Sobre o feminino, o masculino e o sexo – Dion Fortune

Sobre o feminino e o masculino

(capítulos do livro: Filosofia Oculta do Amor e do Matrimônio – de Dion Fortune)

CONCEITO ESOTÉRICO DO SEXO – Dion Fortune

Para compreender o conceito filosófico-esotérico do sexo teremos que recordar que, para o ocultista, o mundo é sete vezes mais complexo do que o supõe o filósofo exotérico, porque, para o primeiro, o mundo físico não é mais que um dos Sete Planos da Manifestação, constituindo o fenômeno que conhecemos como sexo um aspecto dessa força que opera em todos esses sete planos. Até a ciência exotérica está começando a reconhecer que o sexo tem um duplo aspecto: emocional e físico. A ciência esotérica declara que o sexo também tem aspectos mentais e espirituais, além dos que em geral lhe são atribuídos. Em cada plano essa força se expressa de maneira diferente, funcionando de acordo com as leis do respectivo plano, porque todos os elementos sexuais que se encontram nos sete planos, combinados na devida proporção, são essenciais para os mais elevados tipos da vida sexual. Por outro lado, deve-se ter em conta que é nos planos sutis que se originam e controlam as forças sexuais. E, só compreendendo as manifestações do sexo e as leis que o governam nesses planos é que podemos esperar controlar a sua ação em nós mesmos e na sociedade. O esoterista não usa a palavra “sexo” como nós a usamos. Ele fala em “força vital”, que ele concebe como uma energia de caráter eletro-hidráulico, uma atividade vibratória radiante e magnetizante, parecida com a da eletricidade, com a qual está muito estreitamente aparentada, sendo também capaz de compressão e de exercer pressão tal qual a força hidráulica.Essa força de acordo com a sua concepção, irradia-se da Grande Causa Primeira e é, portanto, divina em sua natureza, expressando-se por Intermédio dos diferentes veículos que as mônadas construíram nos diferentes planos, e ficando condicionadas pela natureza do plano em que opere, sendo ainda mais limitada pelas imperfeições e particularidades de cada veículo individual. Assim, ainda que a força vital possa sofrer muitas transmutações e até ser empregada para fins completamente distintos dos de seu impulso original, ela sempre é divina por sua origem e natureza, e deve ser reverenciada como algo sagrado pelo indivíduo através do qual ela funciona como um depósito sacrossanto que lhe foi confiado para seradministrado sob a direção da mesma Vontade Divina, com todas as espécies, entre as quais ele não é mais que um simples beneficiário. Essa força vital é a força que mantém a existência das formas viventes contra as forças desintegradoras que constantemente tratam de reduzir todas as substâncias especializadas à sua origem comum. Esta é a primeira função da força vital: sustentar em manifestação tudo o que já conseguiu alcançar uma forma e mante-la no nível de evolução a que ela chegou. Agindo assim, é conhecida como a Vida Preservadora e então é concebida como uma unidade. Possui também uma segunda missão, que é a criação de novas formas, e aí funciona como se tivesse dois pólos, como uma dualidade com aspectos positivos e negativos; e é a esta fase da atividade vital que o conceito exotérico do sexo está relacionado. Para a manutenção da vida, uma só força é suficiente; mas para as demais formas da criação fazem-se necessárias duas forças, uma das quais terá de estar em ação, enquanto a outra permanecerá inerte. Vale dizer, a primeira força será uma velocidade, enquanto a segunda ficará aprisionada, de forma a ser colocada em liberdade pelo estímulo da velocidade.

