Sri Ma Anandamayi – Uma grande Shakti manifestada na índia

Anandamayi Ma

Sri Ma Anandamayi

Estúdio de fotografia de Anandamayi Ma

Nascido 30 de abril de 1896
Kheora, Brahmanbaria , Bangladesh
Morreu 27 de agosto de 1982 (86 anos)
Kishanpur, Dehradun , Índia, última ritos eram realizados emKankhal , Haridwar , Índia
Nome de nascimento Nirmala Sundari
Citação “Quem é que ama e que sofre, que somente Ele encena uma peça com Ele;? Que existe salvá-lo O indivíduo sofre porque ele percebe a dualidade É a dualidade que faz com que toda a tristeza e pesar Encontre o One em toda parte e em tudo o que e?.. haverá um fim à dor e ao sofrimento “. [1]

Sri Anandamayi Ma ( Bengali : শ্রী আনন্দময়ী মা Sri Anondomoyi Ma; 30 de abril de 1896 – 27 de agosto de 1982) (também Ananda Moyi Ma) foi um professoar espiritual hindu e guru de Bengala , considerado uma santa por muitos e aclamada como uma das místicas proeminente do século 20. [2] Anandamayi significa “felicidade-permeado mãe”, um nome dado por seus discípulos na década de 1920 para descrever o que viam como seu estado habitual de bem-aventurança divina. [3] Durante sua vida, ela atraiu milhares de seguidores que a viu, não só como professor e guru, mas como uma manifestação de Deus, ou Devi[4]

Ela também foi chamada DakshayaniKamalaVimala , e “Mãe de Shahbag “. Swami Sivananda (Divine Life Society) descreveu-a como “a flor mais perfeita do solo indiano tem produzido”. [5] Precognição , cura e outros milagres foram atribuídos a ela por seus seguidores. [6]

Início da vida e sadhana

Biografia

Anandamayi Ma nasceu Nirmala Sundari (নির্মলা সুন্দরী; Nirmôla Shundori, Inglês: “Imaculada, Beautiful”) em 30 de Abril 1896 a Bipinbihari Bhattacharya e Sundari Mokshada Devie em Kheora, Brahmanbaria District , Índia Britânica , no que hoje é Bangladesh . Seu pai, originalmente de Vidyakut em Tripura , era um Vaishnavite cantor conhecido por sua devoção. [7] Sua filha diz ter tido experiências freqüentes do divino na infância e, alega-se, muitas vezes entrou em um estado de êxtase ao ouvir kirtan (cantos devocionais). [7] Ela frequentou a escola da aldeia de apenas dois anos. [8]

Em 1908, com a idade de treze anos, de acordo com o costume na época, ela foi casada com Ramani Mohan Chakrabarti da Vikramapura , a quem ela chamou BholanathPitaji. [7] [8] Ela passou cinco anos após seu casamento com ela casa brother-in-law, onde ela estava em um estado meditativo retirado a maior parte do tempo. Foi aqui que um vizinho devoto, Harakumar, desenvolveu o hábito de se dirigir a ela como “Ma”, e prostrou-se diante dela pela manhã e à noite. [9] Quando Nirmala foi de cerca de dezessete anos, ela passou a viver com o marido em Ashtagram . Em 1918, mudou-se para Bajitpur , onde permaneceu até 1924, período em que Nirmala foi mais profunda em seus estados espirituais. Foi um celibatário casamento sempre pensamentos da sexualidade ocorreu Bholanath, Ananda Moyi iria crescer fraco e seu corpo teria de assumir as qualidades de morte. [10]

Na noite de lua cheia de Agosto de 1922, à meia-noite, 26 yearold Nirmala foi através das ações de iniciação espiritual, iniciando-se, ao invés de seguir a tradição da iniciação de um guru ou sacerdote. [9] Mais tarde, ela declarou: ” como o mestre (guru) I revelou o mantra, como o discípulo (shishya) eu aceitei e comecei a recitá-lo “. [11] Por causa da condição de sua esposa, membros da família Bholanath sugeriu que ele se casar novamente. Em vez disso, ele perguntou-lhe quando e por quem ele deve ser iniciado. Ela deu-lhe uma data de cinco meses no futuro, quando ela ia iniciá-lo. Depois de um conhecido pediu-lhe para a prova de que ela estava qualificada para fazê-lo, ela tocou Bholanath no topo da cabeça. Ele entrou em um profundo estado retirado por várias horas, declarando posteriormente que ele estava se sentindo “felicidade indescritível”. [12]

