história de um homem que falava com desprezo do Baal Shem Tov. No dia seguinte, o Baal Shem Tov confrontou-o sobre sua calúnia. Chocado, o homem perguntou: “Quem te informou sobre minhas discussões particulares com meus amigos?” “Um anjo me disse”, respondeu o Baal Shem Tov. “Anjos não teriam dito a você”, rebateu o homem, “os anjos não fofocam”. “Este anjo faz”, respondeu o Baal Shem Tov. “Este foi o anjo criado por sua calúnia. Sua presença me informou de como ele foi criado.”

Protecção
É claro que não somos os únicos que despacham anjos em missões. D’us também.

“Quando crianças pequenas tropeçam, D’us coloca um travesseiro embaixo delas para amortecer sua queda …” Conta-se a história de um garotinho no Brooklyn, em Nova York, que tropeçou na varanda de sua casa e caiu no chão. Sua mãe, grávida na época, correu para levantá-lo e certificar-se de que ele estava bem. O Lubavitcher Rebbe, que passou naquele momento, notou o evento.

Mais tarde naquele dia, o Rebe se aproximou do pai do menino e pediu que ele entregasse uma mensagem. Por favor, peça a sua esposa que tome cuidado em seu estado atual, disse o Rebe, e não se apresse apressadamente. Assegure-lhe que, quando criancinhas tropeçam, D’us coloca um travesseiro embaixo delas para amortecer sua queda.

Todos nós experimentamos quase acidentes e evitamos estritamente tragédias. Nós pensamos que era uma questão de sorte, mas na verdade são os anjos criados por nossas boas ações que nos vigiam e nos protegem. Eles amortecem nossas quedas e nos guiam para fora do caminho do mal. Os pequenos milagres que eles realizam são onipresentes, mas os notamos com pouca atenção.

Mas tomar conhecimento deles pode fortalecer nosso relacionamento com D’us. O mero conhecimento desses milagres aumenta nossa gratidão a D’us. Refletir sobre eles engendra uma consciência constante de D’us, que envia anjos para nos conduzir à segurança e nos proteger de danos.

O que são arcanjos?

O termo “arcanjo”, que denota um anjo de alta patente que comanda outros anjos, na verdade não tem um equivalente hebraico nas Escrituras judaicas. O livro de Daniel , no entanto, menciona dois anjos pelo nome, Gabriel e Michael, e se refere a Michael como sar , que significa “príncipe” ou “ministro”. 1 O termo “ministro” parece uma descrição apropriada do que diferencia anjos como Michael e Gabriel dos anjos sem nome que encontramos em toda a Bíblia, a partir de Gênesis .Existem muitos tipos diferentes de anjos, cada um com uma missão e função específicas. Alguns anjos são criados para uma tarefa específica e, após a conclusão da tarefa, eles deixam de existir. Outros anjos, depois de completar sua tarefa, podem receber outro para fazer. Este é o caso dos anjos aos quais nos referimos como ministros ou arcanjos.Note que, ao contrário das pessoas, os anjos não podem multitarefas. É por isso que Deus teve que enviar três anjos separados para visitar Abraão – cada um foi encarregado de uma missão separada: um para trazer a Abraão a notícia do iminente nascimento de Isaque , um para derrubar Sodoma e outro para curar Abraão. 2E embora as pessoas possam ter múltiplos modos de servir a Deus – amor, admiração, etc. – quando se trata de anjos, cada um tem sua forma específica de serviço Divino que não muda.

Michael e Gabriel: fogo e água

No Midrash , Michael é chamado de “príncipe da bondade ( chessed ) e água” e Gabriel “o príncipe da severidade ( gevurah ) e fogo. 3 ”Assim, Angel Michael é enviado em missões que são expressões da bondade de Deus, e Gabriel naquelas que são expressões da severidade e julgamento de Deus.

No entanto, como explicamos anteriormente, os anjos não fazem multitarefa. Portanto, embora Michael possa ser o anjo principal ou “príncipe” de chessed , ele tem muitos subordinados, anjos que trabalham sob ele e representam um serviço de chessed . O mesmo vale para Gabriel e seu serviço Divino através da severidade.

Assim, Michael e Gabriel são referidos como “arcanjos”, uma vez que estão à frente desses diferentes grupos de anjos, que são conhecidos como “hospedeiros ( tzvah )”, “acampamentos” ( machaneh ) ou “banner” ( degel ). de anjos.

Paz no Céu e na Terra

Como os anjos são, por definição, absolutistas, é natural que seus diferentes modos de serviço entrem em conflito. Os sábios explicam que aludimos a isso todos os dias quando dizemos, na conclusão das orações de Amidá e Kaddish : “Aquele que faz a paz em seus céus, que Ele possa fazer a paz por nós e por todo o Israel ; e diga: Amém . ” 4

Estamos dizendo que, assim como D’us mantém a paz entre os anjos Miguel e Gabriel, embora eles representem modos opostos de serviço Divino (fogo vs. água), assim também Ele pode “fazer a paz por nós e por todo o Israel. ”

E para isso, dizemos um amável “Amém!”

 Sobre Anjos caidos no judaismo:

Aqui está um pouco sobre a natureza de Satanás no pensamento judaico:

Satanás é um verbo hebraico que significa “provocar” ou “opor” e é usado várias vezes na Bíblia como um verbo. A primeira instância está na história de Balaão , quando Balaão decide assumir a missão de amaldiçoar o povo judeu:

” A ira de D’us explodiu porque ele estava indo, e um anjo do Senhor estacionou-se na estrada para se opor a ele [tradução de Iatatan Io ], e ele estava montado em sua donzela, e sua dois servos estavam com ele. 1

Em outros casos, a palavra aparece como um substantivo, “um provocador”. Geralmente, o título aparece com o artigo definido – “o satanás” – o que significa que não é um nome próprio, apenas uma descrição do trabalho. Por exemplo, no livro de Jó , o satanás aparece como promotor antes de D’us:

“Agora chegou o dia, e os anjos de D’us vieram para ficar ao lado do Senhor, e o satan também veio entre eles …”

“Agora o Senhor disse ao satanás:” Você prestou atenção ao meu servo Jó? Pois não há ninguém igual a ele na terra, um homem sincero e reto, temente a Deus e evitando o mal. ”

E o satanás respondeu ao Senhor e disse: “Jó tem medo de D’us por nada? Você não fez uma sebe ao redor dele, de sua casa, e tudo o que ele tem por todos os lados? Você abençoou o trabalho de sua mãos, e o seu gado espalhou-se pela terra, mas agora, estende a tua mão e toca tudo o que ele tem, não te blasfemará diante do teu rosto?

Agora o Senhor disse ao satanás: “Eis que tudo o que ele tem está em vossas mãos; somente nele não estendese a vossa mão.” Agora o satanás deixou a presença do Senhor. ” 2

Desta passagem, vemos que D’us criou um anjo para desempenhar o papel de provocador; que ele é um mensageiro e subserviente de D’us. Ele não era um anjo caído nem foi enviado para o inferno, onde começou a lutar contra D’us; ele foi criado para ser Satanás. Nem Satanás passa seus dias atiçando as chamas do inferno com seu forcado. Ele é uma presença na terra com uma missão: provocar pessoas a desobedecerem a vontade de D’us.

