Tambores Xamânicos Sagrados

A Utilização de Tambores em Rituais Sagrados e Xamânicos

Fonte: Editado de https://tribonavi.wordpress.com/

Tambores são tão ancestrais quanto o próprio homem. Os primeiros foram criados e manuseados ainda na Pré – História, com o objetivo de cultuar Deuses e como forma de agradecer a comida conseguida por meio da caça aos animais.
Milênios se passaram e centenas de representações religiosas ou espirituais foram criadas de acordo com a cultura e a cosmovisão de cada povo, de cada etnia, principalmente de acordo com os padrões sócio – econômicos de cada época. Imagens, cerimônias, mitologia, liturgias, símbolos, tambores, chocalhos e atabaques, são expressões da arte na religiosidade e na espiritualidade.
O homem pré – histórico acreditava que a pele de sua caça esticada em troncos de arvores reproduzia o choro do animal morto. E foi com esse sentimento de gratidão que passou a consagrar a morte de sua caça. Pode-se dizer que esse foi um dos princípios da manifestação religiosa do homem e a origem dos tambores. O toque do tambor revela a arte de conectar-se com a Mãe Terra e com nosso eu interior, sintonizando nosso coração ao coração dela, e de viajar ao mundo do invisível, constatando nossa ancestralidade e todos os reinos da Natureza.
Os tambores são utilizados desde as mais remotas eras da humanidade. Acredita-se que os primeiros tambores fossem troncos ocos de arvores tocados com as mãos ou galhos. Posteriormente, quando o homem aprendeu a caçar e as peles de animais passaram a ser utilizadas na fabricação de roupas e outros objetos, percebeu-se que ao esticar uma pele sobre o tronco, o som produzido era mais poderoso. Pela simplicidade de construção e execução, tipos diferentes de tambores existem em praticamente todas as civilizações conhecidas. A variedade de formatos, tamanhos e elementos decorativos dependem dos materiais encontrados em cada região e dizem muito sobre a cultura que os produziu.
Em sua fase mais primitiva, a manifestação religiosa do homem tinha como base principal o contato com as divindades – o transe.
A música e a dança sempre foram os principais geradores dessa comunicação com os Deuses. Alguns historiadores e antropólogos do século vinte destacaram a idéia de que a maneira utilizada para se chegar aos conhecimentos místicos em religiões primitivas, esteve sempre associada ao êxtase (o transe ) provocado pelo toque do tambor. Esse instrumento seria então o responsável pela comunicação entre o homem e as divindades – seres responsáveis pelo comando da Natureza em nosso planeta.
Mesmo nas religiões mais antigas, o toque dos tambores também foi utilizado não somente para o culto às divindades, mas também como forma de manter contato com os espíritos dos mortos.

DRUM:

É verdade que o som sustenta o mundo e as notas sagrados ouvido de dentro o som de um tambor de ressonância com o som da vida, com o bater do nosso coração dentro de nós e dentro da Mãe de todos nós, a nossa Grande Mãe Terra.
“É Despertando nossa Tambores Sagrados” é uma lição sobre como sintonizamos e harmonizar-se com as batidas do coração da Mãe Terra. A pulsação reverbera com a vibração do universo e fonte de toda a vida. Mãe Terra permanece como a grande deusa, o doador e sustentador da vibração que chamamos vida. O seu batimento cardíaco está experimentando uma aceleração na frequência e ela está indo mais rápido, como o que fazemos neste momento de grande transição e potencial de crescimento espiritual.

Ver também: http://artesxamanicas.blogspot.com.br/2008/03/tambores-nativos-native-american-drum.html

 

Tambores Xamanicos Siberianos

Graças as suas experiências estáticas, o xamã é o único ser capaz de penetrar no mundo subterrâneo dos espíritos errantes e dos demônios. Ali, sobrevoando em seu cavalo-tambor um imenso e consistente nada, povoado de ossos e de cadáveres de xamãs malogrados, ele vai zombar da morte e antecipar suas armadilhas. Para ele cada viagem ao inferno pode ser a última, pois, mesmo que conheça bem essas regiões proibidas, o risco de aí perder-se permanece grande. Na maioria das vezes ele tem a missão de procurar a alma de um doente capturada pelos demônios; com a ajuda de seus espíritos auxiliares, que o acompanham por toda a parte de seu transe, ele deve suborná-la, enganá-la , convencê-la e capturá-la para fazê-la reintegrar o corpo de seu paciente.

