Sri Sarada Devi – A Santa Mãe, uma Shakti encarnada

Sri Sarada Devi, A Santa Mãe (1853-1920)
Carinhosamente chamada de “Santa Mãe”, Sri Sarada Devi (1853-1920) foi a consorte e companheira espiritual de Sri Ramakrishna. De acordo com os costumes vigentes na Índia daquela época, foi-lhe prometida em casamento quando tinha 5 anos de idade e ele 23.
Mais tarde, ocorreram dois encontros significativos com Sri Ramakrishna: o primeiro aos 13 e o segundo aos 14 anos, quando teve a oportunidade de conviver com ele, por um breve período, e receber seus primeiros ensinamentos.
Aos 18 anos, quando ainda vivia com seus pais em Jayrambati, começou a ouvir rumores de que seu marido havia enlouquecido. Sentiu que seu dever de esposa, nesse momento, era o de ir ao seu encontro e oferecer-lhe o seu apoio. Nessa época, Ramakrishna já estava totalmente dedicado às suas práticas espirituais, levando uma vida de monge celibatário. Foi nessa condição, e com toda a gentileza, que recebeu sua jovem esposa, que se sentiu aliviada ao concluir que ele se encontrava em perfeita saúde, tanto física como mental.
O Casamento

Ainda criança, Sarada já era devotada a Deus, e despendia a maior parte de seu tempo ajudando sua mãe nos afazeres domésticos, como cuidar de seus irmãos mais novos, vigiar o gado e carregar a comida até seu pai que trabalhava no campo. Ela não teve uma educação formal, mas conseguiu aprender o alfabeto bengali. Quando ela tinha cerca de seis anos de idade, foi casada com Sri Ramakrishna, de acordo com o costume predominante na Índia daqueles tempos. Entretanto, após o casamento, ela continuou a morar com seus pais, enquanto Sri Ramakrishna vivia uma vida de inebriamento por Deus em Dakshineshwar.

Visita a Dakshineshwar

Com a idade de dezoito anos, ela percorreu todo o caminho até Dakshineshwar para encontrar seu marido. Sri Ramakrishna, que esteve imerso em intensas práticas de várias disciplinas espirituais por mais de doze anos, havia alcançado o mais elevado estado de realização espiritual no qual ele podia ver Deus em todos os seres. Ele recebeu Sarada Devi com grande afeição, e permitiu que ela permanecesse com ele. Ele a ensinou como levar uma vida espiritual ao mesmo tempo em que cumpria seus afazeres domésticos. Eles levaram uma vida de absoluta pureza, e Sarada Devi serviu a Sri Ramakrishna como sua devotada esposa e discípula, enquanto ela preservava sua castidade como monja e trilhava o caminho espiritual.

Santa Mãe.

A Vida em Dakshineshwar

Sri Ramakrishna tratou Sarada Devi como uma manifestação especial da Divina Mãe do universo (Os hindus vêem Deus como Mãe, diferentemente dos ocidentais que o vêem como Pai). Em 1872, na noite do Phala-harini-Kali-puja, ele adorou Sri Sarada Devi ritualisticamente como a Mãe Divina, despertando desse modo a maternidade universal latente nela. Quando os discípulos começaram a chegar até Sri Ramakrishna, Sarada Devi aprendeu a vê-los como seus próprios filhos. O quarto em que ela vivia em Dakshineshwar era muito pequeno e quase sem nenhum conforto; e em muitos dias ela não teve a oportunidade de ver Sri Ramakrishna. Mas ela suportou essas e muitas outras dificuldades silenciosamente e viveu em contentamento e paz, servindo o crescente número de devotos que vinham ver Sri Ramakrishna.

Liderando a Ordem após a Passagem do Mestre

Após a passagem de Sri Ramakrishna em 1886, Sarada Devi saiu por alguns meses em peregrinação, e depois disso ela foi para Kamarpukur onde levou uma vida de grande privação. Vindo a saber disto, os discípulos de Sri Ramakrishna trouxeram-na para Kolkata. Esta foi uma reviravolta em sua vida. Ela agora começava a aceitar aspirantes espirituais como seus discípulos, e tornou-se a porta de entrada da imortalidade para centenas de pessoas. Seu imenso coração de mãe, dotado de amor e compaixão inesgotável, recebeu todas as pessoas sem qualquer distinção, incluindo muitos que haviam vivido vidas pecaminosas.