De fato, a noção dualista de uma poderosa figura anti-D’us que luta com D’us pelo destino da raça humana é incompatível com a crença judaica. Não há poder do mal independente de D’us; do contrário, isso implicaria falta do controle e poder inclusivos de D’us. Para citar o livro de Isaías :

“… do lugar onde o sol nasce até o lugar onde se põe, não há nada além de Mim. Eu sou D’us, não há mais nada. [Eu Sou Ele] Que forma luz e cria trevas, Quem faz a paz e cria mal ; eu sou o D’us que faz tudo isso. ” 3

Obviamente, então, o satanás não é uma força autônoma que se opõe a D’us e recruta pessoas para sua milícia. Em vez disso, o satanás é uma entidade espiritual que é completamente fiel ao seu criador. Por exemplo, em relação à história bíblica da tentativa particularmente agressiva de satanás de seduzir Jó a blasfemar, o rabino Levi declara no Talmud :

“Satanás agiu por causa de D’us. Quando Ele viu como D’us estava tão focado em Jó, ele disse:” O Céu não permita que D’us esqueça o Seu amor por (nosso antepassado) Abraão ! “” 4

Zohar compara o satanás a uma prostituta contratada por um rei para tentar seduzir seu filho, porque o rei quer testar a moralidade e a dignidade de seu filho. Tanto o rei como a prostituta (que é dedicada ao rei) verdadeiramente querem que o filho permaneça firme e rejeite os avanços da prostituta. Da mesma forma, o satanás é apenas mais um dos muitos mensageiros espirituais (anjos) que D’us envia para realizar Seu propósito na criação do homem. 5

Esta não é a descrição completa do trabalho do satanás. O Talmud resume dizendo que o satanismo, o impulso para o mal (“yetzer ha-ra”) e o anjo da morte são uma e a mesma personalidade. 6 Ele desce do céu e se desvia, depois ascende e traz acusações contra a humanidade, e então executa o veredicto.

No entanto, a passagem acima mencionada no Zohar conclui que, se alguém não sucumbir à insistência da inclinação para o mal, ele é “dar energia para o outro lado”. Isso significa que um ato que desafie a vontade de D’us concede aquelas forças que escondem a presença de D’us – a Seu critério – força adicional para nos esconder ainda mais de D’us. Isso se apresenta como desafios internos e externos ainda maiores para alguém experimentar e se identificar com as verdades de D’us e da Sua Torá.

Um exemplo extremo disso seria o faraó, que escravizou o povo judeu no Egito. Embora D’us tenha dito a Moisés que ordenasse ao faraó que libertasse os israelitas , Ele declarou que “endureci seu coração e o coração de seus servos” 7 para finalmente punir os egípcios com as dez pragas. Como conseqüência de sua opressão e abuso anteriores da nação judaica, sua capacidade de abandonar seus maus caminhos tornou-se ainda mais difícil, a tal ponto que ele parecia ter perdido a livre escolha , e sua visão e capacidade de se arrepender estavam completamente prejudicadas. 8

Não há nada que possa, em última instância, impedir alguém que realmente procura retornar. 9 O Faraó também era, portanto, ainda capaz de superar esse bloqueio e, finalmente, de se arrepender, como discutido em detalhes em Por que o faraó foi punido? 10 Assim, mesmo quando alguém parece estar completamente possuído pelo satanismo – como retribuição divina por seus erros anteriores, não pela escolha de negociação com o diabo – ele ainda não é vendido, e pode superar seu instinto e impulso de agir satanicamente. Tornar-se completamente vendido sem esperança de redenção seria contraproducente da intenção de D’us, e não poderia existir.

Independentemente de onde você caiu, você nunca é vendido a essas forças impuras, e sua alma pode lutar livre e se comprometer a servir a D’us com sinceridade e paixão. O machado de remorso sincero pode derrubar qualquer muro, seja preexistente ou criado por suas ações, abrindo caminho para que você volte para o seu verdadeiro eu.

Anjos da guarda no hinduísmo

O que os hindus acreditam sobre os anjos da guarda

Hinduísmo dos milagres hindus

 

No hinduísmo, os anjos da guarda ajudam as pessoas a conseguir uma união mais próxima com todos e tudo no universo. Shefshef, domínio público

No hinduísmo, os anjos da guarda ajudam as pessoas a conseguir uma união mais próxima com todos e tudo no universo. Os hindus acreditam em um conceito diferente de anjos da guarda do que o encontrado em outras grandes religiões como o  judaísmo , o cristianismo e o islamismo .

Os hindus algumas vezes adoram os anjos da guarda. Enquanto muitas religiões do mundo dirigem o culto a um criador principal – Deus – e dizem que os anjos são servos de Deus que também adoram a Deus e não deveriam ser adorados por humanos, o hinduísmo permite a adoração de muitos tipos diferentes de deuses, incluindo aqueles que agem como anjos da guarda. .

Os seres divinos ou anjos do hinduísmo são de natureza espiritual, mas freqüentemente aparecem para as pessoas em forma material parecendo seres humanos. Na arte, seres divinos hindus são geralmente representados como pessoas especialmente belas ou bonitas.

Devas e o Atman

O anjo da guarda hindu é mais como um tipo de deus que combina duas forças espirituais diferentes: os devas e o atman.

Devas são deidades que ajudam a proteger as pessoas, oram pelas pessoas e promovem o crescimento espiritual de pessoas e outros seres vivos como animais e plantas. Os devas dão aos seres vivos que vigiam a energia espiritual, que inspira e motiva a pessoa, o animal ou a planta que está sendo cuidada, a compreender melhor o universo e a tornar-se um com ele. Devas significa literalmente “brilhantes”, e eles são pensados ​​para habitar o plano astral superior.

O atman é uma centelha divina dentro de cada pessoa que age como um eu superior para direcionar as pessoas para níveis mais elevados de consciência. O atman, que representa a parte de cada pessoa que vive para sempre, apesar de mudar através de diferentes reencarnações (como uma alma em outras religiões), exorta as pessoas a se moverem em direção à iluminação e compreenderem o universo e se tornarem um com ele em unidade.

 Deuses, planetas, gurus e antepassados

Grandes deuses, deuses menores, planetas, gurus humanos e ancestrais podem desempenhar um papel protetor, como o de um anjo da guarda, durante períodos de crise ou estresse, durante a doença, em face do perigo físico, ou quando passam por desafios. na escola, na sua vida profissional ou nos seus relacionamentos. Os gurus humanos são mestres espirituais hindus que desenvolveram a divindade dentro deles. Gurus são frequentemente vistos como adivinhos e guias através desta vida.

Planetas, como Saturno, também conhecido como Sani , podem ser chamados para proteger os crentes. O planeta pode ser especialmente chamado para proteção se estiver em seu horóscopo.

Grandes deuses como o Deus Macaco Hanuman ou Krishna são populares como protetores em tempos de crise.