Naquela época, seu sadhana (prática espiritual) assumiu uma forma mais concreta. Alega-se que ela começou cantando hinos em sânscrito espontaneamente, mesmo que ela estava completamente ignorantes. Ela também se apresentou posturas de yoga e foi complicado para os dias de cada vez, sem comida ou bebida. Em um ponto, chamado Bholanath um exorcista para “cura” ela, essas tentativas falharam, e, finalmente, um médico disse-lhe que ela estava experimentando Deus intoxicação ao invés de doença mental. [13] Foi durante este período que, alega-se, ela começou a apresentar vários poderes espirituais, ou siddhis . Em janeiro de 1923, ela começou a três anos de completo silêncio, ou mauna[14]

Em Dhaka

Anandamayi Ma

Nirmala mudou-se para Shahbag com seu marido em 1924, onde ele tinha sido nomeado guardião dos jardins do Nawab de Dhaka . [7]Nirmala continuou a executar as tarefas domésticas, embora ela muitas vezes praticada silêncio e foi dito ser retirado em um estado de ecstasy maior parte do tempo. Estes estados começaram a interferir com seu trabalho. [15] Em seu retorno a partir do escritório no final do dia de trabalho, Bholanath freqüentemente encontrados Nirmala deitado no chão da cozinha, a metade alimentos cozidos ou queimados. Em 1926 ela criou um Kali templo na área Siddheshwari e dedicou-se a práticas espirituais. [7] Nirmala alegou ter sofrido uma experiência mística enquanto orava no templo um dia. [7] Em um estado de meditação profunda, ela segurou difícil posições de yoga por longos períodos e espontaneamente formado complexo posições das mãos tântrico e gestos.

Durante o tempo em Shahbag, mais e mais pessoas começaram a ser atraídos para o que eles viram como uma encarnação viva do divino.[16] Jyotiscandra Ray, conhecido como “Bhaiji”, foi um discípulo, ele cedo e fechar foi o primeiro a sugerem que Nirmala ser chamado Anandamayi Ma, que significa “felicidade-permeado mãe”. Ele foi o principal responsável pelo primeiro ashram construído para Anandamayi Ma em 1929 na Ramna , dentro do recinto do Ramna Kali Mandir . [17]

Estudiosos foram atraídos para a espiritualidade Anandamayi Ma e ensino, embora ela se chamava “criança um pouco analfabeto”. [8]

Seus seguidores no início incluídas Mahamahopadhyay Gopinath Kaviraj, sânscrito estudioso, filósofo e diretor do Colégio sânscrito emKolkata , eo educador Dr Triguna senador [7] Uday Shankar , o artista de dança famosos, ficou impressionado com a análise Anandamayi Ma de dança, que ela utilizado como uma metáfora para a relação entre as pessoas e Deus. [7]

Em Dehradun

Wikisource tem texto original relacionado a este artigo:

Autobiografia de um Iogue O bengali “Joy-Permeada Mãe” (Ananda Moyi Ma)

Em 1932, mudou-se para Anandamayi Ma Dehradun com seu marido. [7] A partir desse momento, até sua morte em 1982, ela viajou por todo o subcontinente, nunca ficando mais de duas semanas no mesmo lugar. [18] Diversos ashrams e hospitais de ensino foram estabelecidos em seu nome no Ramna (perto Shahbag) e Kheora em Bangladesh, e Benares , Kankhal peças e outros India . [7] Vinte e cinco ashrams são nomeados após ela. [7] Ela também renovados muitos lugares sagrados em ruínas, incluindo o Naimisharanya , onde montou um templo e dispostos para a recitação dos santos nomes eo desempenho de kirtan e outros ritos religiosos. [7] Durante este período, muitas pessoas, como Arnaud Desjardins , o produtor francês de filmes espirituais, Melita Maschmann , o romancista alemão, e Dr. Colin Turnbull , o autor Inglês, tornou-se seus discípulos. [8]