Ma há também o psicopompo:pede-se por vezes para companhar a alma de um defunto ao Reino das sombras, de tal sorte que ela não venha incomodar a família e vagar à noite em busca de sensações antigas. ”

Entre os povos da Sibéria e da Mongólia, o Universo é concebido como um organismo vivo. A estrela polar era unhas celeste. Os xamãs altaicos decoravam seus tamborres com os símbolos de Vênus e da Constelação da Ursa Maior. Para os xamãs buriatas a Arvore do mundo estava conectado com o Rio do Mundo que interligava todos os três mundos. Na cosmologia, o universo está também associado com animais , tais como os alces o Mestre dos Animais.

 

O Tambor Xamânico

TAMBOR

imgOs xamãs sempre se utilizaram de objetos mágico-religiosos que lhes conferiam poder às cerimônias e rituais, assim como os talismãs que os protegiamO tambor é considerado universalmente como um instrumento indispensável do xamanismo. É o veiculo pelo qual os xamãs fazem suas viagens a outros mundos. O tambor também é usado para invocar espíritos, para curas, para afastar espíritos malignos.

O tambor deverá adquirir uma alma antes de ser utilizado, alguns o preparam com banhos de ervas, evocações, defumações, canções, preces, etc. Deve ser honrado o sacrifício do animal e da árvore, pois estes espíritos também falarão através do toque do xamã.

Os nativos norte-americanos associam o toque do tambor as batidas do coração da Mãe-Terra e também ao som do útero. O tambor dá acesso a força vital através de seu ritmo.

O tambor é considerado o cavalo, ou a canoa, que leva ao mundo espiritual. É o instrumento que faz a comunicação entre o Céu e a Terra, que permite ao Xamã viajar ao Centro do Mundo ( Eliade )

É utilizado por xamãs e sacerdotes do mundo inteiro, em diversos tamanhos e formas, como, por exemplo o Damaru ( o instrumento de Shiva ), os tambores japoneses, as tablas indianas, as tumbadoras cubanas. É usado no Tantra, no Budismo Tibetano, nos cultos afro, tais como a Umbanda e o Candomblé ( atabaques ). Neste último existe a prática do batismo dos atabaques, onde são aspergidos por água benta; são oferecidas comidas dos santos, e os tambores envoltos com as cores dos orixas a que foram consagrados. Nos cultos jeje-nagô os atabaques são percutidos com varinhas (aguidavis), nos cultos de angola são percutidos com as mãos.

Na Sibéria, o tambor é redondo ou oval, geralmente feito com pele de alce ou rena, e os espíritos é que decidem qual o tipo de madeira deve ser usado para a fabricação do tambor.

Entre os índios brasileiros existem os tambores de cerâmica (percutido com uma baqueta), o tambor d’água (de cerâmica cheio de água); o tambor de fenda, que é uma madeira cavada em um tronco com aberturas circulares (sem pele), pendurados há alguns centímetros do chão e tocados por duas baquetas, e os tradicionais tambores de pele.

No Candomblé geralmente são três : Rum, o maior – Rumpi, o médio e Lé,o menor.

A velocidade de toque para uma jornada xamânica varia de 150 a 200 batidas por minuto.Os sons repetitivos e monótonos, permitem ao xamã alterar sua consciência. O antropólogo M. Harner, relata uma pesquisa feita em laboratório, que o tambor produz modificações no sistema nervoso, pois as batidas são de baixa frequência, predominando o nível de frequência do eletroencéfalograma, por esse motivo, para conservação do transe, geralmente um assistente assume o tambor. O tambor associado a cânticos, sinos , e outros intrumentos cria um ambiente muito propício para o transe.

Alguns xamãs chegam a afirmar que o trabalho xamânico não acontece sem um tambor. O chefe do tambor, ogã, tamborileiro, é o maestro da viagem, do transe. Os toques podem aumentar o campo de força. Existem toques para cura, para guerra, para as jornadas.