 

Meditação do Anjo da Guarda 

Os hindus geralmente meditam quando se comunicam com os anjos da guarda, refletindo sobre seus pensamentos e enviando-os para o universo ao invés de dizer orações verbais. Embora, às vezes, orem verbalmente aos seres angélicos.

Crentes hindus também enfatizam fazer sacrifícios para os principais deuses, a fim de obter a bênção s de anjos da guarda. O Bhagavad Gita, principal texto sagrado do hinduísmo, refere-se aos seres angélicos como semideuses ou deuses menores.

“Por este sacrifício ao Senhor Supremo os semideuses são propiciados; os semideuses sendo propiciados irão propiciar-se mutuamente e você obterá as bênçãos supremas.” – Bhagavad Gita 3:11

Variedades de Anjos e Demônios nas Religiões do Mundo

https://www.britannica.com/

Seres intermediários entre os reinos sagrado e profano assumem várias formas nas religiões do mundo: seres celestes e atmosféricos; diabos, demônios e espíritos malignos; fantasmas, ghouls e goblins; e espíritos da natureza e fadas.

No zoroastrismo, judaísmo, cristianismo e islamismo
Nas religiões ocidentais, que são monoteístas e vêem o cosmos como um universo tripartido, anjos e demônios são geralmente concebidos como espíritos celestes ou atmosféricos. Na piedade popular dessas religiões, no entanto, há uma crença generalizada em fantasmas, ghouls, goblins, demônios e espíritos malignos que influenciam os seres humanos em suas condições e atividades terrestres. Os seres celestes podem ser benevolentes ou malévolos, dependendo de seu próprio relacionamento com o Ser Supremo. Por outro lado, os demônios e espíritos malignos que geralmente influenciam os seres humanos em seu papel de seres terrestres (e não em seu destino como seres supraterrestres) são vistos na piedade popular – e de alguma forma na reflexão teológica – como mal intencionados.

Anjos são geralmente agrupados em ordens de quatro, seis ou sete nos primeiros escalões, dos quais pode haver vários. O uso de quatro, que simbolicamente implica perfeição e está relacionado aos quatro pontos cardeais, é encontrado no judaísmo, cristianismo e islamismo. O zoroastrismo primitivo, muito influenciado pelas ciências astronômicas e astrológicas do antigo Irã , coordenou o conceito das sete esferas planetárias conhecidas com sua crença no heptad (agrupamento de sete) de seres celestes – isto é, o amesha spentas de Ahura Mazda : Spenta Mainyu (o Espírito Santo), Vohu Mana (Boa Mente), Asha (Verdade), Ārmaiti (Mente Certa), Khshathra (Reino), Haurvatāt (Totalidade) e Ameretāt (Imortalidade). No Zoroastrismo posterior, embora não nos Gāthās (os primeiros hinos, que se acredita terem sido escritos por Zoroastro, no Avesta, as escrituras sagradas), Ahura Mazdā e Spenta Mainyu foram identificados uns com os outros, e os restantes imortais foram agrupados em uma ordem de seis. Em contraste com os imortais abundantes, que ajudaram a ligar os mundos espiritual e material juntos, foi a contrapartida do Espírito Santo , ou seja, Angra Mainyu, o Espírito do Mal, que mais tarde se tornou o grande adversário.Ahriman (o protótipo do satanás judeu, cristão e islâmico) e os daevas, que provavelmente eram deuses da religião indo-iraniana . Aliados com Angra Mainyu contra Ahura Mazda, foram Akōman (Mente do Mal), Indrā-vāyū (Morte), Saurva (um daeva da morte e doença), Nāñhaithya (um daeva relacionado ao deus védico Nāsatya), Tauru (difícil de identificar), e Zairi (a personificação de haoma, a bebida sagrada relacionada com os sacrifícios de ambos ahuras e daevas). Entre outras figuras demoníacas éAhshma (violência, fúria ou o impulso agressivo) – que pode muito bem ser o demônio Asmodeus do livro de Tobit, Az (Concupiscência ou Luxúria), Mithrāndruj (Aquele que Mithra fala ou Falso Discurso), Jah (o demônio Prostituta, criado posteriormente por Ahriman para profanar a raça humana), e muitos outros ( veja também zoroastrismo ).

A angelologia e a demonologia no judaísmo tornaram-se mais desenvolvidas durante e após o período do exílio babilônico (6º a 5º séculos AC ), quando contatos eram feitos com o zoroastrismo. Na Bíblia hebraica , Yahweh é chamado o Senhor dos Exércitos. Essas hostes (Sabaoth) são o exército celestial que luta contra as forças do mal e realiza várias missões, como guardar a entrada para o paraíso, punir os malfeitores, proteger os fiéis e revelar a Palavra de Deus aos humanos. Dois arcanjos são mencionados na Bíblia hebraica canônica: Miguel , o líder guerreiro das hostes celestes, e Gabriel , o mensageiro celestial. Dois são mencionados na Bíblia Hebraica apócrifa : Rafael, curador ou ajudante de Deus (no livro de Tobias), e Uriel (Fogo de Deus), o observador do mundo e a parte mais baixa do inferno (em II Esdras). Embora estes sejam os únicos quatro mencionados, sete arcanjos são notados em Tobias 12:15. Além dos arcanjos, havia também outras ordens de anjos, os querubins e serafins , que foram anotados anteriormente.

Sob a influência do zoroastrismo, Satanás, o adversário, provavelmente evoluiu para o arquidemon. Outros demônios incluíam Azazel (o demônio do deserto, encarnado no bode expiatório), Leviatã e Raabe (demônios do caos), Lilith (um demônio noturno feminino) e outros. Para se proteger dos poderes dos demônios e dos espíritos imundos, os judeus influenciados por crenças e costumes populares (como os cristãos posteriores) freqüentemente carregavam amuletos, encantos e talismãs com fórmulas eficazes ( ver também judaísmo ).

O cristianismo, provavelmente influenciado pela angelologia de seitas judaicas, como os fariseus e os essênios, bem como do mundo helenístico, reforçou e desenvolveu teorias e crenças em anjos e demônios. No Novo Testamento , os seres celestes foram agrupados em sete categorias: anjos, arcanjos, principados, poderes, virtudes, domínios e tronos. Além destes foram adicionados os querubins e serafins do Antigo Testamento , que com as outras sete fileiras constituíram os nove coros de anjos na posterior teologia mística cristã . Vários outros números das ordens de anjos foram dados pelos primeiros escritores cristãos: quatro, em Os Oráculos Sibilinos (um trabalho supostamente judeu que mostra muita influência cristã); seis, no Pastor de Hermas , um livro aceito como canônico em algumas igrejas cristãs antigas locais; e sete, nas obras de Clemente de Alexandria e outros grandes teólogos. Tanto na piedade popular como na teologia, o número geralmente foi fixado em sete. Os anjos que mais receberam atenção e veneração no cristianismo foram os quatro anjos mencionados no Antigo Testamento e nos Apócrifos. Michael tornou-se o favorito de muitos, e na prática de seu culto muitas vezes havia alguma confusão com São Jorge , que também era uma figura guerreira.