Temos, pois, nestas duas forças, uma que está tratando de se gastar para chegar a um estado de equilíbrio, enquanto a outra permanece inerte, em potencial, à espera de estímulo. A última, a força feminina, pode ser comparada a uma carga de dinamite, em cujas partículas está concentrada a energia em forma latente; enquanto que a primeira, ou força masculina, pode ser comparada a uma chispa elétrica, ou ao golpe de um martelo que libera a energia latente. Estas duas forças são as que o esoterista chama de positiva e negativa, masculina e feminina, sendo a força positiva, ou masculina, a estimuladora, e a força negativa, a feminina, mercê de sua energia latente, a que realiza o verdadeiro trabalho de criação sob a influênciado estimulador masculino, tornando-se imediatamente impotente uma vez esgotada a energia do impulso estimulante. Onde quer que se encontre esta ação ou reação em operação, o esoterista considera que a relação sexual está presente, quer se trate do reino mineral, quer se trate do mundo da mente.

CONCEITO ESOTÉRICO DE MASCULINO E FEMININO

Disse Alguém que sabe das coisas que no Reino do Céu não há pessoas casadas, ou casamentos, o que faz supor a muitas pessoas, erradamente, que o ser humano espiritual careça de sexo. A ciência esotérica, no entanto, não só não o concebe como assexuado as, pelo contrário, como bissexual; e, portanto, completo em si mesmo. A individualidade é bilateral, positiva e negativa; tem uma fase dinâmica e outra estática, e é, portanto, masculina e feminina, ou feminina e masculina de acordo coma relação existente entre “força” e “forma” em sua estrutura. A personalidade, porém, é unilateral e tem um sexo definido. A individualidade pode ser imaginada como um magneto, o qual tem um pólo positivo e outro negativo, e que a natureza do pólo que se tenha inserido na matéria densa é que determinará o sexo do corpo que se formou ao seu redor. A individualidade, cuja vida é uma evolução, tem esses dois aspectos em sua natureza; porém, a personalidade, cuja vida é uma encarnação, não possui mais do que um aspecto em funcionamento, ficando o outro latente e sem se desenvolver. Isto é bem ilustrado pelo caso das abelhas, nas quais o tipo de alimentação determina qual o sexo que irá se desenvolver, e também no corpo humano, onde sempre se encontram os órgãos característicos do outro sexo em forma rudimentar a ponto de, em certos tipos de anormalidade, poder alcançar um desenvolvimento considerável e até realizar suas funções peculiares. Enquanto, no plano físico, o sexo é determinado estritamente pela estrutura da forma, nos planos sutis ele depende inteiramente da força relativa, a qual varia constantemente, de maneira que duas pessoas que são respectivamente homem e mulher no plano físico, podem estar constantemente mudando de polaridade em suas relações nos planos internos. Desta maneira, se eles estão trabalhando/num assunto no qual o homem se sobressai, será ele quem guia e ela quem segue; as condições, porém, podem mudar, e o casal estar trabalhando numa esfera na qual ela seja proeminente. Nesse caso, a polaridade ficará invertida e a mulher assumirá a direção: observe-se a extraordinária doçura de um homem quando se lhe põe um bebê nos braços. Aquele que sente mais profundamente será masculino (????) no plano da emoção, e o que conhece mais, será o masculino no plano da mente, sem ter em conta o corpo em que está encarnado. No entanto, como o corpo masculino está mais bem constituído para expressar a força positiva, o homem costuma ser geralmente masculino tanto nos planos mais sutis como nos mais densos, porém, se existir a menor desigualdade de força, então a mulher pode ser relativamente masculino, em relação ao companheiro, nos planos internos. Não devemos nunca esquecer que a masculinidade e a feminilidade são sempre relativas nos planos internos, e tal como o vigor físico dos indivíduos que formam um par oscila num sentido ou noutro, o mesmo se pode dar com a sexualidade; assim, um homem pode ser puramente masculino em suas relações com uma mulher e puramente feminino, ou negativo, em suas relações com outra. A forma determina o sexo do indivíduo no mundo físico, porém a força relativa é a que o determina nos planos internos; e este fato serve de chave para muita coisa.