Histórias nativas contam que o tambor é um presente enviado pela Águia. É o veículo do xamã, que nos permite comunicar na língua sagrada do espírito.

Um tambor xamânico é construído dentro dos parâmetros muito precisos para a eficácia máxima. A borda é feita da madeira, geralmente cedro, ou uma madeira local com bom resonate qualidades. A cobertura é mais tipicamente do couro cru .

O tambor xamânico produz estados claros de transe e níveis de relaxamento profundo. É também meio de conectar com os pontos mais distantes da grade energética. O tambor sagrado alinha-nos com as forças da harmonia. A harmonia é um atributo universal da consciência, e ajuda-nos viajar, através do espaço do coração. Quando nós ouvimos o tambor ressoar nós criamos uma possibilidade de oferecer a vida para nos e o universo inteiro.

O tambor nos leva a examinar o espírito, dá-nos uma voz do espírito e as orelhas do espírito. Alce Negro – Wallace Black Elk , xamã lakota disse : “quando você reza com o tambor , quando os espíritos ouvem esse tambor que ecoa, nossa voz superior é desobstruída.”

Um Xamã Siberiano Toca o Seu Tambor – Piers Vitebsky

Baixando a cabeça para o tambor, o xamã começa a cantar baixo, lenta e melancólicamente. Bate o tambor em vários locais com batidas calmas espaçadas. Fica-se com a impressão de que está a chamar alguém, a reunir os seus auxiliares e a invocá-los de uma longa distância. Por vezes, bate o tambor com força e profere algumas palavras – o que significa que um dos seus auxiliares acaba de chegar. Pouco a pouco, a canção torna-se mais alta e a baqueta do tambor bate com maior frequência. Isso significa que todos os espíritos ouviram o chamamento do seu senhor e aproximaram-se dele. Por fim, as batidas no tambor tornam-se muito fortes, a tal ponto que parece que vai arrebentar. O xamã já não contempla o tambor, mas canta em plenos pulmões. Agora, todos os espíritos se reunem.

Sem se deter na canção, o xamã coloca a sua armadura peitora.Fica em pé no local, curvando-se ligeiramente e batendo os pés. O tambor respondeu às batidas da daqueta com os mais diversos sons, desde sonoras batidas, com um tímido e agudo metálico, até o mais delicado dos rufares, um zunido suave e contínuo, acompanhado por um ligeiro tinido. O xamã usou ainda o tambor como um quadro refletor de som, de tal modo que, na escuridão, parecia que a sua voz se deslocava de um canto para o outro, e de baixo para cima e de cima para baixo.

img

Os diagramas apresentam linhas de vibração da superfície. Os tambores saamis eram cobertos com elaborados desenhos de pessoas, de animais e do cosmo. Os xamãs utilizavam estes tambores para adivinhação, estudando os movimentos de um ponteiro entre os desenhos, enquanto se tocava o tambor. Um ponteiro típico era um conjunto de anéis metálicos designado por “rã” . Os saltos da rã dependiam das harmonicas da pele em vibração, e as experiências modernamente realizadas levam a presumir que estes movimentos são quase impossíveis de prever.

Roger N. Walsh em “O Espírito do Xamanismo” descreve o tambor xamânico da seguinte forma :

Quando um tambor é tocado num andamento de duzentas e vinte batidas por minuto, a maioria dos iniciados ocidentais relata que consegue efetuar, com êxito, uma viagem, até mesmo em sua primeira tentativa. A notável facilidade de indução desses estados e suas experiências é, sem dúvida, uma razão para a popularidade do xamanismo. essa facilidade contrasta de modo agudo com os meses de prática em geral exigidos pelas disciplinas meditativas e iogues, antes que possam aparecer estados alterados significativos. Contudo, em tradições meditativas mais recentes, como o zen coreano, por exemplo, os tambores também são usados.

É provável que o ritmo dos tambores facilite os estados e a viagem xamânicos através de vários mecanismos. Primeiro age como dispositivo de concentração que lembra continuamente o xamã de seu propósito e reduz a incessante necessidade de divagação da mente. os tambores também fazem submergir outros possíveis estímulos geradores de distração, permitindo ao xamã que sua atenção seja centrada no interior. A concentração intensificada parece ser um elemento-chave em todas as disciplinas espirituais eficientes, e os xamãs parecem ter encontrado um edos meios mais rápidos e fáceis de alcançá-la.