A Demonologia experimentou uma renovação no cristianismo que provavelmente teria sido aceitável no zoroastrismo. Satanás, o arquiinimigo do Cristo; Lúcifer, o portador da luz caído; e o originalmente cananeu Belzebu, o Senhor das Moscas (ou, talvez, Belzebu, o Senhor dos Estrume), mencionado por Jesus, são todos demônios. O conceito e termo demônio são derivados do conceito zoroastriano de daevas e da palavra grega daibolos (“caluniador” ou “acusador”), que é uma tradução do conceito judaico de Satanás. Como uma força demoníaca singular ou personificação do mal, o diabo. A principal atividade era tentar os humanos agirem de tal maneira que eles não alcançassem seu destino supraterrestre. Como se acreditava que os demônios habitavam terrenos baldios sem água, onde pessoas famintas e cansadas frequentemente tinham alucinações visuais e auditivas, os primeiros monges cristãos iam para os desertos para ser a vanguarda do exército de Deus ao se juntarem à batalha contra os demônios tentadores. Eles freqüentemente registraram que o diabo veio a eles em visões como uma mulher sedutora, tentando-os a violar seus votos para se manterem sexualmente puros, tanto fisicamente quanto mentalmente.

Durante certos períodos na Europa cristã, especialmente na Idade Média, a adoração de demônios e a prática de feitiçaria trouxe a ira da igreja e do povo sobre os suspeitos de praticar rituais diabólicos, como a massa negra . Uma fórmula da massa negra (a massa dita ao contrário e com um crucifixo invertido no altar) sobreviveu na magia popular: “hocus-pocus”, uma abreviação de “Hoc est corpus meum” (“Este é o meu corpo”). ), as palavras de instituição na Eucaristia, ou Sagrada Comunhão . Feitiçaria têm sido estreitamente associadas à demonologia no pensamento de Cristianismo , especialmente no Ocidente.

Na segunda metade do século 20, em conexão com um interesse renovado no sobrenatural, houve evidência de um renascimento do culto ao demônio e magia negra , embora isto fosse geralmente restrito a pequenos cultos que provaram ser bastante efêmeros .

Angelologia e demonologia no Islã está intimamente relacionado com doutrinas semelhantes em Judaísmo e Cristianismo. Além dos quatro tronos de Allah, quatro outros anjos são bem conhecidos: Jibrīl (Gabriel), o anjo da revelação; Mīkāl (Michael), o anjo da natureza, fornecendo comida e conhecimento aos humanos; ʿIzrāʾīl, o anjo da morte; e Isrāfīl, o anjo que coloca a alma no corpo e toca a trombeta do Juízo Final . Os demônios também lutam pelo controle das vidas humanas, sendo os mais proeminentes os Iblis (o Diabo), que tentam os humanos, ou Shayṭan, ou Satanás.

Nas religiões do Oriente

Como observado anteriormente, a função dos anjos nas religiões orientais era levada por avatares, bodhisattvas e outros seres espirituais que eram extensões de Deus ou do sagrado. A crença em demônios era e é muito difundida, influenciando vários rituais e práticas para neutralizar as forças que são hostis aos seres humanos e à natureza. Em Hinduísmo os asuras (o Zoroastrismo ahuras) são os demônios que se opõem aos devas (os deuses). Ambos competiam pelo homa , ou a amrita (a bebida sagrada que dá poder), mas o deus Vishnu (o preservador), encarnado como uma mulher bonita (Mohini), ajudava os deuses para que eles só pudessem beber a amrita , dando assim eles poder sobre os demônios. Entre as várias classes de hindus asuras (demônios) são nagas (demônios da serpente), Ahi (o demônio da seca) e Kamsa (um arquidemon). Demônios que afligem os humanos incluem os rakshasas , seres grotescos e hediondos de várias formas que assombram cemitérios, impelem as pessoas a realizar atos tolos e atacam os sadhus (pessoas santas), e Pishachas, seres que assombram lugares onde ocorreram mortes violentas. Os budistas freqüentemente vêem seus demônios como forças que inibem seres humanos de alcançar o nirvana (felicidade ou a extinção do desejo). Incluídos entre esses seres estão Mara, um arquétipo que, com suas filhas, Rati (Desejo), Raga (Prazer) e Tanha (Inquietude), tentaram dissuadir Siddhārtha Gautama, o Buda, de alcançar sua Iluminação. Como Mahayana (Grande Veículo) Budismo se espalhou para o Tibete, China e Japão, muitos dos demônios das religiões populares destas áreas foram incorporadas crenças budistas.

Os demônios de As religiões chinesas, guei-shen , se manifestam em todos os aspectos da natureza. Ao lado desses demônios da natureza existem goblins, fadas e fantasmas. Como se acreditava que os demônios evitavam a luz, os chineses que eram influenciados pelo taoísmo e pelas religiões populares usavam fogueiras, fogos de artifício e tochas para afastar os gueiAs religiões japonesas são semelhantes às religiões chinesas na multiplicidade de demônios com os quais os humanos devem lutar. Entre os mais temíveis dos demônios japoneses estão os oni, maus espíritos com muito poder, e os tengu , espíritos que possuem seres humanos e que geralmente devem ser exorcizados pelos sacerdotes.

 

Nas religiões não-letradas

Os seres espirituais das religiões não-letradas da Ásia, África, Oceania e das Américas são geralmente vistos como malévolos ou benevolentes de acordo com as circunstâncias e não por causa de sua natureza inerente . Exu , um deus dos iorubás da Nigéria, por exemplo, é visto como um espírito protetor e benevolente, assim como um espírito com um poder maligno que pode ser direcionado para os inimigos. Esses seres possuem o que é chamado mana (poder sobrenatural), um termo melanésio que pode ser aplicado tanto a espíritos como a pessoas de status especial, como chefes ou xamãs . Nas religiões não-letradas, os espíritos da natureza são geralmente venerados em troca de certos favores ou para evitar catástrofes, muito à maneira da religião da Roma antiga. Deuses ancestrais abundam e, portanto, os fantasmas dos mortos devem ser aplacados, muitas vezes com a realização de ritos elaborados.

> Meditação  para os Anjos estarem sempre presentes

Prática de meditação / oração uma chamada Meditação Arcanjo. Nele, nos cercamos ou alguém que nos é querido com energia angélica com o propósito de proteção e cura. Logo depois da nossa conversa, o filho teve que ser colocado em coma induzido para que pudesse ficar quieto e sem dor, na esperança de que o inchaço fosse reduzido.

MEDITAÇÃO DE ARCANJO

Todas as noites, as tradicionais orações judias da hora de dormir incluem a seguinte invocação: “Que Miguel esteja à minha direita, Gabriel à minha esquerda, Uriel na minha frente, Rafael atrás de mim e acima da minha cabeça, a Shekhina – a Divina Presença”. Esta é uma das meditações favoritas da minha congregação; Funciona bem para adultos e crianças. Como meditação, pode ser usada para desenvolver uma sensação de proteção, conforto, cura e segurança. É um dos poucos exercícios de meditação recomendados na hora de dormir.