Ma Anandamayi SamadhiMandir, Kankhal , Haridwar

Kamala Nehru , esposa do futuro primeiro-ministro Jawaharlal Nehru , tornou-se um devoto em 1933. Anandamayi Ma foi, então, ficar em um pequeno templo em Dehradun , enquanto Jawarharlal Nehru foi preso pelos britânicos na prisão Dehradun. Mais tarde, ela levou Kamala ao templo Ambika emKajpur para realizar um período de três dias yajna . Ela deu à sua filha Indira o rosário que Mataji lhe dera. [9] Mahatma Gandhi chegou a ouvir de Anandamayi através de Kamala e enviou sua ajuda, Jamnalal Bajaj, para vê-la. Ele, por sua vez se tornou um devoto. Após a morte inesperada de Bajaj, ela foi para Wardha para consolar Mahatma Gandhi. [9]

Paramhansa Yogananda escreveu sobre ela em seu Autobiografia de um Iogue . Seu encontro com ela é contada no capítulo intitulado “The Bengali ‘Joy-Permeada Mãe”, onde ela explica seu plano:

“Pai, há pouco a dizer.” Ela estendeu as mãos em um gesto gracioso depreciativo. “Minha consciência nunca se associou a este corpo temporário. Antes de vir a esta terra, Pai, eu era o mesmo. Quando menina, eu era o mesmo. Eu cresci em feminilidade, mas eu ainda era o mesmo. Quando o família em que eu tivesse nascido arranjos feitos para ter esse corpo casado, ‘Eu era o mesmo … E, Pai, na frente de você agora, eu sou o mesmo. Já mais tarde, embora a dança da mudança criação [s] em torno de mim na sala da eternidade, serei o mesmo.

Ela faleceu em 27 de agosto de 1982 em Dehradun e, posteriormente, em 29 de agosto de 1982 foi dado Samadhi no pátio dela Kankhal ashram, situado em Haridwar no norte da Índia , [7] [19] [20] um santuário mais tarde foi erigido sobre o samadhi, agora conhecido como o “Ananda Jyoti Peetham”. [21]

Ensinamentos

Como você ama seu próprio corpo, por isso considerar todos como iguais ao seu próprio corpo. Quando o Supremo sobrevém Experience, serviço de todos é revelado como um próprio serviço. Chamá-lo de um pássaro, um inseto, um animal ou um homem, chamá-lo por qualquer nome que você, por favor, um serve Auto própria em cada um deles.
Anandamayi-Ma, Ananda Varta Quarterly

Anandamayi Ma nunca preparou seus discursos, escreveu qualquer coisa para baixo, ou revista que ela tinha dito. As pessoas tinham dificuldade em transcrever suas palestras, como a musicalidade e alliterative jogo de palavras não traduzem bem a escrever. Apenas Brahmachari Kamal Bhattacharjee foi capaz de transcrever seus discursos com escrupulosa fidelidade. editorializing ] [9]

O tema central de seu ensino, na variação sem fim, é a “suprema vocação de cada ser humano é a aspirar à auto-realização. Todas as outras obrigações são secundárias” e “somente as ações que a natureza divina kindle homem são dignos do nome de ações” . No entanto ela não pedir a todos para se tornar um renunciante. “Todo mundo está certo de seu próprio ponto de vista”, ela diria. [8] Ela não deu iniciações formais e se recusou a ser chamado de guru, como ela afirmou que “todos os caminhos são meus caminhos” e não parava de dizer “Eu não tenho especial caminho “. [22]