Interação entre o Positivo e o Negativo nos Planos Não-físicos

Os planos espirituais:

“No Sétimo Plano o Todo é Um e o Um é o Todo.” Este axioma é muito usado na filosofia esotérica. Neste plano existem entidades de duas classes: as que progrediram um pouco mais além de sua origem, e se encontram na curva descendente ou exteriorizante da evolução; e as que tendo completado sua evolução, elevaram-se até o nível de sua origem. Afirmam-nos que este plano é absolutamente informe, pois as entidades do primeiro tipo ainda não tomaram forma, enquanto as do segundo, como já aprenderam tudo quanto as formas lhes podiam ensinar, puseram-nas de lado, com todas as suas limitações, e alcançaram a perfeita liberdade dentro dos limites do universo ao qual pertencem. Todos são um neste plano afirmam-nos pois a relação existente entrecada unidade e o resto do plano excede de muito, em intimidade e acabamento, tudo quanto pudessem imaginar os mais ardentes amantes nos seus mais extasiantes momentos de união. Este estado é o estado normal e permanente do Sétimo Plano, que bem pode ser chamado o Reino dos Céus, porque é um estado de amor e harmonia perfeitos. Os amantes humanos temem que possam perder-se um ao outro no que concebem como o vazio informe do Nirvana. Mas, pelo contrário, a união perfeita, que só é possível em raríssimos momentos entre pessoas ainda mais raras, será o estado normal de toda a criação. No Sétimo Plano, e só ali, não existe diferença entre a força positiva e a negativa. Tem sido chamado, às vezes, o plano da pressão pura. No Sexto Plano inicia-se a primeira diferenciação ou princípio de separatividade. A pressão universal do Sétimo Plano faz com que a força flua em todas as direções e a corrente vá divergindo em seu curso. Estas correntes divergentes são as que, na terminologia esotérica, chamamos de raios, e cada raio é ideado como um aspecto da Natureza Divina. Cada mônada, ao entrar na existência, no Sexto Plano, é considerada como “tendo alcançado a manifestação”, através de um raio ou de outro, e este meio primordial determina para sempre o tipo da mônada. Ela poderá trabalhar com as forças de outros raios, mas a cor tónica de seu próprio raio constituirá a chave de sua natureza, e pela mesma porta por onde saiu deverá voltar quando tiver completado o seu ciclo de evolução. É um fato muito conhecido que, para a eletricidade se pôr em atividade, tem que fluir num circuito; a pessoa que se encontre completamente isolada da terra, pode tocar impunemente um arame eletrizado, pois não lhe oferece conduto algum para essa força. O mesmo ocorre com a força vital: flui para cada mônada desde a fonte divina, e tendo passado através dessa mônada, dinamizando-a, flui para o espaço ambiente; então, uma vez realizado um circuito que só é limitado pelo universo manifestado, e reduzindo-se no curso deste circuito à sua forma mais baixa de manifestação, é reabsorvida finalmente pela fonte divina como uma força cósmica inorganizada. Se, contudo, se deseja realizar algum trabalho com essa força, tem que se impedir que ela se perca no espaço, inutilizando-se; ela tem que ser concentrada num condutor definido, e, ao ser assim limitada e definida, ser convertida em pressão, tornando-se então uma fonte de energia. Isso tudo pode ser conseguido se a fizermos fluir e retornar pelo canal da força individualizada. Em sua marcha para fora, essa força abre caminho através de todas e de cada uma das mônadas individualizadas existentes, mas é preciso criar o circuito de volta se quisermos impedir sua difusão inútil. O conhecimento dos métodos para criar este circuito de retorno constitui um dos segredos do ocultismo prático Os métodos para alcançar esse fluxo e esse retorno são, em princípio, os mesmos em todos os planos, mas os dispositivos exatos colocados em uso diferem segundo a matéria na qual se está levando a cabo o processo. Em essência, consiste nisto: uma mônada do tipo inclinado a manifestar-se ou a exteriorizar-se coopera com uma mônada do tipo inclinado a unir-se como Divino, rumo à universalização. Se ambas se unem e formam uma continuidade de substância, a força vital que está fluindo da Divindade através do indivíduo masculino ou positivo, em vez de perder-se no espaço livre depois de realizar sua obra no organismo, retorna à Divindade através do indivíduo negativo ou feminino. No ponto de união de ambas as unidades, podemos apoderar-nos dessa força e utilizá-la para a criação na matéria do plano onde ocorreu essa união. Esta é