Quando chamamos os anjos para estarem conosco, usamos um recurso infinito de boa vontade. É como se estivéssemos nos conectando ao núcleo magnético da Terra para nos mantermos centrados. Arcanjos representam o centro de Deus do universo; Eles tiram alimento de seu suprimento infinito. Os únicos impedimentos para se conectar com essa energia são a dúvida e o cinismo. Se pudermos reconhecê-los à medida que surgirem em nossas mentes e encontrarmos cubos apropriados nos quais mantê-los em reserva para os momentos em que forem úteis, podemos nos beneficiar instantaneamente do sentimento de presença angélica.

1. Tente encontrar um lugar calmo onde você não será perturbado por 20 a 30 minutos. Esta meditação pode ser feita na cama à noite, quando adormece. Feche os olhos, relaxe o corpo e respire normalmente. Permita que sua atenção se concentre na experiência de seu corpo e nos movimentos de seu tórax e estômago ao redor de sua respiração.

2. Deixe-se imaginar que você pode sentir uma presença ao longo do lado direito do seu corpo e do lado direito do seu rosto. Pode parecer uma pressão sutil, um formigamento, uma vibração, calor, frescor ou alguma outra sensação. Se você não consegue sentir nada, simplesmente pense que algo está ao seu lado, quase tocando no lado direito.

3. Dê a esta experiência do lado direito o nome de Michael. O arcanjo Miguel é frequentemente visto como o mensageiro de Deus. O que quer que isso signifique para você, finja que o mensageiro de Deus está totalmente presente em seu lado direito. Seja com essa experiência por um tempo.

4. Quando estiver pronto, deixe-se imaginar outra presença no seu lado esquerdo. Sinta a pressão, assim como à sua direita. Este é o arcanjo Gabriel, que é conhecido por representar a força de Deus. Você pode experimentar os dois lados simultaneamente. O mensageiro de Deus à sua direita, a força de Deus à sua esquerda. Fique com essa experiência por um tempo.

5. Permita-se sentir algo atrás de você, em qualquer lugar ao longo do traseiro, particularmente apoiando-o enquanto está sentado ou deitado. Imagine isso é parte do que está te segurando. Este é o arcanjo Rafael, geralmente conhecido como o poder de cura de Deus. Agora você pode fazer todos os três simultaneamente. Michael o mensageiro à direita; Gabriel a força do lado esquerdo; Raphael, o curandeiro te apoiando por trás.

6. Em seguida, com os olhos ainda fechados, imagine que uma luz está brilhando à sua frente na frente do seu rosto. Permitir que seja tão brilhante quanto possível. Este é o arcanjo Uriel, a luz de Deus. Agora você está cercado de quatro lados: um mensageiro, força, cura e luz.

7. Finalmente, imagine uma nuvem de luz enorme e benevolente pairando acima do seu corpo. A é a Shekhina, a presença feminina de Deus. Permita que a luz da Shekhina desça lentamente, envolvendo-o com amor, envolvendo-o com uma proteção terna, embalando-o no estado mental mais suave e mais calmo que você já experimentou. Cercado por anjos, você também está nos braços da infinita bondade, absoluta segurança e segurança.

8. Se você está na cama, esta é uma ótima maneira de adormecer. Se você estiver sentado, fique o tempo que desejar neste estado de espírito. Quando você estiver pronto para terminar a meditação, no entanto, não se levante abruptamente. É muito melhor se você for capaz de reverter o processo, permitindo lentamente que a Shekhina se levante novamente para pairar sobre sua cabeça. Em seguida, solte os anjos um por um, certificando-se de que eles não se afastem muito, mas que lhe dê liberdade de movimento. Mesmo que você deixe de ir ao estado meditativo, você provavelmente sentirá um resíduo dessa experiência quando começar a se movimentar.

Você pode praticar essa meditação quantas vezes desejar. Não podemos sobrecarregar a energia angélica, é sempre benéfica. Esta é uma ótima meditação para compartilhar com as crianças, especialmente na hora de dormir. A maioria das pessoas doentes obtém enormes benefícios dessa meditação guiada; você pode fazer isso em suas casas ou no hospital. Mas certifique-se de que a pessoa que está meditando não será perturbada por pelo menos vinte minutos, e mais importante, você deve ser bem treinado antes de oferecê-la aos outros. 

“Que Miguel esteja à minha direita, Gabriel à minha esquerda, Uriel na minha frente, Rafael atrás de mim e acima da minha cabeça, a Shekhina – a Divina Presença”.

Anjos na Theosophia

Fonte: https://blavatskytheosophy.com/

“Os ocultistas não aceitam a doutrina dos“ anjos da guarda ”, por razões até então totalmente explicadas, nestas páginas. Eles, no entanto, acreditam mais firmemente no espírito pessoal e divino no homem, a fonte de sua inspiração e todo o seu “anjo” e “guardião”. ” ~ HP Blavatsky ~

Não existe tal coisa como “anjos da guarda” ou “anjos protectores”. É o nosso EGO SUPERIOR que nos guarda e protege, na medida e no caminho, que o nosso próprio Karma individual – que é o produto da nossa própria fazendo – licenças.

Existe “uma série quase infinita de Hierarquias de Seres Sencientes” (Dhyan Chohans ou Anjos), mas “a individualidade é a característica de suas respectivas hierarquias , não de suas unidades ” (HP Blavatsky, The Secret Doctrine, vol. 1, p. 274, 275)

Nenhum indivíduo angélico individual possui quaisquer qualidades pessoais próprias, uma vez que superou e abandonou todos os elementos da personalidade em eras passadas, ao progredir da humanidade para a angelhood. Nenhum anjo pode ou pensa consigo mesmo: “Aquela pessoa está em apuros … eu vou intervir!” Ou “Essa pessoa está orando por um anjo para ajudá-lo … Eu responderei à sua oração e lhe darei o que ele quer!”

Insinuar que um anjo tem o sentimento de personalidade e também a natureza emocional ou sentimental é simplesmente ridícula do ponto de vista da lógica, filosofia e esoterismo.

Tais qualidades são características terrenas e humanas e não estão presentes nos Seres das Hierarquias Angélicas, uma vez que evoluíram muito além de tais coisas há muito tempo.

“Todo chamado ‘Espírito’ é um homem desencarnado ou futuro . Desde o mais alto Arcanjo (Dhyan Chohan) até o último “Construtor” consciente (a classe inferior das Entidades Espirituais), todos são humanos, tendo vivido há eons, em outros Manvantaras, nesta ou em outras Esferas; então os Elementais inferiores, semi-inteligentes e não-inteligentes – são todos humanos futuros . Só esse fato – que um Espírito é dotado de inteligência – é uma prova para o Ocultista de que aquele Ser deve ter sido um humanos e adquirido seu conhecimento e inteligência por todo o ciclo humano. ”- HP Blavatsky, The Secret Doctrine , vol. 1, p. 277

Ao contrário da noção cristã popular de que os anjos são “criados conscientes, inteligentes e perfeitos por Deus”, a Teosofia afirma que o conhecimento, a inteligência e a consciência é algo que deve ser adquirido. Não pode ser dado apenas a alguém. Fazê-lo seria contrariar toda a lei da evolução!