Sri Anandamayi estátuas Ma Ananda Jyoti no Mandir, Varanasi

Ela não defendem o mesmo método para todos. “Como se pode impor limitações ao infinito, declarando este é o caminhosó, por que haveria tantas religiões e seitas diferentes? Porque através de cada um deles Ele se dá a Si mesmo, para que cada pessoa pode avançar de acordo com sua natureza inata. ” Embora fosse uma tântrico , Anandamayi Ma abençoado Saivites , Shaktas , Vaishnavas , muçulmanos e cristãos igualmente. Mesmo agora, a população muçulmana da Kheora ainda se referem a ela como “a nossa própria Ma”. [9] Ela ensinou como viver uma vida centrada em Deus no mundo e forneceu a inspiração de vida para permitir que milhares de aspirar a esse ideal mais nobre . [8] Ela também defendeu a igualdade espiritual das mulheres, por exemplo, ela abriu o cordão sagrado ritual, que havia sido executada somente por homens há séculos, para as mulheres. Seu estilo de ensino incluídas piadas, músicas e instruções sobre a vida cotidiana junto com longos discursos, meditação e leitura das escrituras. [22]

O Departamento de Publicação de Sociedade Shree Shree Anandamayee Charitable em Kolkata publica regularmente seu ensino no Quarterly Anandavarta periódico. A Shree Shree Anandamayee Sangha em Haridwar organiza o anual Samyam Mahavrata congregação dedicar uma semana para a meditação coletiva discurso, religiosa e música devocional. [8]

Livros sobre Sri Anandamayi Ma

  • Banerjee, Shyamananda (1973) Uma Sábia Mystic:. Anandamayi Ma: Ma Anandamayi. sn.
  • Bhaiji (1975) Triste Vani:. Uma coleção de Ensino do Sri Anandamayi Ma. traduzido por Swami Atmananda. Shree Shree Sociedade Anandamayee Charitable.
  • . Bhaiji Matri Vani – Da Sabedoria de Sri Ma Anandamayi. traduzido por Swami Atmananda.
  • Chaudhuri, Narayan (1986). Esse toque compassivo de Ma Anandamayee. Delhi: Motilal Banarsidass. ISBN 8120802047 .
  • Datta, Amulya Kumar. Em associação com Sri Ma Anandamayi.
  • Fitzgerald, Joseph; Alexander Lipski (2007) The Essential Sri Anandamayi Ma: Vida e Ensino de um século 20 Índico Saint.. Sabedoria Mundial . ISBN 978-1-933316-41-3 .
  • Ganguli, Anil. Anandamayi Ma a Mãe Bliss encarnado.
  • Ganguly, Adwaita P (1996). Yuga-Avatar Sri Sri Ma Anandamayee e Religião Universal. Publicações VRC. ISBN 8187530006 .
  • Giri, Gurupriya Ananda. Sri Ma Anandamayi.
  • Hallstrom, Lisa Lassell (1999). Mãe de Bliss. EUA:. Oxford University Press ISBN 019511647X .
  • Joshi, Hari Ram (1999). Ma Anandamayi Lila, Memórias de Hari Ram Joshi. Calcutá: Shree Shree Sociedade Anandamayee Charitable.
  • Kaviraj, Gopinath (1382 BS .) Sri Sri Ma Anandamayi: Upadesa O Prasnottara. Calcutá: Pasyant Prakasani.
  • Mãe Kaviraj, Gopinath (1967). Como atividade por seus devotos. Varanasi: Shree Shree Anandamayee Sangha.
  • Lipski, Alexander (1983). Vida e Ensinamentos de Sri Anandamayi ma. Livro Distribuidores Oriente.
  • . Maschmann, Melita (2002) Encontrando Bliss: My Journey Through India com Anandamayi Ma. trans. SB Shrotri. Delhi: Motilal Banarsidass. ISBN 8120815416 .
  • Mukerji, Bithika (1998) A Bird on the Wing -. Vida e Ensinamentos de Sri Ma Anandamayi. Sri Satguru Publicações. ISBN 8170305772 .
  • Mukerji, Bithika (2002). Meus dias com Sri Ma Anandamayi. Índia:. Indica Books ISBN 8186569278 .
  • Mukerji, Bithika (1970). Da Vida do Sri Anandamayi Ma. Índia: Sri Sri Anandamayi Sangha, Varanasi.
  • Ramananda, Swami (2002) Bliss Agora:. My Journey com Sri Ma Anandamayi. Índia:. Books Selecione ISBN 978-1590790199 .
  • Ray, J. Como Mãe me revelou, Bhaiji.
  • Yogananda, Paramahansa (1946). Autobiografia de um Iogue . New York: Philosophical Library.