O ritmo dos tambores e outros ruídos altos podem agir ainda como fatores de desestabilização que interrompem o processo psicológico vigente por meio do qual mantemos continuamente nosso estado usual de consciência. Charles Tart diz que, em sua experiência, uma batida de tambor bastante forte dá a sensação de dominar depressa as forças de estabilização, introduzindo uma mudança abrupta e radical nesse estado. É muito interessante que os mestres zen pareçam fazer uso do mesmo princípios. Numerosos relatos mostram como acompanham de perto os aprendizes que estão perto do ponto de mutação. Então, quando a pessoa está menos esp-erando, o mestre aproxima-se, sem fazer barulho, por trás e berra com toda a força de seus pulmões bem no ouvido do novato. O resultado ideal é que se produza um satori instantâneo, um vislumbre da iluminação.

O ritmo dos tambores ainda é um elemento que em geral harmoniza a atividade neuronal com a frequência do som . Duas pesquisas que parecem endossar essa idéia tem sido citadas várias vezes. Em ambas, os eletroencefalogramas das pessoas que ouviam ritmo de tambores pareceram exibir respostas ditadas pela audição. a direção ditada pela vivência auditiva ocorre quando um som repetitivo provoca frequências de disparo correspondentes na atividade cerebral. Essas pesquisas vêm sendo bastante citadas como prova de que os efeitos neuronais dos tambores são um fato, mas, infelizmente, elas são imprecisas. As medições das ondas cerebrais talvez foram contaminadas pelos movimentos corporais do xamã, tornando impossível extrair conclusões decisivas acerca da atividade cerebral. Sejam quais forem os mecanismos neuronais, qualquer pessoa que tenha entrado em transe pela música ou pela dança está bem consciente de que o ritmo tem um forte potencial para alterar estados mentais.

 

Tambor: a cura e a sacralidade ancestral

tambor sagrado 1

Há muito tempo, o ser humano se utiliza da medicina dos sons, sejam eles os sons da natureza ou melodias ritmadas por instrumentos, de acordo com cada cultura e região para os mais diversos fins, desde celebrações, a jornadas e rituais de cura.
O tambor sagrado para fins de cura existe há, pelo menos, 40 mil anos em diversas culturas. O tambor é associado à Direção Sul, ao arquétipo do Curador, ao elemento Terra e aos animais de quatro patas. O som do tambor conduz à celebração, à dança e também ao êxtase, resgatando o equilíbrio e permitindo à expansão de consciência. Ele representa o coração da Mãe Terra, é o cavalo que nos leva em jornadas interiores ou para mundos distantes, a fim de entrarmos em contato com outras dimensões.

O tambor é a imitação das batidas do coração humano. Para os Xamãs, representa o pulsar da própria Terra, seu ritmo e o som sagrado de suas entranhas. Por isso, é o instrumento que facilita o acesso à cura e sustenta a abertura do coração quando o homem se conscientiza da necessidade de transformar e reprogramar os padrões cristalizados em seu próprio caminhar. 

Antropólogos e pesquisadores acreditam que o tambor surgiu ainda na Era Glacial. O homem primitivo teria percebido que o seu som criava um ritmo coletivo, grupal, mágico. E, até hoje, nativos e etnias em todo o mundo usam o tambor para despertar a energia e o poder em cada um dos participantes de cerimônias e rituais, seja na Sibéria, África, Américas ou na Índia, China, Japão e Tibet. A energia coletiva gerada a partir do seu ritmo pode ser direcionada para apoiar rituais de cura, orações, viagens xamânicas ou jornadas espirituais.

O tambor, chamado de “canoa do xamã” é o seu guia nos mundos paralelos da consciência alterada. Sua batida constante e monótona atua como uma onda mensageira, primeiro para ajudar o curandeiro a entrar no transe e, depois, para sustentá-lo em sua viagem. E como o tambor conecta o coração da pessoa que empreende esta jornada com a batida do coração da Mãe Terra, isso lhe garante uma maneira consciente de voltar ao corpo físico. Seu uso evita que o curador se perca na realidade xamânica ou perca seu próprio equilíbrio ao vivenciar os mundos paralelos, aprendendo a discernir ambas realidades. 