Ela é adquirida apenas através da passagem pelo estágio humano do progresso evolucionário. Não há outro caminho. Para citar novamente da Doutrina Secreta :

“Como ensina a doutrina, não há tais seres privilegiados no universo, seja em nosso ou em outros sistemas, nos mundos exterior ou interno [ uma declaração muito precisa, definida, categórica e inequívoca, não deixando espaço para mal-entendidos ou interpretação errônea!], como os anjos da religião ocidental e da Judéia. Um Dhyan Chohan tem que se tornar um; ele não pode nascer ou aparecer de repente no plano da vida como um anjo pleno. A Hierarquia Celestial do presente Manvantara será transferida no próximo ciclo de vida para mundos superiores,  e abrirá espaço para uma nova hierarquia, composta pelos eleitos de nossa humanidade. … Deuses, criados como tais, não revelariam nenhum mérito pessoal em serem deuses… seriam o símbolo de uma injustiça eterna, de caráter totalmente satânico, um crime sempre presente. É uma anomalia e uma impossibilidade na Natureza. ”(Vol. 1, p. 221-222)

No entanto, se dermos crédito às descrições e detalhes dos chamados “anjos” que são tão prontamente oferecidos hoje por muitas pessoas que afirmam estar em contato com eles, teríamos que aceitar que muitos anjos são de fato altamente sentimentais. e seres emocionais, para não mencionar mais imaturos e profundamente não inteligentes e ignorantes na maioria dos casos do que muitos seres humanos.

As pessoas que pensam estar em comunicação com um anjo estão invariavelmente enganadas. Eles podem, de fato, estar em contato e comunicação com alguma coisa – com a exceção daqueles casos quando eles estão meramente em contato com suas próprias imaginações descontroladas -, mas a natureza real e a identidade daquele “algo” provavelmente os encheria de horror se eles veja o que realmente é.

[Para mais explicações ao longo destas linhas, por favor veja artigos como  O Perigo e Decepção da Canalização , O Psíquico não é o Espiritual , e Cuidado com os Rishis Estelares .]

Estes Seres operam apenas como Hierarquias, nunca como unidades individuais. E o trabalho deles no universo – que é um trabalho absolutamente impessoal, envolvendo e contribuindo para o TODO e não para a parte – é governado pela imutável Lei do Karma, como tudo o mais.

Madame Blavatsky continuou dizendo: “Eles não são“ ministrando ”nem“ protegendo ”os anjos; nem são “Arautos do Altíssimo”, menos ainda os “Mensageiros da ira” de qualquer Deus que a fantasia do homem criou. Recorrer à sua proteção é tão tolo quanto acreditar que sua simpatia pode ser assegurada por qualquer tipo de propiciação; pois eles são, tanto quanto o próprio homem, escravos e criaturas da Lei Kármica e Kármica imutável. ”(Vol. 1, p. 276)

Isto é, a Lei do destino auto-criado que é conhecido como Karma (a lei de causa e efeito, ação e reação, sequência e conseqüência) é o meio pelo qual o universo mantém seu equilíbrio, harmonia e equilíbrio constantes.

Nada pode acontecer fora do Karma. Tudo o que nos acontece na vida é karmicamente destinado ou carmicamente permitido . Não pode ser de outra forma. Assim, toda oração peticionária – seja para nós mesmos ou para os outros – é em última instância vã e fútil como Buda ensinou.

Tudo procede de acordo com a Lei do Karma, quer queiramos ou não, quer acreditemos e aceitemos ou não, e nenhuma quantidade de oração, choro, imploração, imploração, intercessão, afirmação etc. – independentemente de quão sincero e cheio de a fé que pode ser, ou quão desesperadora a situação possa parecer – pode interromper ou interferir na Lei do Universo.

Uma das muitas provas disso é o fato de que pelo menos 95% de todas as orações ficam sem resposta para sempre, como qualquer ministro religioso sincero e sensato admitirá prontamente.

A Lei sabe o que está fazendo e tudo procede perfeitamente e em ordem divina, como deveria, embora muitas vezes possa não parecer assim à nossa percepção atualmente limitada.

Como Buda diz no lindo poema clássico “The Light of Asia”:

Não reze! a escuridão não vai iluminar! Peça 
nada do silêncio, pois não pode falar! 
Vex não suas mentes tristes com dores piedosas! 
Ah! Irmaos irmas! procurar

Nada dos deuses indefesos por dom e hino, 
Nem subornem com sangue, nem se alimentem de frutas e bolos; 
Em si mesmos, a libertação deve ser buscada; 
Cada homem que sua prisão faz.

Cada um tem tal senhor como os mais elevados; 
Não, pois com Poderes acima, ao redor, abaixo, 
Como com toda a carne e tudo o que vive, 
Ato [ou seja, Karma] faz alegria e aflição.

Anjos da guarda, anjos protectores, e assim por diante, pertencem ao reino ilusório da fantasia baseada no cristianismo.

Como dito, nosso “Guardião” não é qualquer tipo de anjo, mas é o nosso próprio Ego Superior. Isto não deve, a propósito, ser confundido com o Eu Superior. Nosso Eu Superior – puro Espírito eterno, o Atman – não é individual ou separado de qualquer forma. Não é o meu Eu Superior nem o seu Eu Superior, mas é o EU … o Único Ser Universal de todos .

Nosso Eu Superior nunca faz nada. Não há nada para Ele fazer, exceto ser, pois Somente Ele é a Única e Suprema Realidade. É literalmente a própria Aliança Divina. “Este Atman é Brahman”, como afirmam os Upanishads do hinduísmo, de forma tão clara e repetida.

O Ego Superior, por outro lado, é algo distintamente individual. Nossos Egos Superiores são referidos variadamente nos ensinamentos da Teosofia como os Filhos da Sabedoria, os Senhores da Chama, os Manasaputras, os Agnishvattas, os Kumaras, os Pitris Solares, os Dhyanis do Fogo, etc. Eles são seres altamente avançados, Inteligências ”de longos ciclos passados ​​de evolução. No meio da Raça Raiz Lemuriana eles desceram ao nosso plano e fixaram residência, por assim dizer, nos lemurianos outrora irracionais, e fizeram do homem um ser humano pensante, autoconsciente e inteligente, capaz de realizar e actualizar o seu verdadeiro natureza divina e percebendo a unidade e divindade de toda a vida.

Eles se tornaram as mentes, os Egos, as almas individuais da humanidade. A alma, a individualidade autoconsciente de cada ser humano, é uma dessas entidades, embora na maioria das vezes deixemos de percebê-lo ou reconhecê-lo e, em vez disso, apenas nos identificamos com nossa natureza pessoal e corporal evanescente. Esses “Filhos da Sabedoria” ou “Filhos da Mente” se tornaram o Princípio Manas reencarnante dentro do ser humano.

O Ego Superior é o elo de conexão, cimentação e intermediário entre o homem animal bruto abaixo e o Eu Superior – o Espírito Único – acima.