Referências

  1. ^ Ananda Varta, vol. 9, No. 4.
  2. ^ Lipski, Alexander (1969). “Alguns Aspectos da Vida e Ensinamentos do Bengal East Saint Ananadamayi Ma” História das Religiões (The University of Chicago Press) 9 (1 (agosto, 1969)):. 59-77. doi : 10.1086/462595 . JSTOR 1062142 .
  3. ^ Heehs, Peter (2002) Religiões indianas:. A Reader Histórico de Expressão e experiência espiritual. NYU Press. p. 534. ISBN 9780814736500 .
  4. ^ Coogan, Michael D. (2003). O Guia Ilustrado para Religiões do Mundo. Oxford University Press EUA. p. 142. ISBN 9780195219975 .
  5. ^ Mãe, como atividade por seus devotos. Shree Shree Anandamayee Sangha. 1995.
  6. ^ Chaudhuri, Narayan (1986). Esse toque compassivo de Ma Anandamayee. Motilal Banarsidass Publ .. ISBN 9788120802049 . pp 16-18; pp. 24-26; pp. 129-133
  7. um b c d e f g h i j k l m Ghosh, Monoranjan (Janeiro de 2003). Banglapedia . Dhaka: Asiatic Society of Bangladesh. Anandamayi. ISBN 978-9843205766 .http://banglapedia.search.com.bd/HT/A_0237.htm .
  8. um b c d e f g Introdução , Como a flor Galpões sua fragrância, Shree Shree Ma Anadamayee Sangha, Kankhal, Haridwar; Retirado: 2007-12-08
  9. um b c d e f Richard Lannoy; Ananadamayi: Sua Vida e Sabedoria ; Elemento Books Ltd, 1996; ISBN 1852309148
  10. ^ McDaniel, June (1989) A Loucura dos Santos:. Ecstatic Religion em Bengala. University of Chicago Press. p. 194. ISBN 9780226557236 .
  11. ^ Hallstrom, Lisa Lassell (1999) Mãe de Bliss:. Anandamayi Ma (1896-1982). Oxford University Press EUA. p. 39. ISBN 9780195116472 .
  12. ^ Hallstrom, p. 39.
  13. ^ McDaniel, p. 196.
  14. ^ Hallstrom, p. 41.
  15. ^ Hallstrom, p. 42.
  16. ^ Hallstrom, pp 42-43.
  17. ^ Lipski, p. 66.
  18. ^ Heehs, p. 534.
  19. ^ Anandamayi Ma lugar de descanso do corpo e da imagem Anandamayi Ma Site oficial Ashram.
  20. ^ História de Vida: Cronologia das Mães vida Anandamayi Ma website Ashram Oficial. “O primeiro-ministro Smt. Indira Gandhi chega ao meio-dia, corpo divino Ma deu Maha Samadhi em cerca de 13:30 próximo ao local anterior de uma árvore antiga Pipal, sob a qual ela costumava sentar-se em muitas ocasiões e dar darshan.”.
  21. ^ “amor Anandamayee Ma” . Indian Express . 17 de julho de .
  22. um b Métodos Mataji , como a flor Galpões sua fragrância, Shree Shree Ma Anadamayee Sangha, Kankhal, Haridwar; Retirado: 2007-12-08

Ligações externas

  • Oficial website Anandamayi Ma

Autobiografia de um Iogue 45 / Capítulo

editar ]Capítulo 45: The Bengali “Joy-Permeada Mãe” (Ananda Moyi Ma)

“Senhor, por favor, não deixe a índia sem antes conhecer Nirmala Devi Sua santidade é intensa:. Ela é conhecida em toda parte como Ananda Moyi Ma (Joy-Permeada Mãe).” Minha sobrinha, Amiyo Bose, olhava-me suplicante.