Quando as discípulas ocidentais de Swami Vivekananda vieram a Kolkata, a Santa Mãe as aceitou de braços abertos como se fossem suas filhas, ignorando as restrições da ortodoxa sociedade daqueles tempos. Embora, ela tenha crescido em uma sociedade rural e conservadora, sem qualquer acesso a educação moderna, ela possuía uma visão muito além de seu tempo, e apoiara Swami Vivekananda de todo o coração em seus planos de revitalização da Índia e de elevação das massas e das mulheres. Ela esteve intimamente ligada com a escola para meninas iniciada por Sister Nivedita.

Ela viveu a maior parte de sua vida em Kolkata e no seu vilarejo natal de Jayrambati. Durante seus primeiros anos em Kolkata, suas necessidades foram atendidas por Swami Yogananda, um discípulo de Sri Ramakrishna. Nos anos seguintes, ela teve suas necessidades atendidas por outro discípulo de Sri Ramakrishna, Swami Saradananda, que construiu uma nova casa para ela em Kolkata.

Lago em Jayrambati, vilarejo natal de Sri Sarada Devi.
Simplicidade e Indulgência

Embora ela fosse muito venerada por seu estado espiritual, e literalmente adorada como a Divina Mãe, ela continuou a viver como uma simples mulher do vilarejo, lavando roupas, varrendo o chão, buscando água no lago, descascando vegetais, cozinhando e servindo alimentos. Em Jayrambati ela viveu com seus irmãos e suas famílias. Eles lhe deram muitos problemas, mas estabelecida como ela estava na consciência de Deus e em Divina Maternidade, sempre permaneceu calma e auto-controlada, derramando amor e bênçãos a todos aqueles que vinham para encontrá-la. Como Sister Nivedita disse, “Sua vida foi uma prece longa e tranqüila”.

A Mãe de Todos

Na história da humanidade nunca houve outra mulher que se visse como a Mãe de todos os seres, incluindo animais e pássaros, e que tenha gasto toda sua vida servindo-os como seus próprios filhos, submetendo-se a interminável sacrifício e abnegação. Sobre seu papel na missão de Sri Ramakrishna na terra, ela disse: “Meu filho, você sabe que o Mestre teve uma atitude maternal (matri-bhava) para com todos. E deixou-me por aqui para manifestar esta Divina Maternidade no mundo”.

Templo dedicado a Santa Mãe, construído em Jayrambati.
A Mulher Ideal
Em se tratando de sua imaculada pureza, extraordinária indulgência, serviço desapegado, amor incondicional, sabedoria e iluminação espiritual, Swami Vivekananda considerou Sri Sarada Devi como o Ideal para as mulheres dos tempos modernos. Ele acreditava que com o advento da Santa Mãe, o despertar espiritual das mulheres nos tempos modernos havia começado.

Os Últimos Dias

Sob a tensão de intenso trabalho físico, abnegação e repetidos ataques de malária, sua saúde se deteriorou nos últimos anos de sua vida, e ela deixou o mundo no dia 21 de julho de 1920. Ela foi um modelo único de discípulo ideal, monja, esposa e mestra. Para seus incontáveis filhos espirituais foi mãe amorosa. Todos aqueles que tiveram contato com ela ficaram profundamente tocados por seu amor incondicional e trabalho altruísta. Todos eram seus filhos, independente de nacionalidade, filiação religiosa ou posição social. Ninguém, jamais, foi rejeitado. Ela acolheu a todos, sempre, sem distinção.

http://www.vedanta.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5&Itemid=2

Sri Sarada Devi
সারদা দেবী

Sarada Devi

Nascida 22 de dezembro de 1853
Jayrambati , West Bengal , India
Morreu 20 jul 1920 (idade 66)
Udbodhan escritório, Calcutá .
Nome de nascimento Saradamani Mukhopadhyaya
Guru Ramakrishna
Citação “Eu sou a mãe do ímpio, como eu sou a mãe do virtuoso. Não tenha medo. Sempre que você estiver em perigo, basta dizer para si mesmo” Eu tenho uma mãe ‘”. [1]

Sarada Devi ( Bengali : সারদা দেবী; Sobre este som Sharodā Debi ( ajuda · informação )) (22 de dezembro de 1853 – 20 de Julho de 1920), nascida Saradamani Mukhopadhyaya ( Bengali : সারদামণি মুখোপাধ্যায়), era a esposa e colega espiritual da Ramakrishna Paramahamsa , um século XIXmístico de Bengal . Sarada Devi também é abordada como reverência a Santa Mãe (Sri Maa ou শ্রীমা) pelos seguidores da ordem monástica Ramakrishna. Sarada Devi desempenhou um papel importante no crescimento do Movimento Ramakrishna.