Muitas pessoas que tiveram EQMs (Experiências de Quase Morte) ou que realmente morrem e são ressuscitadas, descrevem o encontro com um “ser de luz” com quem elas pareciam sentir um maravilhoso senso de identidade e unicidade e cuja natureza parecia ser uma delas. amor perfeito, compaixão e aceitação.

O “ser de luz” não é um “anjo da guarda”, nem é Jesus, muito menos Deus, que não existe de acordo com os ensinamentos da Teosofia.

É o vosso próprio Ego Superior, a individualidade espiritual permanente de quem a sua individualidade pessoal é a reflexão corrente, impermanente e carmicamente imperfeita no plano físico da existência.

Este é um ensinamento complexo, altamente metafísico e misterioso, “um dos assuntos sobre os quais muito pouco pode ser dito ao público em geral”. No entanto, é este Ego Superior, o Manas Superior, que nos protege e protege quando pode e da maneira como pode, mas isso é sempre determinado em concordância exata com a Lei do Karma. Não responde a orações, pedidos ou comandos presunçosos.

A Lei Kármica é “a lei última do Universo”, como HP Blavatsky coloca em “A Chave da Teosofia”. Assim, nunca há qualquer injustiça real, uma vez que somente nós somos os únicos fabricantes e criadores de nosso próprio destino e futuro.

Como HPB e os Mestres declaram, ele ou ela que deseja progredir no caminho da espiritualidade esotérica, o caminho da Sabedoria Antiga e Eterna, deve abandonar e descartar tais noções fantásticas como discutimos e, nas palavras do Mestre. KH, “atravesse da sua terra de sonho e ficção para a nossa terra da verdade de realidade e fatos severos”.

Dhyan-Chohans

fonte: wiki)

Dhyan Chohan ou Dhyāni-Chohan é um termo genérico para todos os Devas, Anjos ou seres celestes, [1] dos quais são várias hierarquias e graus. A palavra sânscrita dhyani significa “contemplativo, aquele que medita”, enquanto a origem da palavra chohan é desconhecida. De acordo com HP Blavatsky , é uma palavra tibetana que significa “‘Senhor’ ou ‘Mestre’; um chefe”. “Assim”, continua ela, “Dhyan-Chohan responderia a ‘Chefe dos Dhyanis’, ou luzes celestes – que em inglês seriam traduzidas como Arcanjos”. [2] Os Dhyan Chohans são os agentes das Leis Cármicas e Cósmicas.Sete Primordiais , Lipikas , Mānasaputras , Kumāras , Manus , etc.

Definição Geral

Os Dhyāni-Chohan são a hoste de seres celestes que imprimem na matéria as idéias encontradas na ideação cósmica. Nesse sentido, a mente universal é vista como o “arquiteto” fornecendo o plano para a construção e funcionamento do universo, enquanto os seres celestes são os “maçons”:

[A Doutrina Secreta] admite um Logos ou um “Criador” coletivo do Universo; um Demi-urgos – no sentido implícito quando se fala de um “Arquiteto” como o “Criador” de um edifício, enquanto aquele Arquiteto nunca tocou em uma pedra dela, mas, enquanto forneceu o plano, deixou todo o trabalho manual para os pedreiros; em nosso caso, o plano foi fornecido pela Ideação do Universo, e o trabalho construtivo foi deixado para as Hostes de Poderes e Forças inteligentes. Mas aquele Demiurgos não é uma divindade pessoal, isto é, um deus extra-cósmico imperfeito, mas apenas o agregado dos Dhyan-Chohans e das outras forças. [4]

Todo o Kosmos é guiado, controlado e animado por uma série quase infinita de Hierarquias de Seres Sencientes, cada um tendo a missão de realizar, e quem – se lhes damos um nome ou outro, e os chamamos de Dhyan-Chohans ou Anjos – são “Mensageiros”, no sentido de que eles são os agentes das Leis Cármicas e Cósmicas. [5]

Eles são as Forças Inteligentes que dão e decretam na Natureza suas “leis”, enquanto eles mesmos agem de acordo com as leis impostas sobre eles de uma maneira similar por Poderes ainda mais elevados; mas eles não são “as personificações” dos poderes da Natureza, como erroneamente pensados. Esta hierarquia de Seres Espirituais, através da qual a Mente Universal entra em ação, é como um exército – um “Anfitrião”, verdadeiramente – por meio do qual o poder combativo de uma nação se manifesta, e é composto de corpos de exército, divisões, brigadas, regimentos e assim por diante, cada um com sua individualidade ou vida separadas, e sua limitada liberdade de ação e responsabilidades limitadas; cada um contido em uma individualidade maior, à qual seus próprios interesses são subservientes, e cada um contendo individualidades menores em si. [6]

Sua natureza

No “resumo” do primeiro volume da Doutrina Secreta , Mme. Blavatskydescreve sua natureza:

Eles variam infinitamente em seus respectivos graus de consciência e inteligência; e chamá-los de todos os Espíritos puros, sem nenhuma das ligas terrestres “que o tempo é usado para atacar” é apenas para entrar em fantasia poética. Pois cada um desses Seres era, ou se prepara para se tornar, um homem, se não no presente, então num ciclo passado ou próximo (Manvantara). Eles são homens perfeitos, quando não incipientes; e diferem moralmente dos seres humanos terrestres em suas esferas superiores (menos materiais), apenas porque são desprovidos do sentimento de personalidade e da natureza emocional humana – duas características puramente terrenas. Os primeiros, ou os “aperfeiçoados”, se tornaram livres desses sentimentos, porque (a) eles não têm mais corpos carnais – um peso sempre entorpecedor na Alma; e (b) o elemento espiritual puro sendo deixado sem entraves e mais livre, são menos influenciados por maya do que o homem jamais poderá ser, a menos que seja um adepto que mantenha suas duas personalidades – a espiritual e a física – inteiramente separadas. As mônadas incipientes, nunca tendo tido corpos terrestres ainda, não podem ter senso de personalidade ou egoísmo. Aquilo que se entende por “personalidade”, sendo uma limitação e uma relação, ou, conforme definido por Coleridge, “individualidade existente em si mesma mas com uma natureza como fundamento”, o termo não pode, é claro, ser aplicado a entidades não humanas; mas, como um fato insistido por gerações de Videntes, nenhum desses Seres, altos ou baixos, tem individualidade ou personalidade como Entidades separadas, isto é, eles não têm individualidade no sentido em que um homem diz: “Eu sou eu mesmo e ninguém mais; “Em outras palavras, eles não estão conscientes de tal separação distinta como os homens e as coisas têm na terra. A individualidade é a característica de suas respectivas hierarquias, não de suas unidades; e essas características variam apenas com o grau do plano ao qual essas hierarquias pertencem: quanto mais próximo da região da Homogeneidade e do Único Divino, mais pura e menos acentuada é a individualidade na Hierarquia. Eles são finitos, em todos os aspectos, com exceção de seus princípios superiores – as faíscas imortais que refletem a chama divina universal – individualizados e separados apenas nas esferas da Ilusão por uma diferenciação tão ilusória quanto os demais. o mais puro e menos acentuado que a individualidade na hierarquia. Eles são finitos, em todos os aspectos, com exceção de seus princípios superiores – as faíscas imortais que refletem a chama divina universal – individualizados e separados apenas nas esferas da Ilusão por uma diferenciação tão ilusória quanto os demais. o mais puro e menos acentuado que a individualidade na hierarquia. Eles são finitos, em todos os aspectos, com exceção de seus princípios superiores – as faíscas imortais que refletem a chama divina universal – individualizados e separados apenas nas esferas da Ilusão por uma diferenciação tão ilusória quanto os demais.[7]