Pesquisas científicas demonstram que o tambor produz modificações no sistema nervoso central. A velocidade de toque para uma jornada xamânica varia de 150 a 200 batidas por minuto. Os sons repetitivos e monótonos, portanto, permitem ao xamã alterar sua consciência. O antropólogo Michael Harner relata uma pesquisa feita em laboratório, comprovando as modificações no sistema nervoso, pois as batidas são de baixa frequência, predominando o nível de frequência do eletroencéfalograma. O estímulo rítmico afeta a atividade elétrica em muitas áreas sensoriais e motoras do cérebro, diz Harner – para aqueles que desejarem aprofundar seu conhecimento em jornadas xamânicas e experiências com tambor e outros instrumentos, um livro que indico deste autor é O Caminho do Xamã. 

tambores_sagrados

Aliado ao tambor, pode-se usar também chocalhos e maracás. O nível de freqüência dos chocalhos e dos maracás é mais alto. Juntos, tambor e chocalho se complementam, sustentando e dando forma a uma rede de sons que ilumina tanto o curador quanto o paciente em sua busca pela conexão com sua essência e alma, alinhando sua energia vital, equilíbrio e saúde em todos os níveis.

Pesquisas de diversos estudiosos, a exemplo de Andrews Neher, revelam que a indução sônica do tambor pode afetar o alinhamento da freqüência cerebral com estímulos auditivos externos e que esse alinhamento pode reequilibrar o sistema nervoso central. Melinda Maxfield descobriu que o ritmo do tambor facilita o acesso às imagens de conteúdo ritualístico e cerimonial existentes na psicomitologia de cada indivíduo, facilitando a cada pessoa o caminho para chegar à cura, possibilitando a transformação de patologias.

Para se compreender melhor o que os pesquisadores descobriram é preciso entender as freqüências das ondas cerebrais, medidas normalmente por meio do eletroencefalograma (EEG). A freqüência das ondas é medida em ciclos por segundo ou Hertz (Hz), e pelo comprimento da onda. Elas se apresentam em quatro tipos: 
– DELTA, abaixo de 4 Hz, a mais longa e lenta: está associada ao sono ou inconsciência. 
– TETA, de 4 a 8 Hz: está associada a estados de sonolência próximos da inconsciência, os períodos antes de despertar ou adormecer. Considerada ainda como os estados de devaneios e imagens hipnológicas ou semelhantes às que surgem no sonho. Manter a consciência neste estado só com treinamento, como a meditação. 
– ALFA, de 8 a 13 Hz: está relacionada com os estados de relaxamento e bem-estar geral. Esta freqüência é produzida na região occipital do cérebro (córtex visual) quando os olhos estão fechados. A consciência está alerta, embora não concentrada, ou está concentrada no mundo interior. 
– BETA, além de 13 Hz: associa-se à atenção ativa e concentração no mundo exterior, podendo também estar relacionada aos estados de tensão, ansiedade, medo e diante do perigo.

Na maioria dos casos, o ritmo do tambor xamânico situa-se na freqüência de três a quatro batidas por segundo, o que coloca a pessoa no estado de freqüência Delta. No entanto, este não é o único ritmo e ele pode mudar dependendo da necessidade da pessoa a ser trabalhada ou da intenção do ritual ou cerimônia. Os índios Salish, por exemplo, usam uma freqüência de quatro a sete batidas por segundo, freqüência da onda Teta no cérebro humano. 
O uso do tambor nas jornadas e rituais xamânicos é indispensável e bem diferente das demais formas de uso deste instrumento. A literatura etnográfica notifica que a utilização do tambor nas atividades religiosas seculares é tão diversificada quanto nas culturas que o empregam em seus rituais, cerimônias, festas comemorativas, celebrações, cura e ritos de passagem, iniciações, etc. Em muitas tradições se diz que os xamãs usam o tambor para, em estado alterado de consciência, entrar em outros reinos, realidades ou dimensões, interagindo com o mundo espiritual em benefício de sua comunidade.