a essência do ensinamento esotérico concernente às funções sexuais. Esse esquema do sexo cósmico, ou polaridade se se preferir esta palavra, tendo em vista o comprometimento da outra, ocorre no Sexto Plano: em primeiro lugar, para induzir um forte fluxo de força do Sétimo Plano a uma forma do Sexto; e, em segundo lugar, para manter esta força num alto nível e impedir a degradação e difusão que resultaria se se lhe permitisse seguir seu curso normal descendente através dos planos, perdendo-se finalmente no espaço cósmico antes de retornar à Divindade. Talvez um exemplo esclareça este assunto. Tornemos o caso de um homem de elevado caráter espiritual, que se sinta chamado a realizar uma missão espiritual para regenerar a humanidade. Falando em termos esotéricos, diríamos que esse homem, para poder converter-se em canal das elevadas forças espirituais, tem que ter muito desenvolvido o seu corpo correspondente ao Sexto Plano, porque está trabalhando com as forças desse plano, e estas só podem encontrar expressão adequada por meio de um veículo altamente organizado. Se esse homem se contenta em permanecer como um devoto solitário, pode alcançar um elevado grau de evolução em comunhão com a Vida Divina, mas não deixará nenhuma marca em sua raça ou em sua época: o mundo exterior não terá sido influenciado por ele. Contudo, se ele quiser realizar alguma obra no mundo externo, para influenciar a vida espiritual de seus semelhantes, veremos que, imediatamente, ele reunirá em torno de si um pequeno grupo de discípulos que, em relação a ele, se encontrarão em situação diferente da do resto de seus seguidores. A seus seguidores, ele dá sempre, sem deles nada pedir nem receber para si, ao passo que, de seus discípulos ele depende de alguma forma particular e íntima, muito pouco compreendida pelo mundo exterior. Ainda que sejam de menor estatura espiritual que ele próprio, este tem, no entanto, que se apoiar neles, e cada defecção de sua parte o afeta profundamente. Esses discípulos podem ser homens ou mulheres não tem importância. Tudo o que se exige deles é que estejam em união íntima e simpática com seu mestre, e que sejam de um desenvolvimento espiritual bastante aproximado do dele, e então se observará que o pequeno grupo funciona como uma unidade no próprio âmago do movimento espiritual. Além disso, se se enviarem missionários para difundir os ensinamentos do Mestre, ver-se-á que o fazem por pares, a fim de que se possam ajudar mutuamente. Nesta interação entre uma natureza poderosamente positiva, que atua como um canal para a caudalosa corrente de força espiritualizadora, e as naturezas menos vigorosas, relativamente negativas que recebem esta força, o esoterista científico pode ver facilmente a força vital divina funcionando em polaridade. Pode-se encontrar uma curiosa confirmação desta asserção num fenômeno que, com certa frequência, ocorre ao se invocar as forças espirituais. Muitos instrutores religiosos se esfacelam contra a rocha da sensualidade, e os que têm êxito em dirigir a nave de sua vida através do estreito caminho da retidão, têm deixado em suas biografias bons relatos das terríveis lutas que mantiveram antes de alcançar a vitória. Foram ‘tentados pelo demônio’ até um ponto incrível para um ser humano comum. A julgar pelas visões e pensamentos de que deixaram relato, parece que sua natureza sensual era tão forte como a espiritual, e só mercê de um ascetismo extremo puderam mante-la sob controle. Daí as mortificações da carne e o isolamento de tudo quanto pudesse estimular os desejos sensuais, condição sine qua non das mais elevadas formas da devoção religiosa. Alguns psicólogos vêem neste conhecido fenómeno outra prova de que a sexualidade se encontra na raiz de todas as coisas, e consideram que os sentimentos religiosos não são mais que sublimações dos sentimentos sexuais, deduzindo assim que, ao provar a ligação entre a vida espiritual e a sexual resolveram tudo o que diz respeito à vida sexual. O esoterista, contudo, encara este fenômeno de um ponto de vista muito diferente. Ele considera que ambas as atividades são a manifestação de uma única e mesma força, uma força pura e divina, sacratíssima, e que a forma tomada por esta força é determinada pelo mecanismo através do qual funciona, de maneira tal que, se essa força opera através do corpo do Sexto Plano, se manifestará como fervor espiritual e poder dinâmico, atuando assim sobre as naturezas espirituais daqueles com quem se ponha em contato; enquanto que, se opera