“Claro! Eu quero muito ver esta santa mulher.” Acrescentei: “Eu tenho lido sobre o seu avançado estado de realização em Deus. Um pequeno artigo sobre ela apareceu há anos atrás no leste-oeste.”

“Eu a conheci”, Amiyo continuou. “Ela visitou recentemente minha própria cidade pequena de Jamshedpur Na súplica de um discípulo, Ananda Moyi Ma foi até a casa de um moribundo Ela ficou à sua cabeceira;… Como sua mão tocou a testa, o seu estertor da morte cessou A doença desapareceu imediatamente, com surpresa e alegria do homem, ele estava bem “.

Alguns dias depois ouvi dizer que a Mãe Blissful estava hospedado na casa de um discípulo na seção Bhowanipur de Calcutá. O Sr. Wright e eu partimos imediatamente da casa de meu pai Calcutá. Como a Ford se aproximava da casa Bhowanipur, meu companheiro e eu presenciamos uma cena incomum.

Ananda Moyi Ma estava em um automóvel aberto, coberto, abençoando uma multidão de cerca de cem discípulos. Ela era, evidentemente, sobre o ponto de partida. O Sr. Wright estacionou o Ford a alguma distância, e acompanhou-me a pé até a multidão silenciosa. O santo lançou um olhar em nossa direção, ela Alit de seu carro e caminhou em nossa direção.

“Pai, você veio!” Com estas palavras fervorosa ela colocou o braço em volta do meu pescoço e sua cabeça em meu ombro. O Sr. Wright, a quem eu acabara de dizer que eu não sabia o santo, foi extremamente desfrutar desta extraordinária demonstração de boas-vindas. Os olhos de uma centena de chelas também estavam fixos, com certa surpresa, no afetuoso quadro vivo.

Eu percebera instantaneamente que a santa estava em um alto estado de Samadhi. Totalmente alheio à sua aparência externa como uma mulher, ela sabia-se como a alma imutável; desse plano, saudava com júbilo um outro devoto de Deus. Ela me conduziu pela mão em seu automóvel.

“Ananda Moyi Ma, estou retardando a sua viagem!” Eu protestei.

“Pai, encontro-me convosco pela primeira vez nesta vida, após as idades!” ela disse. “Por favor, não deixe ainda.”

Sentamos juntos no assento traseiro do carro. A Mãe Beatífica entrou logo em estado imóvel de êxtase. Seus belos olhos para o céu e, semi-aberto, tornou-se acalmado, olhando para o Elysium perto-longe interior. Os discípulos cantavam suavemente: “Vitória à Mãe Divina!”

Eu tinha encontrado muitos homens de Deus-realização na Índia, mas nunca antes eu conheci como uma santa mulher exaltada. Seu rosto delicado foi polido com a alegria inefável que lhe dera o nome de Mãe Saturada de Beatitude. Longas tranças negras caíam livremente por trás a cabeça descoberta. Um ponto vermelho de pasta de sândalo na testa simbolizava o olho espiritual, sempre aberto dentro dela. Rosto pequeno, mãos pequenas, pés-um pequeno contraste com sua magnitude espiritual!

Fiz algumas perguntas a uma quase-mulher por chela enquanto Ananda Moyi Ma permanecia em transe.

“A Mãe Blissful viaja extensamente na Índia, em muitas regiões, ela tem centenas de discípulos”, o chela me disse. “Seus corajosos esforços trouxeram muitas reformas sociais desejáveis ​​Embora seja brâmane, a santa não reconhece distinções de casta {FN45-1} Um grupo de viajar sempre com ela, cuidando de seu conforto Temos que sua mãe,… Ela toma sem aviso de seu corpo. Se ninguém lhe deu comida, ela não iria comer, ou fazer quaisquer perguntas. Mesmo quando as refeições são colocadas à sua frente, ela não tocá-los. Para evitar seu desaparecimento deste mundo, nós discípulos alimentá-la com nossas próprias mãos. Durante dias consecutivos, costuma permanecer em transe divino, quase sem respirar, com os olhos imóveis. Um de seus principais discípulos é seu marido. Muitos anos atrás, logo após o casamento, ele fez voto de silêncio. ”

A chela apontou para um de ombros largos, o homem de traços finos com cabelos compridos e barba grisalha. Ele estava de pé em silêncio no meio do encontro, com as mãos unidas na atitude reverente do discípulo.