 Os xamãs afirmam que dirigem seu tambor no ar, os “senhores do êxtase”, como também são conhecidos, sendo ele seu cavalo, sua ponte de arco-íris entre os mundos físico e espiritual. Algumas culturas usam o tambor aliado com outros instrumentos: chocalhos, ressonância de varetas, ossos, metais e cantos, especialmente cantilenas: melodias repetitivas de sons monótonos, sem variações, como técnica para alcançar uma ligação à cura ou obter orientação espiritual.

Histórias nativas contam que o tambor é um presente enviado pela Águia. É o veículo do xamã, que nos permite entrar em comunicação à língua sagrada do espírito. É também meio de conectar com os pontos mais distantes da grade energética do planeta, alinhando-nos às forças da harmonia de toda a Criação: um atributo universal da consciência, ajudando-nos a viajar através do espaço do coração. Quando ouvimos o tambor ressoar, criamos uma possibilidade de oferecer a vida ao universo, ao nosso mundo e a tudo o que nos circunda. Salve Grande Espírito, Salve os tambores sagrados que carregam e reverberam as memórias de nossa ancestralidade de Cura, Luz e Amor! 😉

TAMBORTERAPIA

TAMBOR COMO TERAPIA

img

2010 by Michael Drake

O tambor é uma abordagem terapêutica antiga que usa o ritmo para promover a cura e auto expressão. A partir dos xamãs de Tuva à Minianka, curandeiros da África Ocidental, as técnicas de ritmo terapêuticas têm sido usadas por milhares de anos para criar e manter a saúde física, mental e espiritual. Pesquisas recentes começam a verificar os efeitos terapêuticos de ritmos antigos. Elas indicam que a bateria, tambor, acelera a cura física, estimula o sistema imunológico e produz a sensação de bem-estar, liberação de trauma emocional e reintegração de si mesmo. Outros estudos demonstraram os efeitos calmantes dos efeitos da percussão em pacientes de Alzheimer, crianças autistas, adolescentes emocionalmente perturbados, adictos em recuperação, pacientes com trauma, presidiários e populações desabrigadas.

Os resultados do estudo demonstram que a percussão é um tratamento valioso para o stress, a fadiga, ansiedade, hipertensão, asma, dor crónica, artrite, doença mental, enxaqueca, cancro, esclerose múltipla, doença de Parkinson, acidente vascular cerebral, paralisia, distúrbios emocionais, e uma vasta gama de deficiência física. Os estudos mencionados a seguir indicam que a percussão:

Reduz a tensão, ansiedade e estresse

As batidas induzem a um profundo relaxamento, reduz a pressão arterial e o estresse. Estresse de acordo com a pesquisa médica atual, contribui para quase todas as doenças e é a principal causa de doenças fatais como ataques cardíacos, derrames e avarias do sistema imunológico. Um estudo recente descobriu que o programa de um grupo de percussão ajudou a reduzir o estresse e a rotatividade de empregados numa indústria. Ajuda a controlar a dor crônica A dor crónica tem um efeito de drenagem progressivo sobre a qualidade de vida. Os pesquisadores sugerem que a bateria/tambor serve como uma distração da dor e do sofrimento. Além disso, a bateria promove a produção de endorfinas e opiáceos endógenos, os próprios organismos semelhantes à morfina analgésicos, e podem, assim, ajudar no controle da dor.

Estimula o sistema imunológico

Um estudo médico recente indica que círculos de tambores impulsionam o sistema imunológico. Liderada pelo renomado especialista em câncer Barry Bittman, MD, o estudo demonstra que o grupo de percussão na verdade aumenta as células que matam o câncer, ajudam a combater o câncer bem como outros vírus, incluindo a AIDS. De acordo com Dr. Bittman, “Grupo de percussão modula nossa biologia, nossa orquestra, nossa imunidade e permite a cura começar.”

Produz mais profundo auto-conhecimento através da indução de atividade cerebral síncronica

A investigação demonstrou que a transmissão física da energia rítmica para o cérebro sincroniza os dois hemisférios cerebrais. Quando o hemisfério esquerdo lógico e o hemisfério direito intuitivo começam a pulsar em harmonia, a orientação interior de conhecimento intuitivo pode fluir sem obstáculos, em consciência. A capacidade de acessar informações inconsciente através de símbolos e imagens facilita a integração psicológica e uma reintegração de si mesmo.