no corpo mental, constituirá o que chamamos de inteligência criadora; e se o faz no corpo físico, será uma mera força sexual, no sentido comum da palavra. No entanto, opere no plano em que operar, é sempre a mesma e única energia; e se a sua manifestação final é a procriação, isto não a degrada em nada, mas, sim, faz que essa força espiritual e primariamente divina, ao ser usada para a procriação, faça desta igualmente um ato sagrado e divino. Contudo, o pensamento popular, e especialmente o teológico, amedrontado pelo bem conhecido fenómeno da sensualidade dos místicos, não considera a força vital, ao ser expressa no mundo físico, como uma coisa de algum modo sagrada, mas como uma materialização de sua natureza inferior, sempre em guerra com o nosso ser espiritual. Mas há alguns confessores, sábios conhecedores da natureza humana, bastante sagazes para ver nessa força diferentes aspectos de uma só e mesma coisa. Quando a sensualidade chega a produzir o descrédito de um mestre religioso, considera-se geralmente que a vida dessa pessoa, como potência espiritual, está necessariamente esgotada. Isto, às vezes, pode ocorrer realmente, porque, se as enormes forças que estava manejando fugiram de seu controle e desceram até o nível físico, ser-lhe-á muito difícil, depois da explosão da tormenta, fazê-las retornar ao seu devido canal, porque talvez se tenham rompido os diques e nunca jamais possa ele ser capaz de concentrar novamente suas energias para realizar sua tarefa. Mas, seja como for, sempre tem sido uma força espiritual a que rompeu os diques e as limitações, e não uma força infernal. A tremenda energia cósmica que esse homem havia feito fluir através de seu próprio eu individualizado, demonstrou ser, nesse caso, metaforicamente falando, de maior voltagem do que a que podia suportar, de tal maneira que sua natureza espiritual se fundiu por excesso de corrente e se produziu um curto-circuito. A corrente se dirigiu para a terra, literalmente falando. Não obstante a natureza fortemente organizada e espiritual dessa pessoa, para manter a poderosa corrente dentro de seu devido canal e transmiti-la à parte espiritual dos demais, de sorte a poder fluir de retorno à sua devida fonte sem abandonar o Sexto Plano, a pressão sobre o corpo espiritual dessa pessoa foi tão grande, que essa corrente se desviou e seguiu a linha de menor resistência a do fluxo evolutivo normal do Sétimo Plano para baixo até o Primeiro, e logo, de retorno por meio da alma da Terra. A essa pessoa não se pode considerar mais culpável que o moageiro cujo dique se desmorone e inunde a aldeia vizinha. É verdade que devia ter previsto que a caudal de água era demasiado grande para a resistência de seus diques, mas não se pode dizer que tenha sido ele o matador deliberado dos habitantes da aldeia. Este fenómeno é conhecido de todos os esoteristas: a rutura do dique espiritual sob a pressão demasiado grande para que o organismo a pudesse resistir, e a degradação das forças divinas até os planos mais baixos da existência. Qual é o remédio contra esta possibilidade? Poderia perguntar-se. Em primeiro lugar, a prevenção é muitíssimo melhor que a cura, e as forças sutis têm que ser reguladas de acordo com a fortaleza moral da pessoa que as utilize; em segundo lugar, deve-se evitar o trabalho solitário, de maneira que outros olhos possam ver a primeira fenda que se produzir no dique, coisa que, é muito possível, seja o seu próprio dono o último a ver. Mais tarde, se se apresentar o menor sinal de desastre, o indivíduo ameaçado deve abandonar as atividades internas e dirigir sua atenção para o plano material, com exercícios físicos vigorosos, e até para a mortificação no bom velho estilo. E sobretudo, terá que abster-se de invocar as potências espirituais, até que tenha reparado os condutos que devem conduzi-las. Se o místico nessas condições, começa a ter mais êxtases ou experiências similares, pode provocar uma explosão de sensualidade ou de histeria. E a intuição de muitas almas espirituais estava muito certa ao fazé-las sentir que, nessas circunstâncias, não eram dignas de se aproximarem de Deus, senão que deviam trabalhar humildemente no campo, ou auxiliando os pobres, até que novamente se fizessem dignas recipientes de seus favores e Ele se dignasse aproximar-se delas outra vez. Esta humildade espiritual pode salvar muitos supostos santos da vergonha. Quando as forças vitais se encontram nos planos inferiores, nós abrimos os planos superiores para nosso próprio perigo.