Sarada Devi nasceu em Jayrambati . Na idade de cinco anos ela foi prometida em casamento a Ramakrishna, a quem ela se juntou a Dakshineswar quando ela estava no final da adolescência. De acordo com seus biógrafos tradicionais, ambos viveram vidas de continência ininterrupta, mostrando os ideais de um chefe de família e das formas de vida monástica. Após a morte de Ramakrishna, Sarada Devi ficou maior parte do tempo quer no Jayrambati ou no escritório Udbodhan, Calcutá. Os discípulos de Ramakrishna considerada como sua própria mãe, e depois de passar seu guru, estava olhando para ela para o conselho e encorajamento. Os seguidores do movimento Ramakrishna relação Sarada Devi como uma encarnação da Mãe Divina .

Biografia

Nascimento e filiação

Sarada Devi casa está em Jayrambati(centro), onde ela viveu durante a maior parte de sua vida

Saradamani Devi nasceu de Brahmin pais como a filha mais velha em 22 de dezembro de 1853, na pacata aldeia de Jayrambati no dia atualBengala Ocidental , na Índia. [2] Seus pais, Ramchandra Mukhopadhyaya e Syamasundari Devi, eram pobres e piedosos. Seu pai Ramchandra ganhava a vida como agricultor e através do exercício das funções sacerdotais. De acordo com relatos tradicionais, Ramachandra e Syamasundari tinha visões e acontecimentos sobrenaturais predizendo o nascimento de um ser divino, como sua filha. [2] [3]

Sarada viveu a vida simples de uma menina de aldeia indígena. Como uma criança Sarada-então conhecido como Saradamani foi fascinado por folclore tradicional hindu e narrativas. Como no caso da maioria das meninas de educação rural, ela não recebeu nenhuma educação formal, mas aprendeu a servir os outros como ela ajudou a mãe a executar uma grande casa e cuidava dos irmãos mais novos. [4] [5] Durante a fome terrível de 1864, Sarada trabalhou incessantemente como sua família serviram de alimentos para pessoas famintas. [6] Ela estava interessado nos modelos de argila de deusas Kali e Lakshmi , que ela adorava regularmente. Ela disse ter começado a meditar desde a sua infância e contas tradicionais contam suas visões místicas e experiências. [2] De acordo com Sarada Devi, ela costumava ver um bando de oito meninas de sua idade vindo de um lugar desconhecido e escoltá-la em sua tarefas durante a sua infância. [5]

[ editar ]Betrothal

Ramakrishna -então conhecido como Gadadhar Chattopadhaya e um sacerdote do Templo de Kali Dakshineswar desde 1855, estava praticando austeridades espiritual. Sua mãe e irmão pensou que o casamento seria um bom efeito firmar nele, desviando sua atenção longe de austeridades espiritual e visões. [7] É relatado que ele mesmo indicou Saradamani Ramakrishna como a noiva. [8] Em maio de 1859, Sarada foi prometida em casamento a Ramakrishna. Sarada foi de 5 anos de idade e Ramakrishna era de 23;. A diferença de idade era típica do século 19 para rural de Bengala [9] [10]

Após o noivado, Sarada foi deixado aos cuidados de seus pais e voltou a Ramakrishna Dakshineswar. [8] Sarada próxima Ramakrishna conheceu quando ela tinha 14 anos de idade, e ela passou três meses com ele em Kamarpukur . Lá, Ramakrishna transmitido instruções Sarada sobre a vida de meditação, espiritual. [11] samadhi freqüentes Ramakrishna (ecstasy) e as formas não ortodoxas de culto levou alguns observadores a duvidar de sua estabilidade mental, enquanto outros o viam como um grande santo. [12] Sarada juntou Ramakrishna em Dakshineswar em 1872 em sua própria vontade, quando ela tinha dezoito anos, depois de ouvir esses rumores sobre sua saúde mental. Ela encontrou Ramakrishna a ser uma pessoa gentil e carinhoso. [10]

[ editar ]No Dakshineswar Kali Temple

O lado sul do nahabat (música torre), onde Sarada Devi viveu em uma pequena sala no andar térreo.