Nenhum deus perfeito

A Mente coletiva – a Universal – composta de vários e inumeráveis ​​Anfitriões de Poderes Criativos, por mais infinitos que sejam no Tempo manifestado, ainda é finita quando contrastada com o Espaço não-nascido e indeciso, em seu supremo aspecto essencial. Aquilo que é finito não pode ser perfeito. Portanto, existem Seres inferiores entre os Exércitos, mas nunca houve demônios ou “Anjos desobedientes”, pela simples razão de que todos são governados pela Lei. [8]

Como esse processo nem sempre é perfeito; e já que, por mais que exista uma prova de inteligência orientadora por trás do véu, ainda mostra lacunas e falhas, e até resulta muitas vezes em fracassos evidentes – portanto, nem o Anfitrião coletivo (Demiurgos), nem qualquer das forças de trabalho individualmente são assuntos apropriados para honras divinas ou adoração. Todos têm direito à reverência grata da Humanidade, no entanto. [9]

Homens como futuros Dhyan Chohans

Ordinariamente, diz-se que um homem alcança o Nirvana quando ele evolui para um Dhyan Chohan. A condição de um Dhyan Chohan é alcançada no curso normal da Natureza, após a conclusão da 7ª rodada na corrente planetária atual. Depois de se tornar um Dhyan Chohan, um homem não encarna, de acordo com a Lei da Natureza, nenhuma das outras cadeias planetárias deste sistema solar. Todo o sistema solar é a sua casa. Ele continua cumprindo seus deveres no governo deste sistema solar até o tempo do Pralaya Solar, quando sua mônada, após um período de descanso, terá que ofuscar em outro sistema solar um ser humano em particular durante suas sucessivas encarnações, e anexar-se a si mesmo. aos seus princípios superiores, quando ele se torna um Dhyan Chohan, por sua vez. Há um desenvolvimento espiritual progressivo nos inumeráveis ​​sistemas solares do infinito cosmos.[10]

Existem sete grupos principais de Dhyani-Chohans, que são os SETE RAYS, baseados nos quais a humanidade é igualmente dividida. Na escala evolutiva, Dhyani-Chohans são divididos em três classes ou reinos, e cada classe tem suas próprias subdivisões. Adicione a isso os quatro reinos terrestres (mineral, vegetal, animal e humano) e os três reinos elementais, temos um total de dez classes ou reinos:

Dhyani-Chohan I Dhyani-Chohan II Dhyani-Chohan III Humanidade Animais Plantas Minerals Elemental I Elemental II Elementar III

Todos os Dhyani-Chohans evoluíram dos estágios inferiores ou reinos e, portanto, passaram pelo estágio humano. Enquanto sua natureza e poderes excedem em muito os dos seres humanos, eles são limitados pelas fronteiras que separam os vários sistemas solares no cosmos.

Dhyan Chohans associado à evolução humana

A passagem da humanidade para um planeta e sua passagem para outra – são duas conjunturas críticas, exigindo a aparição de um Dhyan Chohan. Na sua primeira aparição, a semente da “sabedoria espiritual” tem que ser implantada e então levada para o próximo planeta, quando o período de obscurecimento do planeta habitado se aproxima. Os distúrbios intervenientes, causados ​​por cataclismos raciais, no globo, não destroem essa semente e seu crescimento é assegurado pelo aparecimento dos Budas intermediários. [11]

Recursos online

Artigos

Audio

Notas

  1. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, coletânea de escritos vol. X (Adyar, Madras: Theosophical Publishing House, 1964), 340.
  2. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, Glossário Teosófico (Krotona, CA: Theosophical Publishing House, 1918), 83.
  3. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. I (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 274.
  4. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. I (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 279-280.
  5. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. I (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 274
  6. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. I (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 38
  7. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. I (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 274-5
  8. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. II (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 487.
  9. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta vol. I (Londres: The Theosohpical Publishing House, 1978), 280
  10. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, coletânea de escritos vol. VI (Los Angeles, CA: Blavatsky Writings Publication Fund, 1954), 248-249.
  11. PulePetr Helena Petrovna Blavatsky, coletânea de escritos vol. VI (Los Angeles, CA: Blavatsky Writings Publication Fund, 1954), 267-268.

Manasaputra

https://theosophy.wiki/

Mānasaputra é um termo sânscrito combinado que significa “mente-nascido” ou “filhos da mente” (de mānasa (मानस) “mente” + putra (पुत्र) “filho”).No hinduísmo é dito que no início do universo, Brahmā cria a partir de sua mente quatro filhos, os Kumāras , para ajudá-lo na produção do homem. Eles são descritos como os primeiros filhos nascidos da mente. No entanto, eles recusam sua ordem de procriar e em vez disso se dedicam a adorar a Deus e ao celibato. Brahma então começou a criar de sua mente outros sete (às vezes dez) filhos, os Prajāpati- s, que se tornaram os pais da raça humana. Desde que todos esses filhos nasceram de sua mente, eles são chamados “mānasaputras”.

Na teosofia

O termo “mānasaputra” é usado de diferentes maneiras na literatura teosófica . Por um lado, refere-se aos Kumāras e Agniṣvāttas que encarnaram na humanidade infantil para despertar sua mente. O termo também é usado para se referir aos egos superiores humanos antes que eles encarnassem durante a terceira raça-raiz . HP Blavatskyescreveu:

O Ego reencarnante [é aquele] que os antigos filósofos arianos chamam de Manasaputra, os “Filhos da Mente” ou de Mahat, a Mente Cósmica Universal. [1]

Manasaputra (Sans.) Lit .: os “Filhos da Mente” ou Filhos nascidos da mente; um nome dado aos nossos egos superiores antes que eles encarnassem na humanidade. Nos Purânas exotéricos, embora alegóricos e simbólicos (os escritos sagrados e antigos dos hindus), é o título dado aos Filhos de Brahma, os Kumaras , nascidos na mente . [2]

Todos os nossos “Egos” são entidades pensantes e racionais (Manasa-putras) que viveram, sob formas humanas ou outras formas, no ciclo de vida precedente (Manvantara), e cujo Karma era para encarnar no homem deste. [3]

Eles também são referidos como Mānasa-Dhyānis:

Mânasa Dhyânis (Sk.). Os mais altos Pitris dos Purânas; os Agnishwatthas, ou ancestrais solares do homem, aqueles que fizeram do homem um ser racional, encarnando nas formas sem sentido da carne semi-etérea dos homens da terceira raça. [4]

Alguns Manasaputras são “os Filhos da Sabedoria que informaram o homem insensato e dotaram-no de sua mente (manas)”. [5]