Os planos mentais:

Pode-se ver claramente a ação da polaridade nos dois aspectos da mente, que funciona como pensamento abstrato e pensamento concreto. No Quinto Plano, ou seja o do pensamento abstrato, os grandes raios que representam as atividades do Sexto Plano vão sendo mais e mais elaborados em qualidades e princípios abstratos. Sendo inteiramente abstrato, este plano só pode ser concebido mediante comparações e, num livro como este, temos que nos limitar a indicar a sua natureza. Contudo, uma ilustração prática pode servir para demonstrar a natureza das atividades do referido plano. Há duas classes de pensamento lógico. Na primeira, a do tipo dedutivo, partindo de um princípio geral, se vão inferindo exemplos particulares de seu modo de agir. Na segunda, a do tipo de raciocínio indutivo, infere-se uma lei geral partindo de casos particulares. Se bem que todos nós fazemos uso de ambos os sistemas de raciocínio em nossos trabalhos mentais, é evidente que sempre predomina um tipo de pensamento lógico em cada indivíduo suficientemente desenvolvido para exercê-lo. A grande massa da humanidade, como se pode comprovar facilmente, não alcançou ainda este estado de evolução, mas anda às apalpadelas, dependendo de sua memória para conduzir-se e sendo apenas capaz de tirar as conclusões mais óbvias de suas experiências. Por essa razão, os indivíduos que se encontram num plano mental superior podem ser divididos em dois tipos: os que estão de posse dos grandes princípios abstratos desse plano e tratam de aplicá-los às formas mais densas da existência e, conscientes de sua fonte divina, anseiam por transportá-los para as etapas inferiores da evolução, carregando consigo essa luz divina; e os que, conscientes de seu objetivo divino, anseiam sempre por sintetizar todas as experiências em tipos espirituais. Aqueles difundem, estes unificam. Uns atuam de forma masculina, os outros deforma feminina. Qual seria a expressão destes dois tipos na vida real? Um será o filósofo, que anunciará princípios gerais, inferindo deles as correspondentes consequências; enquanto que o outro será um cientista, que reunirá grande número de informações para deduzir delas leis gerais, segundo as suas observações. Por certo, na prática, todos os pensadores empregam ambos os sistemas. Se não for mais que um colecionador de fatos (na realidade existem tais indivíduos), ou se for um mero enunciador de princípios não comprovados (igualmente existem) não serão eminentes ainda que a educação moderna tente eliminá-los do mundo do pensamento, poismas maiores contribuições para o conhecimento humano têm sido realizadas pelos filósofos-científicos ou pelos cientistas-filosóficos. Na prática geral, sem embargo, uma classe de mentalidade reúne os dados e a outra classe filosofa sobre eles, e só os mais eminentes pensadores fazem uso de ambas as atividades simultaneamente. Nessa cooperação, o filósofo esotérico vê a atividade dos dois tipos de polaridade a indução masculina e a dedução feminina e declara que ambos esses sistemas de atividade são tão necessários para a criação no plano do pensamento abstrato como no plano da matéria densa, pois uma sem a outra são estéreis, ao passo que, se funcionarem juntas, produzirão o fruto do novo conhecimento. Assim também se aplica o princípio de polaridade no Quarto Plano, ou seja, o da mente concreta. Quão cansativo e difícil é o trabalho intelectual que se realiza no isolamento, sem que haja quem o aprecie ou simpatize com ele. Em contrapartida, a mente responde à outra mente com renovado estímulo e atividade quando há um mútuo cabedal de conhecimentos. Todos os intelectuais conhecem muito bem o súbito impulso que recebem em sua inspiração depois de uma conversa, de uma correspondência, ou quiçá apenas da leitura de um livro que trate do assunto que lhes interessa. A reação estimulante que se produz mutuamente pode ser vista claramente neste plano e, compreendam-se ou não as suas implicações, intelectuais a conhecem muito bem por experiência própria e fazem grande uso dela, como se pode ver por suas biografias. O esoterista sem dúvida, conhece este princípio e dele tira benefícios. Aliás, para certa espécie de trabalho, ele terá de esperar por sua contraparte, pois não poderá prosseguir sozinho.