Quarto minúsculo Sarada Devi, no piso térreo do nahabat, agora um santuário

Em Dakshineswar, Sarada Devi hospedado em um quarto minúsculo no nahabat (música torre). [13] Ela ficou em Dakshineswar até 1885, exceto por curtos períodos, quando ela visitou Jayrambati. [14] Por esta altura já tinha Ramakrishna abraçou a vida monástica de um sannyasin, como resultado, o casamento nunca foi consumado. [10] [15] Como sacerdote, Ramakrishna realizou a cerimônia ritual, o Puja Shodashi onde Sarada Devi foi feito para se sentar no banco da deusa Kali, e adorado como a mãe divina. [16] [17] De acordo com Saradananda um discípulo direto de Ramakrishna, Ramakrishna casados ​​para mostrar ao mundo um ideal de um casamento sem sexo. [18]Ramakrishna Sarada considerado como a encarnação da Mãe Divina, [19] abordando a como Maa Sree ( Santa Mãe ) e foi por este nome que ela era conhecida por discípulos de Ramakrishna. [20]

Sarada Devi dia começou às 3 da manhã. Depois de terminar o abluções no Ganges , ela praticaria japa e meditação até o amanhecer. [21]Ramakrishna ensinou-lhe o sagrado mantras , e instruiu-a como iniciar as pessoas e orientá-los na vida espiritual. [22] Sarada Devi é considerada como Ramakrishna primeiro discípulo. [23] Com exceção de suas horas de meditação, a maioria de seu tempo foi gasto em cozinhar para Ramakrishna e ao crescente número de seus devotos. Sarada Devi, enquanto permaneceu completamente em segundo plano, sua personalidade, modesto quente atraiu alguns devotos do sexo feminino a se tornar seus companheiros ao longo da vida. [24]

Durante os últimos dias de Ramakrishna, durante a qual ele sofria de câncer na garganta , Sarada Devi desempenhou um papel importante em enfermagem-lo e preparar a comida adequada para ele e seus discípulos. É relatado que após a morte de Ramakrishna, em agosto de 1886, quando Sarada Devi tentou remover suas pulseiras como os costumes ditados por uma viúva, ela teve uma visão de Ramakrishna em que ele disse, “Eu não faleceu, tenho ido de um sala para outra “. [25] De acordo com ela, quando ela pensou em se vestir como uma viúva, ela teve uma visão de Ramakrishna pedindo-lhe para não fazê-lo. [26] Após a morte de Ramakrishna, Sarada Devi continuou a desempenhar um papel importante na nascente movimento religioso. [20] Ela continuou a ser o guia espiritual do movimento para os próximos 34 anos. [27]

[ editar ]Peregrinação

Após a morte de Ramakrishna, Sarada Devi começou sua peregrinação pelo norte da Índia, acompanhado por um grupo de mulheres discípulos incluindo Lakshmi Didi, Ma Gopal, e chefe de família de Ramakrishna e discípulos monástica. O partido visitou o Templo Vishwanath de deus Shiva na Banaras e da cidade de Ayodhya , que está associado com a vida de deus Rama . Mais tarde, ela visitouVrindavan que está associado com o deus Krishna . De acordo com relatos tradicionais, em Vrindavan, ela experimentou nirvikalpa samadhi e começou seu papel como guru. Ela deu início a vários dos discípulos do Ramakrishna, incluindo Mahendranath Gupta , Yogen com um mantra. [28] [29] Segundo seus biógrafos tradicionais e discípulos, para chamá-la de “mãe” não foi mera expressão de respeito e de todos aqueles que conheci tomou conhecimento de uma qualidade maternal nela. [29]

Em Calcutá

Sarada Devi adorando em sua residência Udbodhan em Calcutá.

Após a peregrinação, Sarada Devi ficou sozinho em Kamarpukur , aldeia natal Ramakrishna também onde ele nasceu. Lá, ela conviveu com a pobreza, beirando a fome por um ano. Em 1888, quando a notícia chegou a leigos e discípulos monástica de Ramakrishna que ela precisava de seus cuidados e atenção, que a convidou para Calcutá e arranjado para ela ficar. Swami Saradananda construiu uma casa permanente para Sarada Devi em Calcutá. A casa recebeu o nome de Casa Udbodhan, depois que a revista Bengali mensal realizada pela Ramakrishna Math. É também chamado de Mayerbati (“Santa Casa da Mãe”), onde passou o período mais longo de sua vida fora Jayrambati. [28]

Sarada Devi foi para Calcutá, porque ela tinha muitas dificuldades em Kamarpukur. Ela não tinha recursos financeiros e sobre ninguém poderia cuidar dela. Ela tentou esconder sua situação, mas vazou. Quando os devotos em Calcutá, ouvindo isto, convenceu Sarada Devi vir a Calcutá.[30]

No Udbodhan House, Sarada Devi foi acompanhado por outros discípulos mulheres de Ramakrishna, Golap Ma , Ma Yogin , Lakshmi Didi eGauri Ma sendo o mais conhecido. Um número crescente de pessoas começaram a afluir para a orientação, instruções e iniciação espiritual.[31] Outros seguidores ocidentais as mulheres da Ordem Ramakrishna, incluindo a irmã Nivedita [32] e irmã Devamata formado estreita relação com ela. [33] [34] De acordo com ela biógrafos, sua maternidade inata colocar visitantes à vontade. Swami Nikhilananda , seu discípulo direto escreve: “Embora ela não tinha filhos da carne, ela teve muitos do espírito”. [35] Ela considerados todos os seus discípulos como seus próprios filhos. [ 36]