De seu mergulho refrescante no Infinito, Ananda Moyi Ma agora estava focando sua consciência sobre o mundo material.

“Pai, por favor me diga onde você mora.” Sua voz era clara e melodiosa.

“Atualmente, em Calcutá ou Ranchi, mas logo estarei retornando para a América.”

“Os Estados Unidos?”

“Sim. Uma santa mulher indiana seria sinceramente apreciado lá por buscadores espirituais. Você gostaria de ir?”

“Se o Pai pode me levar, eu irei.”

Esta resposta fez com que ela quase por discípulos para começar em alarme.

“Vinte ou mais de nós sempre viaja com a Mãe Feliz”, um deles me disse com firmeza. “Nós não poderíamos viver sem ela. Aonde ela for, devemos ir.”

Relutantemente eu abandonei o plano, como possuindo uma característica impraticáveis ​​de crescimento espontâneo!

“Por favor, pelo menos para Ranchi, com os seus discípulos:” Eu disse na despedida do santo. “Como uma criança divina mesmo, você vai desfrutar os pequeninos da minha escola.”

“Sempre que o Pai me levar, irei com prazer.”

Pouco tempo depois, o Vidyalaya Ranchi foi em ordem de gala para a prometida visita da santa. Os meninos aguardavam ansiosos qualquer dia de festa no-aulas, horas de música, e uma festa para o clímax!

“Vitória! Ananda Moyi Ma, ki jai!” Este reiterou canto de dezenas de entusiastas gargantas pouco cumprimentou festa do santo, uma vez que entrou no portão da escola. Chuva de cravos, tilintar de címbalos, soprando lusty de conchas e batida do tambor Mridanga! A Mãe Saturada de Beatitude vagou sorridente pelos terrenos ensolarados Vidyalaya, sempre carregando dentro de seu paraíso do portátil.

“É bonito aqui”, disse Ma Ananda Moyi graciosamente, como eu a levou para dentro do prédio principal. Ela sentou-se com um sorriso de criança ao meu lado. O mais próximo de amigos queridos, ela fez um sentir, ainda uma aura de afastamento nunca foi ao seu redor, o paradoxal isolamento da Onipresença.

“Por favor, me diga uma coisa da sua vida.”

“Pai sabe tudo sobre ele, por que repeti-lo?” Ela sentia, evidentemente que a história factual de uma breve encarnação nem sequer mereciam referência.

Eu ri, gentilmente repetir a minha pergunta.

“Pai, há pouco a dizer.” Ela estendeu as mãos em um gesto gracioso depreciativo. “Minha consciência nunca se associou a este corpo temporário. Antes de vir a esta terra, Pai: ‘Eu era o mesmo.” Como uma menina ‘, eu era o mesmo. ” Eu cresci em feminilidade, mas ainda ‘Eu era o mesmo. ” Quando a família em que eu tivesse nascido arranjos feitos para ter esse corpo casado, ‘Eu era o mesmo. ” E quando, a paixão-bêbado, meu marido veio até mim e murmurou palavras cativantes, tocando levemente o meu corpo, ele recebeu um choque violento, como se atingido por um raio, pois até então “eu era o mesmo.”

“Meu marido se ajoelhou diante de mim, cruzou as mãos, e implorou meu perdão.