As batidas também sincronizam as áreas frontal e inferior do cérebro, integrando informações não-verbais das estruturas cerebrais inferiores no córtex frontal, produzindo “sentimentos de compreensão, integração, certeza, convicção e verdade, que superam os entendimentos comuns e tendem a persistir por muito tempo após a experiência, muitas vezes fornecendo insights fundamentais para as tradições religiosas e culturais. ”

Acessa todo o cérebro

A razão pela qual o ritmo é uma ferramenta tão poderosa é que ele permeia todo o cérebro. A Visão, por exemplo, é uma parte do cérebro, a fala outra, mas a percussão acessa todo o cérebro. O som dos tambores geram conexões neuronais dinâmicas em todas as partes do cérebro, mesmo quando não há dano significativo ou prejuízo, como no Transtorno de Déficit de Atenção (ADD). De acordo com Michael Thaut, diretor do Centro de Colorado State University for Biomedical Research in Music “, sinais rítmicos podem ajudar a treinar o cérebro após um acidente vascular cerebral, comprometimento neurológico ou outro, como acontece com pacientes de Parkinson …” Quanto mais conexões podem ser feitas dentro do cérebro, as nossas experiências se tornam mais integrados.

Induz a estados alterados de consciência naturais

Percussão rítmica induz estados alterados, que têm uma ampla gama de aplicações terapêuticas. Um estudo recente realizado por Barry Quinn, Ph.D. demonstra que até mesmo uma sessão de percussão breve pode dobrar atividade das ondas cerebrais alfa, reduzindo drasticamente o stress. As mudanças cerebrais de ondas betas (concentração e atividade centrada) para ondas Alfa (calmo e relaxado), produzindo sensações de euforia e bem-estar. A atividade alfa está associada com a meditação, transe xamânico e os modos de integração de consciência. Esta facilidade de indução contrasta significativamente com os longos períodos de isolamento e prática exigida pela maioria das disciplinas de meditação antes de induzir efeitos significativos. Estimulação rítmica é uma técnica simples e eficaz para afetar estados de espírito.

Cria um senso de conexão consigo mesmo e com os outros

Em uma sociedade em que os sistemas tradicionais da família e de base comunitária de apoio tornaram-se cada vez mais fragmentados, círculos de percussão proporcionam uma sensação de conexão com os outros e de apoio interpessoal. Um círculo de tambor oferece uma oportunidade para se conectar com seu próprio espírito, em um nível mais profundo, e também para se conectar com um grupo de outras pessoas que pensam de forma diferente. Grupo de percussão alivia egocentrismo, isolamento e alienação. O educador musical Ed Mikenas acha que bateria fornece “uma autêntica experiência de unidade e de sincronicidade fisiológica. Se colocarmos as pessoas que estão fora de sincronia com eles mesmos (ou seja, doentes, viciados) e ajudá-los a experimentar o fenômeno do pertencimento, é possível que eles se sintam com e através dos outros.

Ajuda-nos a experiência de estar em ressonância com os ritmos naturais da vida

O ritmo é a ordem de ressonância do mundo natural. Dissonância e desarmonia surgem apenas quando limitamos nossa capacidade de entrar em ressonância total e completa com os ritmos da vida. A origem da palavra ritmo é “fluxo”. Podemos aprender a “fluir”, com os ritmos da vida, simplesmente aprendendo a sentir a batida, pulso. É uma maneira de entrar no fluxo de um universo Inter dinâmico, ajudando a sentir conexão ao invés de isolamento e alienação.

Fornece uma abordagem secular para acessar um poder superior

Tambores xamânicos apoiam diretamente a introdução de fatores espirituais encontrados significativas no processo de cicatrização. Percussão e atividades xamânicas produzir um senso de conexão e comunidade, integrando corpo, mente e espírito. De acordo com um estudo recente, “atividades xamânicas conduzem as pessoas de forma direta e eficiente a encontros imediatos com as forças espirituais, focando o praticante ou paciente em todo o corpo e integrando a cura nos níveis físico e espiritual. Este processo permite que eles se conectem com a energia do universo, para externar seu próprio conhecimento e para internalizar as suas respostas, assim como aumenta a sensação de poder e responsabilidade Essas experiências são a cura, trazendo os poderes restauradores da natureza para clínicas ”