Os planos astrais:

Os planos das emoções e paixões são conhecidos pela ciência esotérica como os planos astrais superior e inferior, respectivamente, e é aqui onde podemos encontrar os princípios do sexo no sentido que sói aplicar-se correntemente a esta palavra. No Terceiro Plano, ou astral superior, o plano dos afetos e da ternura, contemplamos o lado emocional da Natureza que busca um objeto para a expressão de seus sentimentos e a satisfação de suas necessidades. E o esoterista considera estes dois aspectos do sentimento como a polaridade da emoção. No Terceiro Plano não existe ainda uma fixidez sexual, determinando a maneira de funcionar se a força em questão é positiva ou negativa, masculina ou feminina. Considera-se masculino o que tem necessidade de expressão emocional, e feminino o que se sente necessidade de satisfação emocional. Contudo, esses dois modos de funcionar podem produzir-se em rápida sequência, e até simultaneamente, com respeito aos diferentes aspectos da Natureza, razão pela qual a polaridade flutua constantemente. Essa flutuação da polaridade no plano astral superior é um fator muito importante na aplicação prática destes princípios aos assuntos humanos. No mundo astral inferior, ou plano dos instintos, a polaridade tende a estabilizar-se, por estar este plano muito estreitamente relacionado como plano físico, e serem suas condições influenciados pelas fases fisiológicas do corpo. Mas, por mais estranho que pareça à primeira vista, o sexo do corpo do Segundo Plano é o contrário do sexo do corpo físico. No entanto, não é difícil comprová-lo. É um fato bem conhecido que o amor de uma mulher é firme e duradouro, mas de muito menor intensidade que o do homem, se bem que este reaja violentamente ante um estímulo e volta em seguida ao seu estado passivo quando este desaparece. O esoterista vê nisto um fluxo de energia através do veículo masculino, positivo, da mulher, e a explosão súbita de energias latentes no veículo emocional feminino do homem, sob o estímulo de uma força cinética. Neste plano se realizam certas operações mágicas, em que se utilizam as forças sexuais. Isto encerra muitos perigos para os que ignorantemente usam essas forças em quantidade, e exige grandíssimo domínio de si mesmo de parte de todos quantos se dediquem a semelhantes estudos. Todo aquele que estiver familiarizado com os círculos onde se cultiva o estudo do ocultismo prático sabe que há perturbações constantes neste sentido, a menos que se mantenha um elevado código de moral.