Sarada Devi recebeu a maior reverência da Ordem Ramakrishna e os seus devotos. Ramakrishna tinha lhe tinha ordenado continuar a sua missão após seu falecimento e queria que seus discípulos não fazer qualquer distinção entre ele e ela. De acordo com seus devotos e biógrafos tradicionais, a hospitalidade de Sarada Devi foi única e foi caracterizado pelo cuidado maternal e solicitude. [37] contas tradicionais contam as experiências místicas de seus devotos. Alguns sonhado como uma deusa em forma humana, embora eles nunca tinham visto a foto dela antes. Outros teria recebido sua iniciação dela em seu sonho. Um exemplo é de Girish Chandra Ghosh , o pai da Bengali drama, que supostamente viu Sarada Devi em um sonho, quando ele tinha dezenove anos e recebeu um mantra. Quando ele a conheceu muitos anos mais tarde, para sua surpresa, ela era a mesma pessoa no sonho. [38]

[ editar ]Últimos dias

Sarada Devi passou seus últimos anos indo e voltando entre Jayrambati e Calcutá. Em janeiro de 1919, Sarada Devi foi para Jayrambati e ficou lá por mais de um ano. Durante os últimos três meses de sua permanência, sua saúde seriamente diminuído. Sua força foi muito prejudicada e ela foi trazida de volta a Calcutá em 27 de fevereiro de 1920. Para os próximos cinco meses, ela continuou a sofrer. Antes de sua morte, ela deu o último conselho para os devotos angustiados: “Mas eu vos digo uma coisa: se você quer paz de espírito, não encontrar defeitos nos outros. Preferem ver suas próprias falhas. Aprenda a fazer o mundo inteiro . seu próprio Ninguém é um estranho meu filho: esse mundo inteiro é a sua própria “! Este é considerado como sua última mensagem ao mundo. [31] Ela morreu em 1:30 em 20 de julho de 1920. Seu corpo foi cremado no Math Belur . [31]

Ensinamentos e citações

Pratique a meditação, e por e por sua mente estará tão calmo e fixa que você vai achar que é difícil ficar longe de meditação. [40]Sarada Devi não escreveu nenhum livro, seus enunciados e reminiscências foram gravadas por seus discípulos, incluindo Swami Nikhilananda, Swami Tapasyananda. [39] Apesar de discernimento espiritual uneducated Sarada Devi e expressões são altamente considerados pelos estudiosos como Gayatri Spivak , que escreve “, Temos pedaços de seus comentários requintados como testemunho “. [10]

  • A mente é tudo. É na mente apenas que se sente o puro eo impuro. Um homem, antes de tudo, deve fazer sua própria mente culpado e, em seguida, por si só ele pode ver a culpa de outro homem. [41]
  • “Digo-vos uma coisa Se você quer paz de espírito, não encontrar defeitos nos outros preferem ver suas próprias falhas Aprenda a fazer o mundo inteiro seu próprio Ninguém é um estranho, meu filho;…. O mundo inteiro é o seu própria “. [41]
  • É preciso ter devoção para com o próprio guru. Qualquer que seja a natureza do guru, o discípulo recebe a salvação pela força de sua devoção inabalável para com o seu guru. [42]

Impacto e legado

Sarada Devi desempenhou um importante papel como chefe de uma organização de consultoria nascente que se tornou uma ordem monástica dedicada ao trabalho social Missão Ramakrishna . Gayatri Spivak escreve que Sarada Devi “realizou seu papel com tato e sabedoria, sempre permanecendo em segundo plano”. [10] Ela também iniciou vários monges proeminentes na Ordem Ramakrishna. Swami Nikhilananda , que era um combatente da liberdade e um seguidor de Mahatma Gandhi , [43] aceitou Sarada Devi como seu guru e ingressou na Ordem Ramakrishna. Ele acabou fundando o Centro Ramakrishna Vivekananda- em Nova York. [44] Embora se incultos, Sarada Devi defende a educação para as mulheres. Ela Devamata incumbidas da aplicação do seu sonho, uma escola de meninas no Ganges, onde Oriental e alunos ocidentais poderiam estudar juntos. [34] Em 1954, Sri Sarada Math e Ramakrishna Sarada Missão , uma ordem monástica para mulheres foi fundada na honra de Sarada Devi. [45]

wikipédia