Libera sentimentos negativos, bloqueios e traumas emocionais

Batidas de tambor podem ajudar as pessoas a expressar e lidar com questões emocionais. Sentimentos e emoções não expressos podem formar bloqueios energéticos. O estímulo físico da bateria remove bloqueios e produz liberação emocional. Vibrações sonoras ressoam através de cada célula do corpo, estimulando a liberação de memórias celulares negativas. “Batidas de tambor enfatizam a auto-expressão, ensinam a reconstruir a saúde emocional, e abordam questões de violência e conflito através da expressão e integração das emoções”, diz o educador musical Ed Mikenas.

Percussão também pode atender as necessidades das populações dependentes, ajudando-os a aprender a lidar com suas emoções de forma terapêutica, sem o uso de drogas. Locais em um momento presente

Batidas de tambor ajudam a aliviar o stress que é criado a partir de agora, pendurado ao passado ou com preocupação com o futuro. Quando se toca um tambor, um é colocado diretamente no aqui e agora. Um dos paradoxos do ritmo é que ele tem tanto a capacidade de mover sua consciência para fora do corpo até reinos além do tempo e do espaço, e para aterrar firmemente no momento presente.

Fornece um meio para o indivíduo auto-realização

Batidas de tambor ajudam a reconectar-nos ao nosso núcleo, aumentando nosso senso de autonomia e estimulando a nossa expressão criativa. “A vantagem de participar de um grupo de percussão é que você desenvolve um ciclo de feedback auditivo dentro de si e entre os membros do grupo, um canal de auto-expressão e feedback positivo, que é baseado na emoção pré-verbal, e som mediado”. Cada pessoa em um círculo de tambor se expressa através de seu tambor e ouvindo outros tambores, ao mesmo tempo.

“Todo mundo está falando, todo mundo é ouvido, e o som de cada pessoa é uma parte essencial do todo.” 10 Cada pessoa pode angariar os seus sentimentos sem dizer uma palavra, sem ter que revelar seus problemas. Grupo de percussão complementa os métodos tradicionais da terapia da conversa. Ele fornece um meio de explorar e desenvolver o interior. Ele serve como um veículo para a transformação pessoal, a expansão da consciência e construção da comunidade.

O círculo de tambores primitivos está emergindo como uma ferramenta terapêutica importante na era tecnológica moderna.

Referências: 1. Bittman, MD, Barry, Karl T. Bruhn, Christine Stevens, MSW, MT-BC, James Westengard, Paul O Umbach, MA, “Recreational Music-Making, A Estratégia do Grupo Interdisciplinar de custo eficaz para reduzir Burnout e melhorando o humor Unidos em trabalhadores de cuidados de longo prazo “, os avanços na medicina mente-corpo, Fall / Winter 2003, vol. 19, N ° 3/4. 2. Winkelman, Michael, Xamanismo: A Ecologia Neural da Consciência e Cura. Westport, Conn: Bergin & Garvey, 2000. 3. Bittman, MD, Barry, “Efeitos de compostos do grupo Drumming …,” Terapias Alternativas em Saúde e Medicina, volume 7, No. 1, pp 38-47, janeiro de 2001. 4. Winkelman, Michael, Xamanismo: A Ecologia Neural da Consciência e Cura. Westport, Conn: Bergin & Garvey, 2000. 5. Friedman, Robert Lawrence, The Healing Power of the Drum. Reno, NV: White Cliffs, 2000. 6. Mikenas, Edward, “Tambores, não drogas,” Notas de percussão. Abril 1999:62-63. 7. Diamond, John, The Way of the Pulse – Rufar com o Espírito, realce Books, Bloomingdale IL. 1999. 8. Winkelman, Michael, “Terapia Complementar para Addiction: Drumming Out Drogas,” American Journal of Public Health, abril 2003, vol. 93, Issue 4, p647, 5p 9. Mikenas, Edward, “Tambores, não drogas,” Notas de percussão. Abril 1999:62-63. 10. Friedman, Robert Lawrence, The Healing Power of the Drum. Reno, NV: White Cliffs, 2000.