“‘Mãe’, disse ele,” porque eu tenho profanado o templo do corpo, tocando-a com o pensamento de luxúria, não sabendo que habitava dentro dele não minha esposa, mas a Divina Mãe, eu fazer este voto solene: I deve ser o seu discípulo , um seguidor do celibato, sempre cuidando de você em silêncio como um servo, nunca falar com ninguém de novo, enquanto eu viver. Posso, assim, expiar os pecados que eu tenho hoje cometidos contra você, meu guru. ”

“Mesmo quando eu calmamente aceitou a proposta do meu marido,” Eu era o mesmo. ” E, Pai, na frente de você agora, “Eu sou o mesmo.” Cada vez mais tarde, embora a dança da mudança criação em torno de mim na sala da eternidade, eu serei o mesmo. ‘”

Ananda Moyi Ma afundou em um estado de meditação profunda. Sua forma era de estátua, ela havia fugido para o seu reino sempre chamando. As escuras lagoas de seus olhos pareciam mortas e vítreas. Esta expressão é muitas vezes presente quando os santos removem sua consciência do corpo físico, que é pouco mais do que um pedaço de argila sem alma. Nós nos sentamos juntos por uma hora, em transe extático. Ela voltou a este mundo com uma risada gay pouco.

“Por favor, Ananda Moyi Ma,” eu disse, “vem comigo para o jardim. Wright vai tirar algumas fotos.”

“Claro, pai. Sua vontade é minha vontade.” Seus olhos gloriosos retinham um imutável esplendor divino quando ela posou para muitas fotografias.

Tempo para a festa! Ananda Moyi Ma agachou sobre seu cobertor lugares, um discípulo em seu cotovelo para alimentá-la. Como uma criança, o santo obedientemente engolido a comida depois da chela trouxe-o aos lábios. Era claro que a Mãe Blissful não reconhecem nenhuma diferença entre curries e doces!

Enquanto o crepúsculo se aproximava, a santa partiu, com seu partido em meio a uma chuva de pétalas de rosa, com as mãos erguidas, abençoava os meninos. Seus rostos brilhavam com o carinho que ela tinha despertado facilmente.

“Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, e com toda a tua alma e com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças:” Cristo proclamou, “este é o primeiro mandamento.” {2}-FN45

Deixando de lado todo apego inferior, Ananda Moyi Ma oferece-lhe fidelidade exclusiva ao Senhor. Não pelas distinções excessivamente rebuscadas dos eruditos, mas pela lógica segura da fé, o santo infantil tem resolvido o problema apenas em vida humana estabelecimento de unidade com Deus. O homem esqueceu esta simplicidade absoluta, nublada hoje por um milhão de problemas. Recusando um amor monoteísta a Deus, as nações tentam mascarar sua infidelidade pelo respeito escrupuloso ao culto exterior da caridade. Estes gestos humanitários são virtuosos porque, por um momento que desviar a atenção do homem de si mesmo, mas não libertá-lo de sua responsabilidade única na vida, referida por Jesus como o primeiro mandamento. A obrigação uplifting a amar a Deus é assumida com a primeira respiração do homem de um ar concedido gratuitamente por seu único Benfeitor.

Em uma outra ocasião, após sua visita Ranchi tive oportunidade de ver Ananda Moyi Ma. Ela ficou entre os seus discípulos, alguns meses depois na plataforma da estação Serampore, esperando o trem.

“Pai, eu estou indo para o Himalaia”, ela me disse. “Generoso discípulos construíram me uma ermida em Dehra Dun”.

Como ela embarcou no trem, fiquei maravilhado ao ver que se em meio a uma multidão, em um trem, festa, ou sentado em silêncio, seus olhos nunca se afasta de Deus. Dentro de mim eu ainda ouço sua voz, um eco de doçura imensurável:

“Eis, agora e sempre um com o Eterno,” eu sou sempre o mesmo. ‘”

Notas

{1} FN45-me encontrar alguns outros factos da vida Ananda Moyi Ma, impresso no leste-oeste. O santo nasceu em 1893 em Dacca, no centro de Bengala. Analfabeta, ela ainda tem atordoado os intelectuais por sua sabedoria. Seus versos em sânscrito ter preenchido os estudiosos com assombro. Ela trouxe consolo para pessoas enlutadas, e efetuou curas milagrosas, por sua mera presença.
{2} FN45-MARK 12:30.